Formar professores, um gesto de resistência

Daniel Bruno Momoli

Resumo


O gesto de resistência descrito neste texto é constituído pelo cruzamento de duas linhas de força que se entrelaçam: a primeira, consiste na confissão da pobreza de experiência de um professor formador de professores; e a segunda é uma problematização sobre a formação de professores como lugar de resistência capaz de permitir a criação de formas outras de estar no mundo. Tal tessitura se abre para uma segunda problematização em relação ao que é vivido no Brasil desde o ano de 2016 e do quanto esse gesto de formar professores é uma atividade que nesse momento desafia a sociedade na medida que pode ser um lugar de instituição de novas formas de vida. São coisas diferentes colocadas em relação a partir do pensamento de Michel Foucault para fazer conversar entre si de um modo que seja possível transformar as nossas relações com a atualidade.


Palavras-chave


Formação docente, subjetividade, experiência, política, ética.

Texto completo:

PDF

Referências


ADORNO, T. A educação após Auschwitz (1995). Disponível em: http://adorno.planetaclix.pt/tadorno10.htm. Acesso em: 20 agos. 2018.

AGAMBÉM, G. O que resta de Auschwitz: o arquivo e a testemunha. São Paulo: Boitempo, 2008.

_____. O que é o contemporâneo? In: _____. O que é o contemporâneo? e outros ensaios. Chapecó (SC): Argos, 2010. p. 55-73.

AQUINO, J.G. O pensamento como desordem: repercussões do legado foucaultiano. Proposições, São Paulo, v. 25, n. 2 (74), p. 83-102, 2014.

ARTIÈRES, P. Dizer a atualidade. O trabalho de diagnóstico em Michel Foucault. In: GROS, F. (Org.). Foucault: a coragem da verdade. São Paulo: Parábola, 2004. p. 15-37.

BENJAMIN, W. Experiência e pobreza. In: ___. Magia e Técnica, Arte e Política. [Obras Escolhidas]. Trad. Sergio Paulo Rouanet. São Paulo: Brasiliense, 1993. p. 114-119.

FIAMINI, M. O verdadeiro amor e o cuidado comum do mundo. In: GROS, F. Foucault: a coragem da verdade. São Paulo: Parábola Editorial, 2004. p.89-128.

FISCHER, R.M.B. Trabalhar com Foucault: arqueologia de uma paixão. Belo Horizonte: Autêntica, 2012.

_____. Verdades em suspenso: Foucault e os perigos a enfrentar. In: COSTA, M. V. (org.). Caminhos Investigativos II: outros modos de pensar e fazer pesquisa em educação. Rio de Janeiro: DP&A, 2002.

FOUCAULT, M. História da Sexualidade II; o uso dos prazeres. Rio de Janeiro: Graal, 1994.

_____ O que são as luzes? In: Ditos & Escritos, volume II: Arqueologia das ciências e história dos sistemas de pensamento. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2005. p. 335351.

_____. Ditos & Escritos, volume III: Estética: literatura e pintura, música e cinema. Rio de Janeiro: Forense, 2009.

_____. A ordem do discurso: aula inaugural no Collége de France, pronunciada em 2 de dezembro de 1970. 20. ed. São Paulo: Loyola, 2010.

FOUCAULT, M. Arqueologia do saber. 7. ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2010b.

_____. Em defesa da sociedade: curso no Collége de France. 2. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2010c.

_____. Hermenêutica do sujeito. 3. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2011.

FRIGOTTO, G. A formação e a profissionalização do educador: novos desafios. In: SILVA, T.T. da; GENTILI, P. Escola S.A.: quem ganha e quem perde no mercado educacional do neoliberalismo. Brasília: CNTE, 1996. p. 75-105.

GRUPO CONTRAFILÉ. Onde o comum se faz possível. In: SIMPÓSIO INTERNACIONAL FORMAÇÃO DE EDUCADORES EM ARTE E PEDAGOGIA, 3, 2017, São Paulo, SP. Anais [...] São Paulo: MACKENZIE, 2017. p.115-118.

MASSCHELEIN, J.; SIMONS, M. Em defesa da escola: uma questão pública. Belo Horizonte: Autêntica, 2014.

ORTEGA, F. Amizade e estética da existência em Foucault. Rio de Janeiro: Graal, 1999.

PELBART, P.P. Excurso sobre o desastre. (2011) Disponível em: https://revistapolichinelo.blogspot.com.br/2011/07/excurso-sobre-o-desastre.html. Acesso em: 29 set. 2018.

PEREIRA, M. V. Estética da Professoralidade: um estudo crítico sobre a formação do professor. Santa Maria: Editora da UFSM, 2016.

RANCIÈRE, J. O espectador emancipado. São Paulo: Martins Fontes, 2012.

RIOS, T.A. O desafio da convivência colaborativa. In: SIMPÓSIO INTERNACIONAL FORMAÇÃO DE EDUCADORES EM ARTE E PEDAGOGIA, 3, 2017, São Paulo, SP. Anais [...]. São Paulo: MACKENZIE, 2017. p.119-127.

ROLNIK, S. A hora da micropolítica (2016). Disponível em https://laboratoriodesensibilidades.wordpress.com/2016/06/07/suely-rolnik-a-hora-damicropolitica/. Acesso em: 30 jul., 2018.

VEIGA-NETO, A. Pensar a escola como instituição que pelo menos garanta a manutenção das conquistas fundamentais da modernidade. In: COSTA, M.V. A escola tem futuro? 2.ed. Rio de Janeiro: Lamparina, 2007. p.96-118.




DOI: http://dx.doi.org/10.5902/1983734832839

 
 
 
DOI: Digital Object Identifier 10.5902/19837348

Qualis B1

Este trabalho está licenciado sob uma Licença Creative Commons Attribution 4.0 (CC BY 4.0).

This work is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 (CC BY 4.0).

Acessos a partir de 17/09/2015

CopySpider - Software Anti-plagio