A educação em disputa no Brasil contemporâneo: entre os estudos de gênero, a dita ideologia de gênero e a produção de uma ‘ideologia de gênesis’

Tássio Acosta, Sílvio Gallo

Resumo


O presente artigo dá-se a partir de um processo reflexivo-filosófico sobre o contexto da educação brasileira na contemporaneidade e as perseguições impostas aos pesquisadores de gêneros e sexualidades no campo da educação por meio do agenciamento de setores conservadores da sociedade, sobretudo de matriz cristã, com intuito de deslegitimar e desqualificar esta área do saber ao cunhar a terminologia ideologia de gênero. Neste sentido, propõe ainda desvendar uma nova produção conceitual, a de uma ideologia de gênesis’, influenciada pela religiosidade cristã e propagada por estes mesmos agentes, agora utilizando os ensinamentos bíblicos como forma de interdição dos corpos para salvaguardar as suas entradas no Céu de Cristo. As análises e reflexões apresentadas estão amparadas, de modo central, nos estudos de gênero e no pensamento de Foucault (2004, 2008, 2014a, 2014b). Este é um estudo teórico-bibliográfico de natureza filosófica. O período analisado compreende a década de 2010-2020, marcada, no cenário político brasileiro, por muita instabilidade e pela ascensão de um neoconservadorismo.


Palavras-chave


Ideologia de Gênero; ‘Ideologia de Gênesis’; Base Nacional Comum Curricular.

Texto completo:

PDF HTML

Referências


ACOSTA, Tássio. Morrer para nascer travesti: escolaridades, performatividades e a pedagogia da intolerância. Dissertação de Mestrado do Programa de Pós-Graduação em Educação, 2016. Disponível em: https://www.academia.edu/25275876/Morrer_para_nascer_Travesti_performatividades_escolaridades_e_a_pedagogia_da_intoler%C3%A2ncia. Acesso em 20 maio 2020.

ACOSTA, Tássio. Produções de verdade perante vivências da sexualidade juvenil a partir da troca de fotos em aplicativos de celulares. Periódicus, Salvador, n. 12, v.1, 2020. Disponível em: https://www.academia.edu/42748991/Produ%C3%A7%C3%B5es_de_verdade_perante_viv%C3%AAncias_da_sexualidade_juvenil_a_partir_da_troca_de_fotos_em_aplicativos_de_celulares. Acesso em 20 maio 2020.

ALTMANN, Helena. Orientação sexual nos parâmetros curriculares nacionais. Rev. Estud. Fem., Florianópolis, v. 9, n. 2, p. 575-585, 2001. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-026X2001000200014&lng=en&nrm=iso. Acesso em 15 maio 2020. https://doi.org/10.1590/S0104-026X2001000200014.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. Plano Nacional da Educação. 2015. Brasília, DF, 2015.

BRASIL. Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Brasília, DF, 1988

BRASIL. Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos. Lei nº. 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Brasília, DF, 1996.

BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros Curriculares Nacionais: terceiro e quarto ciclos: apresentação dos temas transversais. Brasília: MECSEF, 1998. Brasília, DF, 1998.

BRASIL. Supremo Tribunal Federal. Arguição de descumprimento de Preceito Fundamental 600 Paraná. Brasília, DF/ sd.

BUTLER, Judith. Quadros de guerra: quando a vida é passível de luta? Rio de Janeiro. Ed. Civilização Brasileira, 2015.

CARVALHO, Alexandre Filordi de; GALLO, Silvio Donizetti de Oliveira. Defender a escola do dispositivo pedagógico: o lugar do experimentum scholae na busca de outro equipamento coletivo. ETD - Educação Temática Digital, v. 19, n. 4, p. 622-641, 6 out. 2017. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/etd/article/view/8648756. Acesso em 12 mar. 2020.

CIOCCARI, Deysi. Operação Lava Jato: Escândalo, Agendamento e Enquadramento. Revista Alterjor. 12, n. 2. 2015. Disponível em: https://www.revistas.usp.br/alterjor/article/download/aj12-a04/aj12-a4/. Acesso em 17 mar. 2020.

DUQUE, Tiago. Da importância de rir com Inês Brasil: educação, pânico moral e 'ideologia de gênero. 38ª Reunião Nacional ANPED. Democracia em risco: a pesquisa e a pós-graduação em contexto de resistência. São Luís - MA, 2017. Disponível em: 38reuniao.anped.org.br/sites/default/files/resources/programacao/trabalho_38anped_2017_GT23_599.pdf. Acesso 17 maio 2020.

FAUSTO-STERLING, Anne. Dualismos em duelo. Cad. Pagu, Campinas, n. 17-18, p. 9-79, 2002. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-83332002000100002&lng=en&nrm=iso. Acesso em 19 maio 2020. http://dx.doi.org/10.1590/S0104-83332002000100002.

FOUCAULT, Michel. A hermenêutica do sujeito. São Paulo: Martins Fontes; 2004.

