ORALIDADE E AS ESTRATÉGIAS DE PROGRESSÃO TEMÁTICA: PRÁTICAS COM O GÊNERO SEMINÁRIO EM UMA TURMA DE 9º ANO

EVALDO RIBEIRO ANDRADE, Bárbara Olímpia Ramos Melo

Resumo


O seminário é caracterizado principalmente pela atividade de expor e a sua progressão temática pode ser efetivada pelo uso de diferentes estratégias. Nesse sentido, o presente trabalho objetiva analisar as estratégias de progressão temática de seminários apresentados por alunos de uma turma de 9º ano de uma escola pública de Teresina-PI. Gonçalves (2009), Gomes-Santos (2012) e Dolz (2004) são alguns teóricos usados para fundamentar este trabalho. Metodologicamente, quanto aos objetivos, desenvolveu-se uma pesquisa exploratória e descritiva. Constatou-se que alguns grupos conseguiram operacionalizar mais estratégias que outros e, por isso, mantiveram por mais tempo a plateia atenta ao que era exposto.

Palavras-chave


Oralidade. Seminário. Estratégia de progressão temática. Ensino.

Texto completo:

PDF

Referências


BRASIL, Ministério da Educação, Secretaria de Educação Básica. Parâmetros Curriculares Nacionais. Terceiro e quarto ciclos do ensino fundamental. Língua Portuguesa. Brasília: Ministério da Educação, 1998.

BUENO, Luzia; ABREU, Cláudia de Jesus. Gêneros orais na universidade: relato de uma experiência com o seminário. Synergies Brésil n° 8, 2010. p. 119-125.

COSTA-HÜBES, Terezinha da C. SWIDERSKI, Rosiane M. S. Gêneros orais e ensino: uma experiência didática com notícia televisiva. In: BUENO, Luzia. COSTA-HÜBES, Terezinha da C. (Orgs.). Gêneros orais no ensino. Campinas-SP: Mercado de Letras, 2015. p. 139-168.

DOLZ, Joaquim. BUENO, Luzia. Gêneros orais e gêneros produzidos na interface escrito-oral: o discurso de formatura no ensino fundamental e sua contribuição para o letramento escolar. In: BUENO, Luzia. COSTA-HÜBES, Terezinha da C. (Orgs.). Gêneros orais no ensino. Campinas-SP: Mercado de Letras, 2015. p. 117-138.

DOLZ, Joaquim. GAGNON, Roxane. O gênero de texto, uma ferramenta didática para desenvolver a linguagem oral e escrita. In: BUENO, Luzia. COSTA-HÜBES, Terezinha da C. (Orgs.). Gêneros orais no ensino. Campinas-SP: Mercado de Letras, 2015. p. 23-56.

DOLZ, Joaquim et al. A exposição oral. In: _____. Gêneros orais e escritos na escola. Tradução e organização Roxane Rojo e Glaís Sales Cordeiro. Campinas/SP: Mercado de Letras, 2004. p. 183-211.

FÁVERO, Leonor L.; ANDRADE, Maria Lúcia C. V. O.; AQUINO, Zilda G. O. Oralidade e escrita: perspectivas para o ensino de língua materna. 8 ed. São Paulo: Cortez, 2012.

GIL, Antônio Carlos. Como elaborar projetos de pesquisa. 4 ed. São Paulo: Atlas, 2002.

GOMES-SANTOS, Sandoval Nonato. A exposição oral: nos anos iniciais do ensino fundamental. São Paulo: Cortez, 2012.

GONÇALVES, A. V.; BERNARDES, E. S. O gênero seminário: usos e dimensões ensináveis. Revista Linguasagem, ISSN: 1983-6988, São Carlos, 2010.

GOULART, C. As práticas orais na escola: o seminário como objeto de ensino. Dissertação (Mestrado em Linguística Aplicada) – Instituto de Estudos da Linguagem, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2005. 210 f.

KOCH, Ingedore G. V. Especificidade do texto falado. In: JUBRAN, Clélia Spinardi (org.). A construção do texto falado. São Paulo: Contexto, 2015. p. 39-46.

SANTOS, Leonor W. RICHE, Rosa C. TEIXEIRA, Claudia S. Análise e produção de textos. São Paulo: Contexto, 2015.




DOI: https://doi.org/10.5902/2176148538616

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 Letras

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

 

                      

 

                

 

                

 

    

  

   

 

  

 

 

                                     QUALIS/CAPES: Letras B2

                              ISSN Versão Impressa: 1519-3985

                              ISSN Versão Digital: 2176-1485



Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.