Representações infantis sobre brincar e aprender nas aulas de educação física escolar

Míriam Stock Palma, Kelly Andara de Azevedo

Resumo


Este estudo teve por objetivo compreender as representações de crianças pré-escolares e escolares sobre a relação entre o brincar e o aprender nas aulas de Educação Física escolar. A partir da análise das entrevistas realizadas com 106 crianças, entre 5 e 12 anos de idade, de uma escola da rede pública de ensino em Porto Alegre, constatou-se que foram conferidos diferentes sentidos à relação entre as brincadeiras realizadas nessas aulas e a aprendizagem. Enquanto que, para muitas, ao brincarem, aprendem sobre as regras de convivência social, a motricidade e o mundo imaginário, para outras, não ocorrem aprendizagens em suas brincadeiras.

Palavras-chave


Educação física; Crianças; Brincar; Aprendizagem

Texto completo:

PDF

Referências


AZEVEDO, O. Chegou a hora do recreio! O recreio: espaço de construção de culturas de infância. 2014. 83f. Dissertação (Mestrado) Programa de Pós-graduação em Estudos da Criança. Universidade do Minho, Braga, 2014.

BELLONI, M. Infância, mídias e educação: revisitando o conceito de socialização. Perspectiva, v.25, n.1, p.57-82, 2007.

BRASIL. Estatuto da Criança e do Adolescente. Brasília: Edições Câmara, 1990.

BRASIL. Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Disponível em: . Acesso em: 1º set. 2013.

BRASIL. Ministério da Educação e do Desporto. Secretaria de Educação Fundamental.

Referencial Curricular Nacional para a Educação Infantil: conhecimento de mundo. Brasília: MEC/SEF, 1998. v.3.

BROUGÈRE, G. Jogo e educação. Porto Alegre: Artes Médicas, 1998.

BROUGÈRE, G. A criança e a cultura lúdica. In: KISHIMOTO, T. O brincar e suas teorias. São Paulo: Pioneira Thomson Learning, 2002, p.19-32.

CORSARO, W. Sociologia da Infância. Porto Alegre: Artmed, 2011.

CSIKSZENTMIHALYI, M. Fluir. Barcelona: Kairós, 2000.

DARIDO, S. Educacao Física na escola: implicações para a prática pedagógica. 2ed. Rio de Janeiro: Guanabara, 2011.

DEBORTOLI, J. Com olhos de crianças: a ludicidade como dimensão fundamental da construção da linguagem e da formação humana. Licere, v. 2, n.1, p.105-117, 1999.

GLENN, N. et al. Meanings of play among children. Childhood, v.20, n.2, p.185-199, 2012.

GONDIM, S. Grupos focais como técnica de investigação qualitativa: desafios metodológicos. Paidéia, v. 12, n. 24, p.149-161, 2002.

HARRIS, P. Penser à ce qui aurait pu arriver si... Enfance, v.54, p.223-239, 2002.

KISHIMOTO, T. Jogo, brinquedo, brincadeira e a educação. 13ed. São Paulo: Cortez, 2010.

KISHIMOTO, T. Bruner e a brincadeira. In: KISHIMOTO, T. O brincar e suas teorias. São Paulo: Pioneira Thomson Learning, 2002, p.139-151.

KRAMER, S. Crianças e adultos em diferentes contextos – desafios de um percurso de pesquisa sobre infância, cultura e formação. In: SARMENTO, M.; GOUVEA, M. (org.). Estudos da Infância: Educação e Práticas Sociais. Petrópolis: Vozes, 2008, p.163-189.

MARQUES, A. O jogo de atividade nos recreios escolares. In: CONDESSA, I.; PEREIRA,B.; CARVALHO, G. Atividade física, saúde e lazer: educar e formar. Braga: CIEC, p.81-91, 2012.

MARTINHO, L.; TALAMONI, J. Representações sobre meio ambiente de alunos da quarta série do ensino fundamental. Ciência & Educação, v.13, n.1, p.1-13, 2007.

MÉLLO, R. et al. Construcionismo, práticas discursivas e possibilidades de pesquisa em psicologia social. Psicologia e Sociedade, v.19, n.3, p.26-32, 2007.