FOUCAULT, Michel. Segurança, Território, População. São Paulo: Martins Fontes, 2008.

FOUCAULT, Michel. A coragem da verdade: o governo de si e dos outros II. São Paulo: Martins Fontes, 2014a.

FOUCAULT, Michel. Do governo dos vivos. São Paulo: Martins Fontes, 2014b.

GALLO, Silvio. Governamentalidade democrática e ensino de filosofia no Brasil contemporâneo. Cadernos de Pesquisa (Fundação Carlos Chagas), v.42, 2012, p.48 - 64. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_abstract&pid=S0100-15742012000100005&lng=en&nrm=iso&tlng=pt. Acesso em 08 abr. 2020

GALLO, Silvio. “O pequeno cidadão”: sobre a condução da infância em uma governamentalidade democrática In: RESENDE, H. (org.). Michel Foucault - O Governo da Infância. Belo Horizonte: Autêntica, 2015, p. 329-343.

GALLO, Silvio. Políticas da diferença e políticas públicas em educação no Brasil. Educação e Filosofia, Uberlândia, v. 31, n. 63, p. 1497-1523, set./dez. 2017a. Disponível em: http://www.seer.ufu.br/index.php/EducacaoFilosofia/article/view/36722. Acesso em: 10 abr. 2020.

GALLO, Silvio. Biopolítica e subjetividade: resistência? Educar em Revista, Curitiba, Brasil, v. 33, n. 66, p. 77-94, out./dez. 2017b. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/er/n66/0104-4060-er-66-77.pdf. Acesso em 10 abr 2020.

GALLO, Silvio. Tempos difíceis, mas não impossíveis. Pro-Posições, v. 30, p. 1-5, 4 set. 2019. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/pp/v30/0103-7307-pp-30-e2019ed01.pdf. Acesso em 07 mar. 2020.

GALLO, Silvio; VEIGA-NETO, Alfredo. Fundamentalismo e educação. Belo Horizonte: Autêntica editora, 2009.

JUNQUEIRA, Rogério Diniz. "Ideologia de gênero": a gênese de uma categoria política reacionária - ou: a promoção dos direitos humanos se tornou uma "ameaça à família natural?". In.: RIBEIRO, Paula Regina Costa; MAGALHÃES, Joanalira Corpes. Debates contemporâneos sobre Educação para a sexualidade [org.] Rio Grande: Ed. da FURG, 2017. 284 p.

LIONÇO, Tatiana et al. “Ideologia de gênero”: estratégia argumentativa que forja cientificidade para o fundamentalismo religioso. Psicologia Política, 18(43), p. 599 – 621, 2018. Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_abstract&pid=S1519-549X2018000300011&lng=pt&nrm=iso. Acesso em: 14 mar. 2020.

LOURO, Guacira Lopes. Teoria queer: uma política pós-identitária para a educação. Rev. Estud. Fem., Florianópolis, v. 9, n. 2, p. 541-553, 2001. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-026X2001000200012&lng=en&nrm=iso. Acesso em 19 maio 2020. https://doi.org/10.1590/S0104-026X2001000200012.

MARANHÃO Fº, Eduardo Meinberg de Albuquerque. “Matando uma leoa por dia”: ideologia de gênero e de gênesis na “cura” de travestis. Revista Eletrônica Correlatio. v. 17, n. 2 - Dezembro de 2018. Disponível em: https://www.metodista.br/revistas/revistas-ims/index.php/COR/article/view/9298. Acesso em 18 mar. 2020.

MISKOLCI, Richard. Pânicos morais e controle social: reflexões sobre o casamento gay. Cad. Pagu, Campinas, n. 28, p. 101-128, June 2007. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-83332007000100006&lng=en&nrm=iso. Acesso em 19 maio 2020.

MISKOLCI, Richard; CAMPANA, Maximiliano. “Ideologia de gênero”: notas para a genealogia de um pânico moral contemporâneo. Revista Sociedade e Estado – Volume 32, Número 3, Setembro/Dezembro 2017. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0102-69922017000300725&script=sci_abstract&tlng=pt. Acesso em 20 mar. 2020.

PATERNOTTE, David; KUHAR, Roman. "Ideologia de gênero" em movimento. Rev. psicol. polít., São Paulo, v. 18, n. 43, p. 503-523, dez. 2018. Disponível em http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1519-549X2018000300005&lng=pt&nrm=iso. Acesso em 19 mai. 2020.

PEREIRA, Talita Vidal; COSTA, Hugo Heleno Camilo; CUNHA, Érika Virgílio Rodrigues. Uma base à Base: quando o currículo precisa ser tudo. Revista de Educação Pública. v. 24, n. 56, 2015. Disponível em: http://periodicoscientificos.ufmt.br/ojs/index.php/educacaopublica/article/view/2377. Acesso em: 12 abr. 2020.

