USO DA TÉCNICA DE RESISTOGRAFIA E DE VARIÁVEIS DENDROMÉTRICAS NA MODELAGEM DA DENSIDADE BÁSICA DE POVOAMENTOS CLONAIS DE Eucalyptus

Donizete da Costa Dias, Jorge Luiz Colodette, Claudio Roberto Thiersch, Hélio Garcia Leite, José Livio Gomide

Resumo


A densidade básica é uma propriedade-chave de qualidade da madeira para produção de celulose, mas sua determinação demanda muito tempo e altos custos. O desenvolvimento de ferramentas de amostragem não destrutiva, eficiente e de baixo custo torna-se importante, e o Resistógrafo pode ser uma alternativa. Este estudo teve o objetivo de utilizar dados de amplitude de resistência à perfuração coletados pelo Resistógrafo, associados a variáveis dendrométricas, para desenvolver modelos para estimativa de densidade básica em povoamentos clonais de Eucalyptus. Utilizaram-se quatro clones híbridos Eucalyptus grandis x Eucalyptus urophylla distribuídos em plantios comerciais no Vale do Paraíba com idade variando de 2 a 7 anos. Os materiais foram amostrados pelo Resistógrafo a 1,30 m do solo (DAP) e pela retirada de um disco na mesma altura para determinação da densidade básica em laboratório. Foram selecionadas equações lineares simples e múltiplas, iniciando pelo uso de dados do Resistógrafo (amplitude média) como variável preditora, e, posteriormente incluindo variáveis dendrométricas como DAP, idade, altura total, altura média das árvores dominantes e diâmetro médio quadrático. A inclusão destas variáveis aumentou a precisão das estimativas. A melhor equação selecionada para o conjunto dos 4 clones, ajustada, utilizando a amplitude média (Resistógrafo), associada à altura média das árvores dominantes, à idade das árvores e ao diâmetro médio quadrático, apresentou R2aj igual a 68,80%, com erro padrão residual de 0,0201 g/cm3 ou 4,31%. Para cada clone, isoladamente, as equações mais precisas também foram aquelas em que se associou o Resistógrafo às variáveis do indivíduo e da população. Equações ajustadas em função apenas de variáveis dendrométricas apresentaram medidas de precisão superiores às ajustadas em função apenas do Resistógrafo, no caso do conjunto dos 4 clones, e superiores ao Resistógrafo associado a variáveis do indivíduo, no caso de cada clone isoladamente. O Resistógrafo mostrou-se como uma ferramenta eficiente para predição da densidade básica. Entretanto, estimativas tão ou mais precisas podem ser obtidas sem uso do equipamento quando se têm variáveis individuais e da população.


Palavras-chave


densidade básica; Eucalyptus; resistógrafo; amostragem não destrutiva.

Texto completo:

PDF

Referências


ALZATE, S. B. A.; TOMAZELLO FILHO, M.; PIEDADE, S. M. F. Variação longitudinal da densidade básica da madeira de clones de Eucalyptus grandis Hill ex Maiden, E. saligna Sm e E. grandis x E. urophylla. Scientia Forestalis. Piracicaba, n. 68, p. 87-95, 2005.

ANDRADE, C. R. et al. Relação entre a densidade básica da madeira de clones de Eucalyptus e os ensaios não-destrutivos. In: ENCONTRO BRASILEIRO EM MADEIRAS E ESTRUTURAS DE MADEIRA. 11., 2008, Londrina. Anais... Londrina, 2008. 11 p.

EISFELD, R. et al. Modelagem da massa específica básica dos cavacos a partir de variáveis dendrométricas e da massa específica do disco. Floresta, Curitiba, v. 39, n. 4, p. 877-886, 2009.

FOELKEL, C. E.; MORA, E.; MENOCHELLI, S. Densidade básica: sua verdadeira utilidade como índice de qualidade da madeira de eucalipto para produção de celulose. In: CONGRESSO FLORESTAL BRASILEIRO, 6., Campos do Jordão. Anais... 1990, p. 719-728.

GOMES, A. F. Avaliação das características da madeira e da polpa de Eucalyptus mediante a aplicação de métodos não destrutivos na árvore viva. 2007. 124 f. Dissertação (Mestrado) - Universidade Federal de Lavras, Lavras, 2007.

