A PRODUÇÃO TEXTUAL NO LIVRO DIDÁTICO DO 9º ANO – UM OLHAR SOBRE AS PERSPECTIVAS DE APRENDIZAGEM

Claridiane de Camargo Stefanello, Aline Rubiane Arnemann, Bárbara Muders, Cleiton Reisdorfer Silva

Resumo


Este trabalho tem como objetivo analisar uma unidade de Livro Didático (LD) de Língua Portuguesa do 9ª Ano, a fim de identificar quais perspectivas de aprendizagem estão marcadas linguisticamente na proposta de produção textual da unidade. Tomamos como base três perspectivas de aprendizagem: behaviorismo (SKINNER, 1974; STAATS, 1980), cognitivismo (PIAGET, 1974; CHOMSKY, 2009), sociocultural (VYGOTSKY, 2001). Retomamos os conceitos chave dessas teorias de modo a possibilitar a análise do corpus. O material de análise foi selecionado com base no Programa Nacional do Livro Didático (PNLD), sendo o LD desta análise um dos livros de maior circulação em nossas escolas, especialmente da região de trabalho dos autores. Os procedimentos de análise envolveram: a seleção de seções com orientações explícitas para o trabalho em sala de aula, dentre as quais, direcionamos o foco para a seção de produção de texto; e a busca por termos linguísticos que sugerissem ou comprovassem a manifestação de determinada perspectiva linguística. A análise do corpus indicou que os autores do LD constroem atividades didáticas com base nas perspectivas cognitivista e sociocultural. 


Palavras-chave


Livro didático; Perspectivas de aprendizagem; Produção de texto

Texto completo:

PDF

Referências


BAKHTIN, M. Os gêneros do discurso. In: BAKHTIN, M. Estética da criação verbal. São Paulo: Martins Fontes, 2003. p. 261-306.

CEREJA, W. R. Português: linguagens, 9º ano: língua portuguesa/ William Roberto Cereja, Thereza Cochar Magalhães. 9. ed. reform. São Paulo: Saraiva, 2015.

CHOMSKY, N. A biolinguística e a capacidade humana. In: CHOMSKY, N. Linguagem e mente. São Paulo: Editora da UNESP, 2009. p. 311-332.

FRIEDRICH, J. O aporte específico da escola. In: FRIEDRICH, J. Lev Vigotski - Mediação, aprendizagem e desenvolvimento: uma leitura filosófica e epistemológica. Campinas, SP: Mercado de Letras, 2012. p. 99-118.

NEWMAN, F.; HOLZMAN, L. Praxis: A zona de desenvolvimento proximal. In: NEWMAN, F. & HOLZMAN, L. Lev Vygotsky: Cientista revolucionário. São Paulo: Editora Loyola, 1993. p. 71-110.

PIAGET, J. W. F. A evolução intelectual da adolescência à vida adulta. Trad. Fernando Beckere Tania B.I. Marques. Porto Alegre: Faculdade de Educação, 1993. Traduzido de: Intellectual Evolution from Adolescence to Adulthood. HumanDevelopment, v. 15, p.1-12, 1972.

SKINNER, B. F. Sobre o behaviorismo. Tradução de Maria da Penha Villalobos. São Paulo: Cultrix, 1974.

STAATS, A. W. Behaviorismo social: uma ciência do homem com liberdade e dignidade. In: Arquivos brasileiros de psicologia. 32(4): 97-116, 1980.

TERRA, M. O Behaviorismo em discussão. UNICAMP. Disponível em: http://www.unicamp.br/iel/site/alunos/publicacoes/textos/b00008.htm. Acesso em: 15 mai. 2017.

TICKS, L. “O Que Eu Faço E O Que Eu Digo Que Faço”: a metaconsciência dos professores sobre as teorias de aprendizagem. VIDYA, v. 28, n. 01, p. 43-66, jan./jun., 2008 - Santa Maria, 2009.

VYGOTSKY, L. S. A construção do pensamento e da linguagem. São Paulo: Editora Martins Fontes, 2001.




DOI: http://dx.doi.org/10.5902/1516849229354

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Indexadores da revista L&C:

                                                                                          


Órgãos aos quais a revista L&C pertence:

 

                              

 

E-ISSN 2674-6921. Revista Qualis B3, área de Letras e Linguística, Classificações de Periódicos Quadriênio 2017-2020 (CAPES).