PISCITELLI, Adriana. Gênero em perspectiva. Cadernos Pagu, n. 11, p. 141-155, 1 jan. 2013. Disponível em: https://www.periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/cadpagu/article/view/8634469/2393. Acesso em 20 mai. 2020

RAGO, Margareth. A coragem feminina da verdade: mulheres na ditadura militar no Brasil. Caderno Espaço Feminino - Uberlândia-MG - v. 28, n. 2 – Jul./Dez. 2015 – ISSN online 1981-3082 Disponível em: http://www.seer.ufu.br/index.php/neguem/article/view/3416. Acesso em: 12 abr. 2020.

RAGO, Margareth. “Estar na hora do mundo”: subjetividade e política em Foucault e nos feminismos. Interface (Botucatu), Botucatu, v. 23, e180515, 2019.

RANCIÈRE, Jacques. O mestre ignorante. Belo Horizonte, MG: Autêntica, 2002.

REIS, Toni; EGGERT, Edla. Ideologia de gênero: uma falácia construída sobre os planos de educação brasileiros. Educ. Soc., Campinas, v. 38, n. 138, p. 9-26, Jan. 2017. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0101-73302017000100009&lng=en&nrm=iso. Acesso em 19 maio 2020.

REIS, Toni; EGGERT, Edla. Ideologia de Gênero: uma falácia construída sobre os planos de educação brasileiros. Educ. Soc., Campinas, v. 38, n. 138, p. 9-26, Jan. 2017. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0101-73302017000100009&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 19 maio 2020.

ROSA, Pablo Ornelas; SOUZA, Aknaton Toczek; CAMARGO, Giovane Matheus. O combate à “ideologia de Gênero” na era da pós-verdade: uma cibercartografia das fake news difundidas nas mídias digitais brasileiras. Sinais n. 23/2 Jul-Dez 2019, Vitória - Brasil. pp. 128-154. Disponível em: https://periodicos.ufes.br/sinais/article/view/29044. Acesso em 19 mai. 2020

RUBIN, Gayle. lhinking Sex: Notes for a Radical lheory of the Politics of Sexuality. In: ABELOVE et al. The Lesbian and Gay Studies Reader. New York: Routledge, 1984. p. 3-44.

SCALA, Jorge. Ideologia de Gênero: o neototalitarismo e a morte da família. Editora Artpress, São Paulo: 2011.

SCHÉRER, René. Émile perverti ou Des rapports entre l’éducation et la sexualité. Paris: Laffont, 1974. Réédition Désordres-Laurence Viallet, 2006.

SCOTT, Joan. Gênero: uma categoria útil de análise histórica. Educação & Realidade. 20(2):71-99 jul./dez. 1995. Disponível em https://seer.ufrgs.br/educacaoerealidade/article/view/71721/40667. Disponível em 20 mai. 2020.

SILVA, Cristiane Gonçalves da; LIONÇO, Tatiana. Temas perigosos para a educação? juventudes, instituições de ensino, gênero e sexualidades. Inter-Ação, Goiânia, v.44, n.1, p. 180-195, jan./abr. 2019. Disponível em: https://www.academia.edu/39431960/Temas_perigosos_para_educa%C3%A7%C3%A3o_Juventudes_institui%C3%A7%C3%B5es_de_ensino_g%C3%AAnero_e_sexualidades. Acesso em 12 abr. 2020.

SILVA, Tomaz Tadeu da. Documentos de Identidade: uma introdução às teorias do currículo. Belo Horizonte: Autêntica, 2005.

SINGER, André. Brasil, Dossiê: mobilizações, protestos e revoluções. Novos Estudos, 97, novembro de 2013. Disponível em: www.scielo.br/pdf/nec/n97/03.pdf. Acesso em 16 mar. 2020.




DOI: https://doi.org/10.5902/1984644443607

CONTATO:

E-mail: revistaeducacaoufsm@gmail.com

Universidade Federal de Santa Maria (UFSM)
Centro de Educação - Lapedoc - Prédio 16
Av. Roraima, 1000 - Cidade Universitária
97105-900 - Santa Maria - RS, Brasil.
Telefone: +55 55 3220 8795

Link: https://periodicos.ufsm.br/reveducacao


ISSN Eletrônico: 1984-6444

DOI: http://dx.doi.org/10.5902/19846444

Qualis/Capes: Educação A1

Periodicidade: Publicação contínua

O recebimento de artigos caracteriza-se por fluxo contínuo sem que seja possível prever a data de sua publicação.

 

A Revista Educação (UFSM) agradece auxílio recebido por meio do Edital Pró-Revistas, da Pró-Reitoria de Pós-Graduação e Pesquisa, da Universidade Federal de Santa Maria. 

This work is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 International (CC BY 4.0).

Contador de visitas
click counter
Contador de visitas

Acessos a partir de 30/11/2016

____________________________________________________

    

SalvarSalvarSalvarSalvarSalvarSalvar