A Educação Física escolar e seus dilemas contemporâneos: há pouca experiência nas experiências?

Autores

  • George Ivan da Silva Holanda Universidade Estadual de Goiás
  • Gabriel Carvalho Bungenstab Universidade Estadual de Goiás

DOI:

https://doi.org/10.5902/2316546444054

Palavras-chave:

Experiência, Ensino Fundamental e Médio, Práticas Corporais, Educação Física

Resumo

Este estudo procura analisar possíveis contribuições que a discussão filosófica sobre experiência traz para se pensar o ensino das práticas corporais na escola. Para isso, o texto recorre às análises sobre a (re)configuração da categoria experiência na modernidade e defende, no âmbito da Educação Física, que se pense a experiência a partir de um viés enriquecedor: menos centralizado em um ensino fechado/instrumental e mais preocupado com um ensino das práticas corporais de maneira aberta/inesperada. Nesse sentido, o estudo sugere que a tríade práticas corporais/experiência/Educação Física pode enriquecer as experiências corporais, dando um novo sentido à aprendizagem.

Biografia do Autor

George Ivan da Silva Holanda, Universidade Estadual de Goiás

Formado em Licenciatura em Educação Física na Universidade Estadual de Goiás.

Gabriel Carvalho Bungenstab, Universidade Estadual de Goiás

Doutor em Sociologia pela Universidade Federal de Goiás (2016). Mestre em Educação Física pela Universidade Federal do Espírito Santo (2013). Graduado em Educação Física pela Universidade Federal do Espirito Santo (2010).Tem experiência na área de Sociologia, Educação e Educação Física. Tem como interesses de pesquisa, no âmbito da Sociologia, da Educação e da Educação Física, as temáticas relacionadas a escola, juventude, esportes e práticas corporais. Atualmente é professor efetivo no curso de Educação Física da Universidade Estadual de Goiás (UEG).

Referências

AGAMBEN, G. Infância e História: destruição da experiência e origem da história. Editora UFMG, Belo Horizonte, 2005.

ALMEIDA, L. de; FENSTERSEIFER, P. E. O lugar da experiência no âmbito da Educação Física. Movimento, Porto Alegre, v. 17, n. 4, out./dez. p. 247-263. 2011.

BENJAMIN, V. Magia, Técnica, Arte e Política. Traduzido por Paulo Sérgio Roaunet. São Paulo: Brasiliense, 1986.

_______, W. Reflexões: a criança, o brinquedo, a educação. São Paulo, Summus, 1984.

BONDÍA, Jorge Larrosa. Notas sobre a experiência e o saber de experiência. São Paulo: Revista Brasileira de Educação, n. 19, 2002, p. 20-169.

CALOU, Â. L.; MARCIEL, M. M. A. Modernidade e experiência em “sobre alguns temas em Baudelaire” de Walter Benjamin. Perspectiva Filosófica, vol. 44, n. 1, 2017.

CASTELLANI FILHO, Lino. Política Educacional e Educação Física. Campinas: Autores Associados, 1998.

DIEHL, Vera Regina Oliveira; WITTIZORECKI, Elisandro Schultz; NETO, Vicente Molina. Estado do Conhecimento: a categoria experiência no âmbito da Educação Física. Goiânia: Pensar a Prática, v. 20, n. 1, mar. 2017. ISSN 1980-6183. Disponível em: <https://www.revistas.ufg.br/fef/article/view/40663>. Acesso em: 13 nov. 2019. doi:https://doi.org/10.5216/rpp.v20i1.40663.

FABRI, Eliane; ROSSI, Fernanda; FERREIRA Lilian A. Episódios marcantes das aulas de educação física: valorizando as experiências dos alunos por meio de narrativas. Movimento, v. 22, n. 2, p. 583-596, 2016.

FENSTERSEIFER, P. E. Linguagem, hermenêutica e atividade epistemológica na Educação Física. Movimento, Porto Alegre, v. 15, n. 04, p. 243-256, 2009.

FIGUEIREDO, Zenólia Cristina. Formação docente em educação física: experiências sociais e relação com o saber. Movimento, Porto Alegre, v. 10, n. 1, p. 89-111. jan./abr. 2004.

GONZÁLEZ, F. J.; FENSTERSEIFER, P. E. Entre o “não mais” e o “ainda não”: pensando saídas do não lugar da educação física escolar II. Cadernos de Formação RBCE. p. 10-21, mar. 2010.

KUNZ, Elenor. Práticas Didáticas para um “Conhecimento de Si” de crianças e jovens na Educação Física. In:_______. Didática da Educação Física. 4° ed. Unijuí, 2012.

_______. Se-movimentar. In: GONZÁLEZ, F. J.; FENSTERSEIFER, P. E. (Orgs.). Dicionário crítico de educação física. Ijuí: Editora Unijuí, 2005.

LAZZAROTTI FILHO, A. et al. O termo “práticas corporais” na literatura científica brasileira e sua repercussão no campo da educação física. Movimento, v. 16, n. 1, jun., 2009.

SILVA, A. M et al. Corpo e experiência: para pensar as práticas corporais. In: FALCÃO, J. L.; SARAIVA. M. C. (Orgs). Práticas corporais no contexto contemporâneo: (in)tensas experiências. Florianópolis, SC: Copiart, 2009.

SOUZA JÚNIOR, Marcílio. Currículo e saberes escolares: ambiguidades, dúvidas e conflitos. Pro-Posições, [S.l.], v. 22, n. 1, p. 183-196, fev. 2016. ISSN 1982-6248. Disponível em: <https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/proposic/article/view/8643287>. Acesso em: 13 nov. 2019.

Downloads

Publicado

03/12/2021

Como Citar

Holanda, G. I. da S., & Bungenstab, G. C. (2021). A Educação Física escolar e seus dilemas contemporâneos: há pouca experiência nas experiências?. Kinesis, 39(1). https://doi.org/10.5902/2316546444054

Edição

Seção

Ensaios