Análise da paisagem na zona de amortecimento do Parque Nacional das Emas - Brasil

Alécio Perini Martins, Carlos Eduardo Damasceno, Bruno Jefferson Soares de Oliveira

Resumo


Localizado no sudoeste do Estado de Goiás, o Parque Nacional das Emas foi criado no ano de 1961 e apresenta uma área total de 132.813 ha e uma Zona de Amortecimento com 263.432 ha, que não cumpre totalmente o seu papel ecológico por estar intensamente ocupada por atividades agropecuárias, dando ao parque um aspecto de “ilha” em meio a um mosaico de atividades agropecuárias. Visto a intensa ocupação agropecuária, este artigo apresenta como objetivo analisar os diferentes elementos que compõem a paisagem na Zona de Amortecimento do Parque Nacional das Emas, indicando as áreas mais vulneráveis e que necessitam de ações urgentes do poder público para a sua conservação. Atualmente, 63,7% da Zona de Amortecimento encontra-se ocupada pela agricultura capitalista, principalmente sobre os latossolos e relevos planos que predominam na região, apresentando fragilidade ambiental de média a alta. Cerca de 25% da área ainda apresenta vegetação natural conservada.


Palavras-chave


Fragilidade Ambiental; Paisagem; Unidade de Conservação; Uso e ocupação da terra

Texto completo:

HTML PDF

Referências


ALVES, R. E. Caracterização da paisagem a partir da fragilidade ambiental da Bacia Hidrográfica do Ribeirão da Picada – Jataí/GO. 2012. Dissertação (Mestrado em Geografia) - Programa de Pós-Graduação em Geografia – UFG/Regional Jataí. Jataí-GO, 2012. 119f.

BERTRAND, G. Paisagem e Geografia Física global. Caderno de Ciências da Terra. Universidade de São Paulo, 13, 1972, p.2-27.

BRASIL. Lei n. 12,651, de 25 de maio 2012. Dispõe sobre a proteção da vegetação antiva. Disponível em: . Acesso em: 25 de maio de 2018.

BRASIL. Decreto n. 4.340, de 22 de agosto de 2002. Dispõe sobre o Sistema Nacional de Unidades de Conservação da Natureza –

SNUC. Disponível em: < https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto/2002/d4340.htm>. Acesso em: 25 de maio de 2018.

BRASIL. Lei n. 9.985, de 18 de julho de 2000. Institui o Sistema Nacional de Unidades de Conservação da Natureza. Disponível em: < https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/LEIS/L9985.htm>. Acesso em: 25 de maio de 2018.

BRASIL. Lei n. 9.433, de 8 de Janeiro de 1997. Dispõe sobre a Política Nacional de Recursos Hídricos. Disponível em : < http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L9433.htm>. Acesso em: 25 de maio de 2018.

BRASIL. Lei n. 7.804, de 18 de junho de 1989. Altera a Política Nacional do Meio Ambiente. Disponível em: < http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L7804.htm>. Acesso em: 25 de maio de 2018.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília: Senado Federal,1988.

BRASIL. Lei n. 7.347, de 24 de julho de 1985. Disciplina a ação civil pública de responsabilidade por danos causados ao meio-ambiente, ao consumidor, a bens e direitos de valor artístico, estético, histórico, turístico e paisagístico (VETADO). Disponível em: < https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/LEIS/L7347orig.htm>. Acesso em: 25 de maio de 2018.

BRASIL. Lei n. 6.938, de 31 de agosto de 1981. Dispões sobre a Política Nacional do Meio Ambiente. Disponível em: < http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/LEIS/L6938.htm>. Acesso em: Acesso em: 25 de maio de 2018.

BRASIL. Lei n. 4.771, de 15 de setembro de 1965. Institui o Novo Código Florestal. Disponível em: < http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L4771.htm>. Acesso em: 25 de maio de 2018..

CABRAL, N. R. A. J.; SOUZA, M. P. Área de proteção ambiental: planejamento e gestão de paisagens protegidas. 2 ed. São Carlos: RiMa, 2005. 158 p.

CREPANI, E. et al. Sensoriamento remoto e geoprocessamento aplicados ao zoneamento ecológico-econômico e ao ordenamento territorial. São José dos Campos: Inpe, jun. 2001. INPE-8454-RPQ/722.

ESRI - Environmental Systems Research Institute Inc. ArcGis versão 10.1. EUA: Environmental Systems Research Institute, 2012.