MORENO, D. Os espaços na cidade e as origens da (i)mobilidade na infância. In: PEREIRA,B.; SILVA, A.; CARVALHO, G. Atividade física, saúde e lazer: o valor formativo do jogo e da brincadeira. Braga: CIEC, 2012, p.81-88, 2012.

MOYLES, J. A excelência do brincar. Porto Alegre: Artmed, 2006.

NEIRA, M. A cultura corporal popular como conteúdo do currículo multicultural da Educação Física. Pensar a prática, v.11, n.1, p.81-89, 2008.

PALMA, M. et al. Jogos tradicionais no contexto educativo. Kinesis, v.33, n.2, p.99-113, 2015.

PEREIRA, B.; PALMA, M.; SILVA, A. Os jogos tradicionais infantis: o papel do brinquedo na construção do jogo. In: CONDESSA, I. (org). (Re)aprender a brincar: da especificidade à diversidade. Ponta Delgada: Ed. Universidade dos Açores, 2009, p. 103-115.

PIAGET. J. A formação do símbolo na criança. 4ed. Rio de Janeiro: LTC, 2010.

SANDERS, S. Ativo para a vida: programas de movimento adequados ao desenvolvimento da criança. Porto Alegre: Artmed, 2005.

SARMENTO, M. A reinvenção do ofício de criança e de aluno. Atos de pesquisa em educação, v.6, n.3, p.581-602, 2011.

SARMENTO, M. As culturas da infância nas encruzilhadas da 2ª. Modernidade. In: SARMENTO, M; CERISARA, A. Crianças e miúdos. Perspectivas sócio-pedagógicas da infância e educação. Porto: Asa, 2004, p.9-34.

SARMENTO, M. Imaginário e culturas da infância. Cadernos de Educação, n.21, p.51-69, 2003.

SAYÃO, D.. Educação Física na Educação Infantil: riscos, conflitos e controvérsias. Motrivivência, ano XI, n.13, p.221-238, 1999.

SILVA, A. Jogos, brinquedos e brincadeiras: trajectos intergeracionais: Vila Verde: ATAHCA, 2011.

SILVA, A. Crianças, escola, recreação e lazer: uma relação inquietante. In: PEREIRA, B., SILVA, A., CARVALHO, G. Atividade física, saúde e lazer: o valor formativo do jogo e da brincadeira. Braga: Universidade do Minho, 2008, p.11-26.

SILVA, J.; SAMPAIO, T. Jogos tradicionais: reprodução, ampliação, transformação e criação da cultura corporal do movimento. Revista Brasileira de Ciência e Movimento, v.19, n.1, p.72-86, 2011.

SIMÃO, M.; GOMES-DA-SILVA, E. Pesquisa com crianças na Educação Física: questões teóricas e desafios metodológicos. Inter-Ação, v.33, n.2, p.395-416, 2008.

UNICEF. Declaração Universal dos Direitos das Crianças. 1959. Disponível em: . Acesso em: 30 out. 2014.

UNICEF. A Convenção sobre os Direitos da Criança. 1989. Disponível em:

. Acesso em: 30 out. 2014.

VYGOTSKY, L.. A formação social da mente: o desenvolvimento dos processos psicológicos superiores. 6ed. São Paulo: Martins Fontes, 2000.

WINNICOTT, D. O brincar e a realidade. Rio de Janeiro: Imago Editora, 1975.

WOODHEAD, M.;FAULKNER, D. Sujeitos, objetos ou participantes? dilemas da investigação psicológica com crianças. In: CHRISTENSEN, P.; JAMES, A. Investigação com crianças: perspectivas e práticas. Porto: Escola Superior de Educação de Paula Frassinetti, 2005, p.1-28.




DOI: http://dx.doi.org/10.5902/2316546424608



Avaliação Qualis Capes (2014):

B4- Educação Física / B3- Interdisciplinar e Psicologia / B5- Educação 

Periodicidade: contínua

ISSN: 2316-5464 online

DOI: 10.5902/23165464

email: kinesisrevista@ufsm.br

 

Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial-ShareAlike 4.0 International License.