Um uso muito particular do clítico se

Fernanda Beatriz Caricari de Morais, Leila Barbara

Resumo


Neste artigo, analisa-se um conjunto de verbos cujo funcionamento ou significado varia quer ocorram com o clítico se ou não. A multiplicidade de funções, uma das características do se, é um dos problemas mais interessantes da língua portuguesa e de outras como francês, espanhol e italiano. Uma das controvérsias em torno desse clítico é a possibilidade do sujeito estar ou não indeterminado, como discutem as pesquisas de Nunes (1991), Monteiro (1994), Bagno (2000), Camacho (2002, 2003), entre outros. A base teórica, a Linguística Sistêmico-Funcional (HALLIDAY 1985, 1994; HALLIDAY; MATTHIESSEN, 2004), tem como foco a língua em uso e permite analisar as escolhas gramaticais em textos (escritos ou falados) com base no contexto de cultura e de situação em que se realizam. A partir das condições contextuais, o falante recorre às três metafunções da linguagem, das quais a que interessa, a este artigo, é a ideacional, responsável pelo uso da língua para falar sobre o mundo, tanto externo (coisas, eventos, qualidades, etc.), como interno (pensamentos, crenças, sentimentos, etc.). Pretende-se contribuir com os estudos sobre o uso desse clítico em língua portuguesa e, também, subsidiar a elaboração de materiais didáticos e desenho de cursos instrumentais que visam atender a produção e compreensão escrita.

Palavras-chave


Clítico se; Artigo científico; LinguísticaSistêmico-Funcional

Texto completo:

PDF

Referências


BAGNO, M. A “subversão herética” do ensino de língua. In: Bagno, M. Dramática da Língua Portuguesa: tradição gramatical, mídia e exclusão social. São Paulo: Loyola. pp. 219-250, 2000.

AUTOR1. In: Autor1. (org). 2010.

AUTOR2. In: Autor1. 2011.

CAFFAREL, A. A systemic functional grammar of French. Londres: Continuum, 2006.

CAMACHO, R. G. Construções de voz. In: Abarirre, M. B. & Rodrigues, S. C. A. (org). Gramática do português falado. Campinas: Editora Unicamp, vol. 8, pp. 227-316, 2002.

CAMACHO, R. G. Em defesa da categoria de voz média no Português. D.E.L.T.A., vol. 19.1, pp. 91-122, 2003.

CINQUE, G. On si constructions and the theory of Arb. Linguistics inquiry, v. 19, pp. 521-581, 1988.

EGGINS, S. An introduction to Systemic Functional Linguistics. Londres:Pinter Publishers, 1994.

GIVÓN, T. On understand grammar. New York: Academic Press, 1981.

GIVÓN, T. Voice and inversion. Amsterdã: John Benjamins, 1994.

HALLIDAY, M.A.K. An Introduction to Functional Grammar. London: E. Arnold, 1985.

HALLIDAY, M.A.K. An introduction to Functional Grammar. London: Edward Arnold, 1994.

HALLIDAY, M. A. K. & MATTHIESSEN, C.M.I.M. An introduction to Functional Grammar. London: Edward Arnold. Third Edition, 2004.

MARTIN, J.R. Context: register, genre and ideology. English text-systems and structure. Philadelphia/Amsterdam: John Benjamins Publishing Company, 1992.

MATTHIESSEN, C.M.I.M. Lexicogrammatical cartography: English systems. Tokyo: International Language Science Publishers, 1995.

MONTEIRO, J. L. A questão do se. In: Monteiro, J. L. Pronomes pessoais: subsídios para uma gramática do português do Brasil. Fortaleza, EUFC, 1994.

NUNES, J. Se apassivador e se indeterminador: o percurso diacrônico no português brasileiro. Caderno de Estudos Linguísticos. pp. 33-59, 1991.

RUWET, N. Les constructions pronominales neutres et moyennes. Théorie syntaxique et syntaxe du français. Paris: Seuil, 1972.

SAID ALI, M. Dificuldades da língua portuguesa. Rio de Janeiro: Biblioteca Nacional. 1ª ed., 1966.

SAYÃO, J. O jornalismo literário e as falas de seus entrevistados: um estudo de linguística sistêmico-funcional. Dissertação de Mestrado.PUC-SP, 2011.

SCOTT, M. R. Wordsmith Tools versão 5.0. Software for text analysis. Oxford: Oxford University Press, 2009.

SUÑER, M. Las passives con se impessoal y la legitimación de las categorias vacías. In: Lopes, C. S. Las construciones com se. Madri: Visor libros, 2002.

THOMPSON, G. Introducing functional grammar. Londres: Arnold, 1996.

TORRES, F.F.G. A construção da identidade marginal no livro “Graduado em Marginalidade”: a Linguística Sistêmico-Funcional como ferramenta aos estudos críticos. Dissertação de Mestrado. PUC-SP, 2012.

VIVAN, E. Principais usos de processos verbais e metáforas interpessoais em artigos de linguística aplicada. Tese de doutorado. PUC-SP, 2010.




DOI: https://doi.org/10.5902/2176148520212

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2015 Letras

URL da licença: http://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/4.0/

 

                      

 

                

 

                

 

    

  

   

 

  

 

 

                                     QUALIS/CAPES: Letras A2

                              ISSN Versão Impressa: 1519-3985

                              ISSN Versão Digital: 2176-1485



Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.