HANSEN, C. P. Application of the pilodyn in Forest tree improvement. Denmark: Danida Forest seed Centre, 2000. (Series of Technical Notes, 55).

LIMA, J. T. et al. Adequação do Resistograph para a estimativa da densidade básica da madeira de Eucalyptus. In: ENCONTRO BRASILEIRO EM MADEIRAS E EM ESTRUTURAS DE MADEIRA – EBRAMEM, 10., 2006, São Padro. Anais... São Pedro, 2006. 16 p.

LIMA, J. T. et al. Uso do Resistógrafo® para estimar a densidade básica e a resistência à perfuração da madeira de Eucalyptus, Scientia Forestalis, Piracicaba, n. 75, p. 85-93, 2007.

LOPES, G. A.; GARCIA, J. N. Densidade básica e umidade natural da madeira de Eucalyptus saligna Smith, de Itatinga, associadas aos padrões de casca apresentados pela população, Scientia Forestalis, Piracicaba, n. 62, p. 13-23, 2002.

LOPEZ, J.; GOMIDE, J. L.; PHILLIPS, R. Impacto da qualidade da madeira de eucalipto no desempenho financeiro de um modelo de fábrica brasileira de celulose. O Papel, São Paulo, v. 70, n. 7, p. 53-71, 2009.

QUEIROZ, S. C. S. et al. Influência da densidade básica da madeira na qualidade da polpa kraft de clones híbridos de Eucalyptus grandis W. Hill ex Maiden X Eucalyptus urophylla S. T. Blake, Revista Árvore, Viçosa, MG, v. 28, n. 6, p. 901-909, 2004.

RINN, F.; SCHWEINGRUBER, F. H.; SCHAR, E. Resistograph and X-ray density charts of wood comparative evaluation of drill resistance profiles and X-ray density charts of different wood species, Holzforschung, Berlin, v. 50, n. 4, p. 303-311, 1996.

SANTOS, C. R. Qualidade da madeira e sua influência nas características de papéis de imprimir & escrever e tissue. 2002. 45 f. Monografia (Graduação) - Universidade Federal de Viçosa, Viçosa, MG, 2002.

SILVA, J. C. et al. Influência da idade e da posição radial na massa específica da madeira de Eucalyptus grandis Hill ex Maiden. Revista Floresta, Curitiba, v. 34, n. 1, p. 13-22, 2004.

THIERSCH. C. R. Modelagem da densidade básica, do volume e do peso seco para plantios de clones de Eucalyptus sp. 2002. 197 p. Dissertação (Mestrado em Engenharia Florestal) – Universidade Federal de Lavras, Lavras, 2002.

THIERSCH. C. R. et al. O uso de modelos matemáticos na estimativa da densidade básica da madeira em plantios de clones de Eucalyptus sp. Cerne, Lavras, v. 12, n. 3, p. 264-278, 2006.

TRUGILHO, P. F.; LIMA, J. T.; MENDES, L. M. Influência da idade nas características físico-químicas e anatômicas da madeira de Eucalyptus saligna, Cerne, Lavras, v. 2, n. 1, p. 94-111, 1996.

TRUGILHO, P. F. et al. Influência da idade nas características físicas, químicas e anatômicas da madeira de Eucalyptus grandis. In: IUFRO CONFERENCE ON SILVICULTURE AND IMPROVEMENT OF EUCALYPTS, 1997, Salvador. Anais... Colombo: EMBRAPA/CPNF, 1997. v. 3, p. 269-275.

TRUGILHO, P. F. et al. Utilização de métodos não destrutivos na avaliação de clones de Eucalyptus spp. In: ENCONTRO BRASILEIRO EM MADEIRAS E EM ESTRUTURAS DE MADEIRA, 10., 2006, São Pedro. Anais... São Pedro, 2006.

VITAL, B. R. Efeito da idade da árvore na densidade da madeira de Eucalyptus grandis cultivado na região do cerrado de Minas Gerais. Brasília: IBDF, 1987. (Boletim técnico, 8).




DOI: https://doi.org/10.5902/1980509827746

Licença Creative Commons