Descrição e uso de uma metodologia para avaliação dos custos da qualidade na colheita florestal semimecanizada.

Laércio Antônio Gonçalves Jacovine, José Luiz Pereira Rezende, Amaury Paulo de Souza, Hélio Garcia Leite, Celso Trindade

Resumo


O estudo fez uma descrição e uso de uma metodologia para avaliar os custos da qualidade na colheita florestal semimecanizada. Para a descrição da metodologia detalhou-se as operações que compõem a colheita florestal; listou-se os reflexos da má qualidade em cada operação, sobre as operações subsequentes; e definiu-se entre os reflexos, aqueles que poderiam ser avaliados monetariamente para compor os custos da qualidade. Os custos da qualidade foram divididos nas categorias: custos de avaliação, prevenção e falhas. A metodologia descrita foi aplicada a um estudo de caso. Concluiu-se que a empresa não investe em avaliação e prevenção, tendo, consequentemente, os custos de falhas muito alto, chegando a R$  1.538,19/ha, compostos, porcentualmente, por: rachamento de toras - 41,03%; erro no cálculo do volume de madeira entregue no pátio - 37,20%; desperdício de madeira no talhão - 9,53%; presença de toras finas junto às grossas - 8,48%; desperdício de madeira no aceiro - 1,49%; erro no cálculo do volume de madeira rachada - 1,35%; desperdício de madeira remanescente nas cepas - 0,51%; e presença de galhada no aceiro - 0,41%. O rachamento de toras sendo o item que mais contribuiu para os custos de falhas, merece esforços específicos para diminuição de seus custos ou mesmo eliminação da operação. Deve-se também buscar reduzir os custos dos demais itens que compõem os custos de falhas. Finalmente infere-se que, em razão dos altos custos de falhas, o investimento em qualidade é compensador. Qualquer investimento em prevenção e avaliação poderá aumentar os retornos da empresa. Quando se trabalha com recursos escassos, os desperdícios devem ser severamente evitados, pois a perda não é só da empresa, mas de toda a sociedade.

Palavras-chave


Colheita florestal; custos da qualidade; custos de falhas.

Texto completo:

PDF

Referências


BERNARDO, C.A. Implantação de um sistema de controle de qualidade em uma unidade de produção de papel: a experiência da Riocell S.A. O Papel, São Paulo, v.56, n.9, p.60-73, set., 1995.

REBELO, C.R. Qualidade total assegurada baseada na filosofia deming na albany. O Papel, São Paulo, v.53, n.3, p.31-39, mar., 1992.

REZENDE, J.B. Avaliação de perdas de produtos agrícolas em Minas Gerais. Belo Horizonte: Fundação João Pinheiro, 1991. 150p.

REZENDE, J.L.P.; PEREIRA, A.R.; OLIVEIRA, A.D. de. Espaçamento ótimo para a produção de madeira. Rev. Árvore. Viçosa. MG, v.7, n.1, p.30-43, jan./jun., 1983.

ROBLES JUNIOR, A. Custos da Qualidade: uma estratégia para competição global. São Paulo, Atlas, 1994. 135p.

SZACHER, M.L. Estratégia para sobrevivência. O Papel, São Paulo, v.55, n.10, p.12-13, out., 1994.

TRINDADE, C.; SARTÓRIO, M.L.; REZENDE, J.L.P. Controle de qualidade na exploração florestal. In: SIMPÓSIO BRASILEIRO SOBRE EXPLORAÇÃO E TRANSPORTE FLORESTAL, 1, Belo Horizonte, SIF/UFV, 1991. p.185-197.




DOI: http://dx.doi.org/10.5902/19805098373

Licença Creative Commons