QUEM É A MULHER VULNERÁVEL E HIPOSSUFICIENTE? EM DEFESA DO GÊNERO COMO CATEGORIA DECOLONIAL PARA A INTERPRETAÇÃO JURÍDICA

Camilla de Magalhães Gomes, Nayara Maria Costa da Silva Santos

Resumo


O presente trabalho tem por objetivo analisar o modo de aplicação da Lei 11340/06 pelo Superior Tribunal de Justiça. Para isso, examina 18 decisões, levantadas a partir do uso dos termos “hipossuficiência e vulnerabilidade” encontrados no banco de teses de sua jurisprudência para a interpretação da lei em questão. O material colhido é submetido a seguinte pergunta de pesquisa: sendo o gênero uma categoria de análise decolonial e uma categoria jurídica introduzida pela Lei 11340/06, os critérios de interpretação utilizados na prática são compatíveis com os sentidos trazidos pela Lei? A análise e as respostas são realizadas sob a teoria de gênero como performatividade e os estudos decoloniais a respeito da raça, concluindo pela inadequação do uso dos critérios referidos, apontando que, com o gênero como categoria de análise decolonial, não se pode tomar os sentidos de homem e mulher de modo essencialista, o que faz com que os critérios apresentados pelo Tribunal representem um risco aos sentidos do gênero, da violência de gênero e de seu combate e prevenção propostos pela Lei Maria da Penha.


Palavras-chave


Gênero; Hipossuficiência e Vulnerabilidade; Jurisprudência; Lei 11.340/06 (Lei Maria da Penha); Raça

Texto completo:

PDF

Referências


ALMEIDA, S. D. S. Essa violência mal-dita. In: (ORG), S. D. S. A. Violência de gênero e políticas públicas. Rio de Janeiro: UFRJ, 2007.

ALMEIDA, Tânia Mara Campos de; PEREIRA, Bruna Cristina Jaquetto. Violência doméstica e familiar contra mulheres negras no Brasil: reflexões pela ótica dos estudos feministas latino-americanos. Crítica e Sociedade: Revista de Cultura Política, v. 2, n. 2, p. 42-63, 2012.

ANDRADE, Vera Regina Pereira. A soberania patriarcal: o sistema de justiça criminal no tratamento da violência sexual contra a mulher. Seqüência: Estudos Jurídicos e Políticos, v. 26, n. 50, 2005, p. 71-102.

ATHANASIOU, Athena. BUTLER, Judith. Dispossession – the performative in the political. Cambridge: Polity, 2013.

BANDEIRA, L. M.; ALMEIDA, T. M. A "eficácia" da Lei Maria da Penha sob diferentes perspectivas. Estudos Feministas e de Gênero: Articulações e Perspectivas, p. 476-489.

BARATTA, A. O paradigma de gênero: Da questão criminal à questão humana. In: CAMPOS, C. H. D. Criminologia e feminismo. Porto Alegre: Sulina, 1999. p. 19-80.

BASTERD, L. L. Lei Maria da Penha: uma experiência bem-sucedida da advocacy feminista. In: CAMPOS, C. H. D. Lei Maria da Penha comentada em uma perspectiva jurídico-feminista. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2011. p. 13-38.

BENJAMIN, Walter. Para a crítica da violência. In BENJAMIN. Escritos sobre mito e linguagem. 2ª ed. Trad. Susana Kampf. São Paulo: Duas Cidades, 2013.

BIANCHINI, A. Da assistência à mulher em situação de violência doméstica e familiar - artigo 8º. In: CAMPOS, C. H. D. Lei Maria da Penha comentada em uma perspectiva juridico-feminista. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2011. p. 215-232.

BRASIL. Decreto Lei nº 2.848, de 7 de dezembro de 1940. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Decreto-Lei/Del2848.htm. Acesso em: 07 de abr. de 2017.

BRASIL. Lei 11.340, de 7 de agosto de 2006. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2004-2006/2006/lei/l11340.htm. Acesso em: 03 abr. 2017.

