Fragilidade ambiental: subídio ao planejamento e á gestão da bacia do ribeirão da Laje (GO), Brazil

Wellmo dos Santos Alves, Alécio Perini Martins, Iraci Scopel

Resumo


Considerando os impactos negativos causados por ações antrópicas aos recursos hídricos, sendo estes importes em quantidade e qualidade para a continuidade e equilíbrio da vida na Terra, objetiva-se, utilizando geotecnologias, determinar a fragilidade ambiental da bacia do ribeirão da Laje, uma das principais fontes de água usada no abastecimento público de Rio Verde (GO). Foram observadas maiores áreas com fragilidade potencial e emergente variando de muito baixa a baixa, propícias para agropecuária. Entretanto, a ocorrência de declividades com maior grau de influência nos processos erosivos, solos de fragilidade forte e muito forte e predominância de área com menor grau de proteção dos solos, proporcionam a formação de áreas com fragilidade potencial variando de média a forte e emergente média. Essas áreas com maior fragilidade, associadas ao uso e manejo inadequados do solo, estão causando prejuízos ambientais e econômicos, indicando a necessidade de planejamento ambiental e agronômico adequados. Estes resultados irão subsidiar o planejamento e a gestão da bacia hidrográfica homônima, além de servir de base para outros estudos, contribuindo para a conservação dos recursos hídricos, melhor qualidade ambiental e de vida.


Palavras-chave


fragilidade emergente; fragilidade potencial; geotecnologias; unidades ecodinâmicas

Texto completo:

PDF

Referências


AGÊNCIA NACIONAL DE ÁGUAS - ANA. Drenagens da Base Cartográfica Vetorial Digital, geração de 22 de julho de 2006.

ALVES, W. S.; SCOPEL, I.; MARTINS, A. P. Análise da fragilidade ambiental da bacia do ribeirão das Abóboras, em Rio Verde, Sudoeste de Goiás. GeoFocus, v. 18, n. 19, p. 81-108, 2017. Disponível em: http://www.geofocus.org/index.php/geofocus/article/vie

w/556/401. Acesso em: 14 out. 2018.

ALVES, W. S. Aspectos físicos e qualidade da água da bacia hidrográfica do ribeirão das Abóboras, no município de Rio Verde, Sudoeste de Goiás. 2016. 171p. Dissertação (Mestrado em Geografia Física) - Universidade Federal de Goiás/Regional de Jataí, Jataí.

AQUINO, R. P.; VALLADARES, G. S.; AQUINO, C. M. S.; GUIMARÃES, C. C. B.; COELHO, R. M. Análise da vulnerabilidade natural e do risco de degradação no alto curso do Rio Banabuiu – CE. Revista Brasileira de Geografia Física, v. 9, n. 2, p. 601-613, 2016. Disponível em: https://periodicos.ufpe.br/revistas/rbgfe/article/view/233

/27266. Acesso em: 14 out. 2018.

BANCO DE DADOS METEOROLÓGICOS PARA ENSINO E PESQUISA - BDMEP. Dados de precipitação de janeiro de 1996 a dezembro de 2017. Disponível em: http://www.inmet.gov.br/projetos/rede/pesquisa/. Acesso em: 08 fev. 2018.

BERTONI, J. C; LOMBARDI NETO, J. Conservação do solo. São Paulo: Icone, 1990.

BERTRAND, G. Paisagem e Geografia Física Global: esboço metodológico. Tradução de Olga Cruz. São Paulo: Caderno de Ciências da Terra, IGEOG-USP, 1972.

CABRAL, J. B. P., ROCHA, I. R., MARTINS, A. P., ASSUNÇÃO, H. F., BEGAT, V. A. Mapeamento da fragilidade ambiental da bacia hidrográfica do Rio Doce (GO): Utilizando técnicas de geoprocessamento. Geofocus, v. 10, n. 11, p. 51-69, 2011. Disponível em: http://www.geofocus.org/index.php/geofocus/article/view/212. Acesso em: 14 out. 2018.

CARVALHO, N. O. Hidrossedimentologia Prática. Rio de Janeiro: CPRM, 1994.

CHRISTOFOLETTI, A. Modelagem de sistemas ambientais. São Paulo: Edgard Blucher, 1999.

CREPANI, E., MEDEIROS, J. S., HERNANDEZ FILHO, P., FLORENZANO, T. G., DUARTE, V. E BARBOSA, C. C. F. Sensoriamento remoto e geoprocessamento aplicados ao zoneamento ecológico econômico e ao ordenamento territorial. São José dos Campos: INPE, 2001. Disponível em: http://www.dsr.inpe.br/laf/sap/artigos/Cr

epaneEtAl.pdf. Acesso em: 15 out. 2017.

CUNHA, S. B.; FREITAS, M. W. S. Geossistemas e gestão ambiental na bacia hidrográfica do rio São João-RJ. GEOgraphia, v. 6, n. 12, p. 87 - 110, 2004. Disponível em: http://www.geographia.uff.br/index.php/geographia/article/view/155/150

. Acesso em: 14 out. 2018.