GOIÁS. Lei n. 14.247, de 29 de julho de 2002. Institui o Sistema Estadual de Unidades de Conservação no Estado de Goiás. Disponível em: < http://www.gabinetecivil.goias.gov.br/leis_ordinarias/2002/lei_14247.htm>. Acesso em: 25 de maio de 2018.

GUERRA, A. J. T.; PEREIRA, J. B. da S.; KASSAB, M. M.; FIGUEIREDO, P.R. H. de; ALAMEIDA, V. J. de; REGIS, W. D. E. Um estudo do meio físico com fins de aplicação ao planejamento do uso agrícola da terra no Sudoeste de Goiás. Rio de Janeiro: IBGE, 1989. 210 p.

HANNAFORD, M.J., BARBOUR, M.T., RESH, V.H., 1997. Training Reduces Observer Variability In Visual-Based Assessments Of Stream Habitat. Journal Of The North American Benthological Society, V. 16, N. 4, P. 853-860.

IBGE - INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Censo Demográfico de 2010. [2010]. Disponível em: .

IBGE - INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Manual técnico de Pedologia. Rio de Janeiro: IBGE, 2015.

IBGE - INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Manual técnico de uso da Terra. Rio de Janeiro: IBGE, 2013.

IBGE - INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Manual técnico de Geomorfologia. Rio de Janeiro: IBGE, 2009.

INMET – Instituto Nacional de Meteorologia. BDMEP. Disponível em: < http://www.inmet.gov.br/portal/index.php?r=bdmep/bdmep>.

Acesso em: 15 maio 2018.

KAWAKUBO, F. S. et al. Caracterização empírica da fragilidade ambiental utilizando geoprocessamento. In: SIMPÓSIO BRASILEIRO DE

SENSORIAMENTO REMOTO, 12, 2005, Goiânia. Anais... Goiânia:Instituto de Pesquisas Espaciais, 2005. p. 16-21.

LEPSCH, I. F. Manual para levantamento utilitário do meio físico e classificação de terras no sistema de capacidade de uso. 2 ed. Campinas: Sociedade Brasileira de Ciência do Solo, 1991. 175p.

MATSUMOTO, M. et al. LegalGeo: Um aplicativo pra a identificação das áreas potenciais para recuperação e implementação de reservas legais no cerrado. In: PAESE, A. et al. (Org.) Conservação da Biodiversidade com SIG. São Paulo: Oficina de Textos, 2012. 240 p.

MMA – MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE. Plano de manejo do Parque Nacional das emas. Disponível em: Acesso em 15 mar. 2018.

ROSS, J. L. S. Análise empírica da fragilidade dos ambientes naturais e antropizados. Revista do Departamento de Geografia da USP, São Paulo, SP. n. 8, p. 63-74, fev. 1993. Disponível em: < http://www.revistas.usp.br/rdg/article/view/47327/51063>. Acesso em 10 jun. 2018.

SANTOS, P. T. Planejamento ambiental de unidades de conservação: estudo de caso na bacia hidrográfica do Rio Claro – Goiás. 2018. Dissertação (Mestrado em Geografia) – Programa de Pós-Graduação em Geografia – UFG/Regional Jataí. Jataí-GO, 2018. 152f.

SIEG – Sistema Estadual de Estatística e Informações Geográficas de Goiás. Base cartográfica e Mapas temáticos do Estado de Goiás. Disponível em: < http://www.sieg.go.gov.br/>. Acesso em: 25 mar. de 2018.

SPÖRL, C.; ROSS, J. L. S. Análise comparativa da fragilidade ambiental com aplicação de três modelos. São Paulo, Revista Geousp –Espaço e Tempo, N°15, pp.39-49, 2004.

TUCCI, Carlos E. M.; MENDES, Carlos André. Avaliação ambiental integrada de bacia hidrográfica. Brasília: MMA, 2006. 302 p

UNITED STATES GEOLOGICAL SURVEY (USGS). Downloads de imagens Sentinel2. Disponível em: < https://earthexplorer.usgs.gov/>. Acesso em: Acesso em: 25 de mar. de 2018.

VITALLI, P. L.; ZAKIA, M. J. B.; DURIGAN, G. Considerações sobre a legislação correlata à zona-tampão de unidades de conservação no Brasil. Ambiente & Sociedade, n.1, v.12, p.67-82, jan./jun. 2009.




DOI: https://doi.org/10.5902/2236499437149

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

Indexações e Bases Bibliográficas