BRASIL. Superior Tribunal de Justiça. Conflito de Competência. CC 96533/MG. Terceira Seção. Suscitante: Juízo de Direito da 1ª Vara Criminial de Conselheiro Lafaiete – MG. Suscitado: Juizo de Direito do Juizado Especial Criminal de Conselheiro Lafaiete – MG. Relator: Ministro OG Fernandes. Brasília, 05 de dezembro de 2008. Disponível em: https://ww2.stj.jus.br/processo/revista/documento/mediado/?componente=ATC&sequencial=4453153&num_registro=200801270287&data=20090205&tipo=5&formato=PDF. Acesso em: 10 out. 2016.

BRASIL. Superior Tribunal de Justiça. Habeas Corpus. HC nº 92.875/RS. Sexta Turma. Impetrante: Flávio Barros Pires. Impetrado: Tribunal de Justiça do Estado do Rio Grande do Sul. Relatora: Ministra Jane Silva (Convocada TJ/MG). Brasília, 30 de out. de 2008. Disponível em: https://ww2.stj.jus.br/processo/revista/documento/mediado/?componente=ATC&sequencial=4148053&num_registro=200702475930&data=20081117&tipo=51&formato=PDF. Acesso em: 10 out. 2016.

BRASIL. Superior Tribunal de Justiça. Habeas Corpus. HC nº 176.196/RS. Quinta Turma. Impetrante: Defensoria Pública do Rio Grande do Sul. Impetrado: tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul. Relator: Ministro Gilson Dipp. Brasília, 12 de junho de 2012. Disponível em: https://ww2.stj.jus.br/processo/revista/documento/mediado/?componente=ATC&sequencial=22315043&num_registro=201001084619&data=20120620&tipo=51&formato=PDF. Acesso em: 10 out. 2016.

BRASIL. Superior Tribunal de Justiça. Habeas Corpus. HC 175.816/RS. Quinta Turma. Impetrante: Tatiane Chaves Soares. Impetrado: Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul. Relator: Ministro Marco Aurélio Bellizze. Brasília, 20 de junho de 2013.Disponível em: https://ww2.stj.jus.br/processo/revista/documento/mediado/?componente=ATC&sequencial=22315043&num_registro=201001084619&data=20120620&tipo=51&formato=PDF. Acesso em: 10 out. 2016.

BRASIL. Superior Tribunal de Justiça. Habeas Corpus. HC 181.246/RS. Sexta Turma. Impetrante: Defensoria Pública do Rio de Janeiro. Impetrado: Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro. Relator: Ministro Sebastião Reis Júnior. Brasília, 20 de agosto de 2013. Disponível em https://ww2.stj.jus.br/processo/revista/documento/mediado/?componente=ATC&sequencial=30064878&num_registro=201001432660&data=20130906&tipo=51&formato=PDF. Acesso em 10 de out. de 2016.

BRASIL. Superior Tribunal de Justiça. Habeas Corpus. HC 196.877/RJ. Quinta Turma. Impetrante: Defensoria Pública do Rio de Janeiro. Impetrado: Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro. Relatora: Ministra Laurita Vaz. Brasília, 05 de setembro de 2013. Disponível em: https://ww2.stj.jus.br/processo/revista/documento/mediado/?componente=ATC&sequencial=30251022&num_registro=201100273323&data=20130911&tipo=91&formato=PDF Acesso em: 10 out. 2016.

BRASIL. Superior Tribunal de Justiça. Habeas Corpus. HC 250.435/RJ. Quinta Turma. Impetrante: Defensoria Pública do Rio de Janeiro. Impetrado: Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro. Relatora: Ministra Laurita Vaz. Brasília, 19 de setembro de 2013. Disponível em https://ww2.stj.jus.br/processo/revista/documento/mediado/?componente=ATC&sequencial=31125038&num_registro=201201614930&data=20130927&tipo=91&formato=PDF. Acesso em 06 de abr. de 2017.