CUNHA, S. B.; GUERRA, A. J. T. Degradação ambiental. In: GUERRA, J. T.; CUNHA, S.B. (Orgs.). Geomorfologia e meio ambiente. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2000.

EMPRESA BRASILEIRA DE PESQUISA AGROPECUÁRIA - EMBRAPA. Sistema Brasileiro de Classificação de Solos. Brasília: Embrapa Produção de Informação, 2013.

________. Agência Embrapa de Informação Tecnológica. Latossolos. Disponível em: http://www.agencia.cnptia.embrapa.br/Agencia16/AG01/arvore/AG01_96_10112005101956.html. Acesso em: 01 fev. 2018a.

________. Agência Embrapa de Informação Tecnológica. Nitossolos. Disponível em: http://www.agencia.cnptia.embrapa.br/gestor/solos_tropicais/arvore/CONTAG01_17_2212200611543.htm. Acesso em: 06 fev. 2018b.

________. Agência Embrapa de Informação Tecnológica. Neossolos Litólicos. Disponível em: http://www.agencia.cnptia.embrapa.br/gestor/solos_tropicais/arvore/CO

NT000gn230xho02wx5ok0liq1mqxhk6vk7.html. Acesso em: 10 fev. 2018c.

________. Código Florestal: estratégia de recuperação. Disponivel em: https://www.embrapa.br/codigo-florestal/estrategias-e-tecnicas-de-recuperacao. Acesso em: 10 fev. 2018d.

ESRI. ArcGIS Desktop: Release 10.1. 2011. Redlands, CA: Environmental Systems Research Institute.

FIGUEIREDO, G. C.; VIEIRA, C. A. O. Estudo do comportamento dos índices de Exatidão Global, Kappa e Tau, comumente usados para avaliar a classificação de imagens do sensoriamento remoto. In: Simpósio Brasileiro de Sensoriamento Remoto, 13. 2007. Florianópolis. Anais... Florianópolis: Inpe, 2007 p. 5755-5762.

FUNDAÇÃO RURAL MINAS - RURALMINAS. Mapa de Solos do Plano Diretor da Bacia do Rio Paranaíba, na escala 1:250.000, geração 01 de março de 2005.

GOIÁS (Estado). Superintendência de Geologia e Mineração (SGM). Revisão de topologia, alimentação, atualizações e edição da Drenagens da Base Cartográfica Vetorial Digital, geração de 22 de julho de 2006.

_______. Secretaria Estadual de Indústria e Comércio (SIC). Revisão de topologia, alimentação, atualizações e edição da Drenagens da Base Cartográfica Vetorial Digital, geração de 22 de julho de 2006.

_______. Superintendência de Geologia e Mineração (SGM). Modelagem, alimentação e edição do Mapa de Solos do Plano Diretor da Bacia do Rio Paranaíba, na escala 1:250.000, geração 01 de março de 2005.

_______. Secretaria Estadual de Indústria e Comércio (SIC). Modelagem, alimentação e edição do Mapa de Solos do Plano Diretor da Bacia do Rio Paranaíba, na escala 1:250.000, geração 01 de março de 2005.

GOOGLE. Google Earth. Versão 2017. 2017. Imagem de áreas localizadas na bacia hidrográfica do Ribeirão das Abóboras, em Rio Verde (GO). Disponível em: https://www.google.com/intl/pt-BR/earth/desktop/. Acesso em: 28 de nov. 2018.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE. Censo Demográfico 2010 e 2018 (estimativa). 2018. Disponível em: www.cidades.ibge.gov. Acesso em: 09 fev. 2018.

INSTITUTO MAURO BORGES – IMB. Goiás: visão geral. Disponível em: http://www.imb.go.gov.br/visaogeral/index.html. Acesso em: 24 de jul. 2017.

KAWAKUBO, F. S.; MORATO, R. G.; CAMPOS, K. C.; LUCHIARI, A.; ROSS, J. L. S. Caracterização empírica da fragilidade ambiental utilizando geoprocessamento. In: Simpósio Brasileiro de Sensoriamento Remoto, 12. 2005, Goiânia. Anais... Goiânia: Inpe, 2005, p. 2203-2210.

LANDIS, J. R.; KOCH, G. G. The measurement of observer agreement for categorical data. Biometrics, v.33, n.1, p.159-174, 1977. Disponível em: https://www.dentalage.co

.uk/wp-content/uploads/2014/09/landis_jr__koch_gg_1977_kappa_and_observer_agre

ement.pdf. Acesso em: 20 de jun. 2017.

LIMA, A. A. C.; OLIVEIRA, F. N. S.; AQUINO, A. R. L. Classificação e aptidão agrícola dos solos do campo experimental de Pacajus, Ceará, para a Agricultura. Fortaleza: Embrapa Agroindústria Tropical, 2002. Disponível em: https://www.infoteca.

cnptia.embrapa.br/bitstream/doc/424702/1/Dc053.pdf. Acesso em: 16 fev. 2018.

