A infância escolarizada: e o tempo de brincar?

Laudeth Alves dos Reis, Wagner Wey Moreira

Resumo


Este estudo investigou como professores de Educação Infantil concebem o ser criança no momento da escolarização. Foram entrevistadas dez professoras de cinco centros municipais de Educação Infantil, conveniados com o PROINFÂNCIA que trabalham com crianças de cinco anos de idade. Utilizou-se para interpretação das respostas a Técnica de Elaboração e Análise de Unidades de Significado proposta por Moreira, Simões e Porto (2005).  Com os resultados conclui-se que as professoras veem a Educação Infantil centrada no preparo para o Ensino Fundamental, acarretando prejuízos ao tempo da infância por subtrair seus momentos de brincar.

Palavras-chave


infância escolarizada; tempo; brincar

Texto completo:

PDF

Referências


APPLETON, Matthew. Summerhill: uma infância com liberdade. São Paulo: Summus, 2017.

AZEVEDO, Heloisa H. O. Educação Infantil e formação de professores: para além da separação cuidar-educar. São Paulo: ed. UNESP, 2013.

BROUGÈRE, Gilles. Brinquedo e Cultura. São Paulo: Cortez, 2010.

FERRARINI, Anabela R. K.; QUEIROZ, Fabiana R. O.; SALGADO, Raquel G. Infância e Escola: tempos e espaços de crianças. Revista Educação & Realidade, Porto Alegre, v. 41, n. 4, p. 1027-1048, out./dez. 2016.

HIRSH-PASEK, Kathy; GOLINKOFF, Roberta M.; EYER, Diane. Einstein teve tempo para brincar. Rio de Janeiro: Guarda Chuva, 2006.

HOLT, John. Aprendendo o tempo todo: como as crianças aprendem sem ser ensinadas. Campinas: Verus, 2006.

HONORÉ, Carl. Sob pressão. Rio de Janeiro: Record, 2009.

KRAMER, Sonia. Profissionais de educação infantil: gestão e formação. São Paulo: Ática, 2008.

KUHLMANN JÚNIOR, Moysés. Infância e educação infantil: uma abordagem histórica. Porto Alegre: Mediação, 2010.

KUNZ, Elenor. Didática da Educação Física. 4. ed. Ijuí: Ed. Unijuí, 2012.

KUNZ, Elenor. Brincar e se-movimentar: tempos e espaços de vida da criança. Ijuí: Ed. Unijuí, 2015.

MACHADO, Marina M. Merleau-Ponty & a educação. Belo Horizonte: Autêntica, 2010.

MATURANA, Humberto; VERDEN-ZOLLER, Gerda. Amar e brincar: fundamentos esquecidos do humano. São Paulo: Palas Athena, 2004.

MERLEAU-PONTY, Maurice. Psicologia e pedagogia da criança: curso da Sorbonne 1949–1952. Tradução Ivone C. Benedetti. São Paulo: Martins Fontes, 2006.

MOREIRA, Wagner W.; SIMÕES, Regina; PORTO, Eline. Análise de conteúdo: técnica de elaboração e análise de unidades de significado. Revista Brasileira Ciência e Movimento, v. 13, n. 4, p. 107-114, 2005.

REIS, Laudeth A. O ser criança na educação infantil: o desvelar do discurso docente. 2016, 118 f. Dissertação (Mestrado em Educação) - Universidade Federal do Triângulo Mineiro, Uberaba, 2016.

ROUSSEAU, Jean J. Emílio, ou, da educação. 3. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2014.

STAVISKI, Gilmar; SURDI, Aguinaldo; KUNZ, Elenor. Sem tempo de ser criança: a pressa no contexto da educação de crianças e implicações nas aulas de Educação Física. Revista Brasileira de Ciências do Esporte, Florianópolis, v. 35, n. 1, p. 113-128, jan./mar. 2013.

STAVISKI, Gilmar; KUNZ, Elenor. Sem tempo de ser criança: o se-movimentar como possibilidade de transgredir uma insensibilidade para o momento presente. In: KUNZ, Elenor (Org.). Brincar e se-movimentar: tempos e espaços de vida da criança. Ijuí: Ed. Unijuí, 2015. p. 39-70.

VASCONCELLOS, Vera M. R. Educação da infância: história e política. 2. ed. Niterói: ed. UFF, 2013.




DOI: http://dx.doi.org/10.5902/2316546430832



Avaliação Qualis Capes (2014):

B4- Educação Física / B3- Interdisciplinar e Psicologia / B5- Educação 

Periodicidade: contínua

ISSN: 2316-5464 online

DOI: 10.5902/23165464

email: kinesisrevista@ufsm.br

 

Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial-ShareAlike 4.0 International License.