BRASIL. Superior Tribunal de Justiça. Habeas Corpus. HC 277.561/AL. Quinta Turma. Impetrante: Defensoria Pública do Estado de Alagoas. Impetrado: Tribunal de Justiça do Estado de Alagoas – TJAL. Relator: Ministro Jorge Mussi. Brasília, 06 de novembro de 2014. Disponível em: https://ww2.stj.jus.br/processo/revista/documento/mediado/?componente=ATC&sequencial=40144452&num_registro=201303168866&data=20141113&tipo=51&formato=PDF. Acesso em: 10 out. de 2016.

BRASIL. Superior Tribunal de Justiça. Habeas Corpus. HC nº 280.082/RS.Quinta Turma. Impetrante: Itajar Maldonado Júnior. Impetrado: Tribunal de Justiça do Estado do rio Grande do Sul. Relator: Ministro Jorge Mussi. Brasília, 02 de fevereiro de 2015. Disponível em: https://ww2.stj.jus.br/processo/revista/documento/mediado/?componente=ATC&sequencial=43981518&num_registro=201303511148&data=20150225&tipo=51&formato=PDF. Acesso em: 10 out. 2016.

BRASIL. Superior Tribunal de Justiça. Habeas Corpus. HC nº 344.369/SP. Quinta Turma. Impetrante: Defensoria Pública do Estado de São Paulo. Impetrado: Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo. Relator: Ministro Jorge Mussi. Brasília, 19 de maio de 2016. Disponível em: https://ww2.stj.jus.br/processo/revista/documento/mediado/?componente=ATC&sequencial=59935169&num_registro=201503103162&data=20160525&tipo=51&formato=PDF. Acesso em: 10 out. 2016.

BRASIL. Superior Tribunal de Justiça. Recurso em Habeas Corpus. RHC nº 55.030/RJ. Quinta Turma. Recorrente: Cícero Gonçalves Dungas. Recorrido: Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro. Relator: Ministro Reynaldo Soares da Fonseca. Brasília, 23 de junho de 2015. Disponível em: https://ww2.stj.jus.br/processo/revista/documento/mediado/?componente=ATC&sequencial=48814961&num_registro=201403305536&data=20150629&tipo=51&formato=PDF. Acesso em: 10 out. 2016.

BRASIL. Superior Tribunal de Justiça. Recurso Especial. REsp nº 1.416.580/RJ. Quinta Turma. Recorrente: Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro. Recorrido: C.E.B.D.F. Relatora: Ministra Laurita Vaz. Brasília, 01 de abril de 2014. Disponível em: https://ww2.stj.jus.br/processo/revista/documento/mediado/?componente=ATC&sequencial=33754168&num_registro=201303709101&data=20140415&tipo=91&formato=PDF. Acesso em: 10 out. 2016.

BUTLER, Judith. Problemas de gênero: feminismo e subversão da identidade. Trad. Renato Aguiar. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2003, p. 14.

CAMPOS, C. H. D. Disosições preliminares - artigos 1º, 2º, 3º e 4º. In: CAMPOS, C. H. D. Lei Maria da Penha comentada em uma perspectiva jurídico-feminista. Rio de Janeiro: Editora Lumen Juris, 2011.

CAMPOS, C. H. D. Razão e Sensibilidade: Teoria feminista do Direito e Lei Maria da Penha. In: CAMPOS, C. H. D. Lei Maria da Penha comentada em uma perspectiva jurídico feminista. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2011. p. 1-12.

CAMPOS, C. H.; CARVALHO, S. D. Tensões atuais entre a criminologia feminista e a criminologia crítica: a experiência brasileira. In: CAMPOS, C. H. Lei Maria da Penha comentada em uma perspectiva jurídico-feminista. Rio de Janeiro: [s.n.], 2011. p. 143-172.

CARNEIRO, Aparecida Sueli. Enegrecer o feminismo: a situação da mulher negra na américa latina a partir de uma perspectiva de gênero. 2011 Disponível em: http://www.geledes.org.br/enegrecer-o-feminismo-situacao-da-mulher-negra-na-america-latina-partir-de-uma-perspectiva-de-genero/#gs.YETrpfQ. Acesso em: 20 ago 2013.