MARTINS, S. V. Recuperação de áreas degradadas: ações em áreas de preservação permanente, voçorocas, taludes rodoviários e de mineração. Viçosa: Aprenda Fácil Editora, 2010.

MONTEIRO, C. A. F. Geossistemas: a história de uma procura. São Paulo: Contexto, 2001.

PEEL, M.C., FINLAYSON, B.L., MCMAHON, T. A. Updated world map of the Köppen-Geiger climate classification. Hydrology and Earth System Sciences, v. 11, p. 1633–1644, 2007. Disponível em: https://www.hydrol-earth-syst-sci.net/11/1633/2007/hess-11-1633-2007.pdf. Acesso em: 14 out. 2018.

PIRES, E. V. R.; SILVA, R. A.; IZIPPATO, F. J.; MIRANDOLA, P. H. Geoprocessamento aplicado a análise do uso e ocupação da terra para fins de planejamento ambiental na bacia hidrográfica do Córrego Prata – Três Lagoas (MS). Geonorte, v.2, n.4, p.1519-1528, 2012. Disponível em: http://www.periodicos.ufam.edu.br/revista-geonorte/article/view/2321. Acesso em 14 out. 2018.

QGIS. Versão 2.16. 2016. Disponível em: http://download.osgeo.org/qgis/windows/. Acesso em: 28 de nov. 2018.

QUEIROZ JUNIOR, V. S; CABRAL, B. P.; ROCHA, I. R.; BARCELOS, A. A. N. Uso de geotecnologias na caracterização da fragilidade ambiental da Bacia da UHE Foz do Rio Claro (GO). GeoFocus, Madrid, v. 15, n. 15, p. 193-212, 2015. Disponível em: http://www.geofocus.org/index.php/geofocus/article/view/413. Acesso em 14 out. 2018.

ROSA, R. 2005. Geotecnologias na Geografia Aplicada. Revista do departamento de geografia, v. 16, p. 81-90, 2005. Disponível em: http://www.revistas.usp.br/rdg/article/view/47288/51024. Acesso em: 14 out. 2018.

ROSENFIELD, G. H.; FITZPATRICK-LINS, K. A coefficient of agreement as a measure of thematic classification accuracy. Photogrammetric Engineering and Remote Sensing, v. 52, n. 2, p.223-227, 1986. Disponível em: https://www.asprs.org/wp-content/uploads/pers/1986journal/feb/1986_feb_223-227.pdf. Acesso em: 14 out. 2018.

ROSS, J. L. S. Análise empírica da fragilidade dos ambientes naturais e antropizados. Revista do Departamento de Geografia, v. 8, p. 63-74, 1994. Disponível em: http://www.revistas.usp.br/rdg/article/view/47327/51063. Acesso em: 14 out. 2018.

SANTOS, J. O.; ROSS, J. L. S. Fragilidade ambiental urbana. Revista da ANPEGE, v. 8, n. 10, p. 127-144, 2012. Disponível em: http://ojs.ufgd.edu.br/index.php/anpe ge/article/view/6511/3503. Acesso em: 14 out. 2018.

SANTOS, J. O. Relações entre fragilidade ambiental e vulnerabilidade social na susceptibilidade aos riscos. Mercator, v. 14, n. 2, p. 75-90, 2015. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/mercator/v14n2/1984-2201-mercator-14-02-0075.pdf. Acesso em: 14 out. 2018.

SISTEMA ESTADUAL DE GEOINFORMAÇÃO DE GOIÁS – SIEG. Downloads/SIG – Shapefiles. Disponível em: www.Sieg.go.gov.br. Acesso em: 30 ago. 2017.

SOCHAVA, V. B. Por uma Teoria de Classificação de Geossistemas de Vida Terrestre. Tradução de Carlos Augusto de Figueiredo Monteiro. São Paulo: Série Biogeografia, IGEOG-U, 1978.

TRICART, J. Ecodinâmica. Rio de Janeiro: IBGE, Diretoria Técnica, SUPREM, 1977.

UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA (UFV). Mapa de Solos do Plano Diretor da Bacia do Rio Paranaíba, na escala 1:250.000, geração 01 de março de 2005.

UNITED STATES GEOLOGICAL SURVEY – USGS. EarthExplorer. Disponível em: https://earthexplorer.usgs.gov/. Acesso em: 10 Jun. 2017.

WISCHMEIER, W. H. E.; SMITH, D. D. Predicting rainfall erosion losses: a guide to conservation planning. Washington: United States Department of Agriculture, 1978.

ZIMMER, A. H.; MACEDO, M. C. M.; KICHEL, A. N.; ALMEIDA, R. G. Degradação, recuperação e renovação de pastagens. Campo Grande (MS): Embrapa Gado de Corte, 2012.




DOI: https://doi.org/10.5902/2236499431267

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

Indexações e Bases Bibliográficas