DERRIDA, Jacques. Assinatura Acontecimento Contexto (1972). In Margens da Filosofia. Trad. Joaquim Torres Costa e António M. Magalhães. Campinas: Papirus, 1991.

DIAS, M. B. Alguns conceitos. In: DIAS, M. B. A Lei Maria da Penha na justiça: a efetividade da Lei 11.340/06 de commbate a violência doméstica e familiar contra a mulher. São Paulo: Revista dos tribunais, 2007. Cap. 7, p. 39-54.

FEIX, V. Das formas de violência contra a mulher. In: CAMPOS, C. H. D. Lei Maria da Penha comentada em uma perspectiva juridico-feminista. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2011. p. 201-214.

FLAUZINA, Ana Luiza Pinheiro. Lei Maria da Penha: entre os anseios da resistência e as posturas da militância IN FLAUZINA, FREITAS, VIEIRA, PIRES, Discursos Negros: legislação penal, política criminal e racismo. Brasília: Brado Negro, 2015.

GOMES, L. F.; BIANCHINI, A. Competência Criminal da Lei de Violência Contra a Mulher. Disponível em: http://ww3.lfg.com.br/public_html/article.php?story=20060904210631861. Acesso em: 10 out. 2016.

HARRIS, Angela P. Race and Essentialism in Feminist Legal Theory. Stanford Law Review, v. 42, n. 3, 1990. pp. 581-616. Disponível em: http://works.bepress.com/angela_harris/6. Acesso em: 20 ago 2013.

MAGALHÃES GOMES, Camilla de. Gênero como categoria de análise decolonial. Civitas, Porto Alegre, v. 18, n. 1, p. 65-82, jan.-abr. 2018.

MAGALHÃES GOMES, Camilla de. Têmis Travisti – as relações entre gênero, raça e direito na busca de uma hermenêutica expansiva do “humano” no Direito. Tese de doutorado, Programa de Pós-graduação em Direito, Estado e Constituição, Universidade de Brasília, 2017.

MCCLINTOCK, Anne. Couro imperial: raça, gênero e sexualidade no embate colonial. Trad. Plinio Dentzien. Campinas: Unicamp, 2010.

MONTENEGRO, M. Lei Maria da Penha: uma análise criminológico-crítica. 1ª. ed. Rio de Janeiro: Renavan, 2015.

NUCCI, G. D. S. Manual de direito penal. 12ª. ed. Rio de Janeiro: Forence, 2016.

PIOVESAN, F. Litigância internacional e avanços locais: violência contra a mulher e a lei "Maria da Penha". In: PIOVESAN, F. Temas de direitos humanos. 7ª. ed. São Paulo: Saraiva, 2014. Cap. 16, p. 364 - 381.

SAFFIOTI, H. Contribuições feministas para o estudo da violência de gênero. Cadernos pagu, São Paulo, 2001. 115-136.

SANTOS, C. M.; IZUMINO, W. P. Violência contra as mulheres e violência de gênero: notas sobre estudos feministas no Brasil. Estudios interdisciplinarios de América Latina y el Caribe, v. 16, 2014.

SEGATO, Rita L. Las estructuras elementales de la violencia. 2ª Ed. Buenos Aires: Prometeo, 2013.

SOUZA, S. R. D. Comentários à lei de combate à violência contra a mulher - Lei Maria da Penha (11.340/06). 2ª. ed. Curitiba: Juruá Editora, 2008.




DOI: https://doi.org/10.5902/1981369435279

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2019 Revista Eletrônica do Curso de Direito da UFSM

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Sem derivações 4.0 Internacional.

REVISTA ELETRÔNICA DO CURSO DE DIREITO DA UFSM - Qualis A1

RECDUFSM  /  ISSN 1981-3694   /  Digital Object Identifier (DOI): 10.5902/19813694  http://periodicos.ufsm.br/revistadireito

Revista Qualis A1 área de Direito /  Classificações de Periódicos Quadriênio 2013-2016 (CAPES)