AVALIAÇÃO DA REGENERAÇÃO NATURAL EM ÁREA DE RESTAURAÇÃO ECOLÓGICA E MATA CILIAR DE REFERÊNCIA

Debora Aline da Fonseca, Amanda Ratier Backes, Milena Fermina Rosenfield, Gerhard Ernst Overbeck, Sandra Cristina Müller

Resumo


Áreas ribeirinhas são foco recorrente de restauração ecológica, devido a sua importância para a manutenção de serviços ecossistêmicos. Entretanto, poucos estudos têm de fato avaliado o sucesso de intervenções ativas em restaurar funções ou processos ecossistêmicos. A regeneração natural é um processo sucessional, cuja avaliação pode indicar o estado e o potencial de resiliência do ecossistema em áreas sob restauração. O presente estudo comparou padrões de regeneração natural de uma área de restauração ecológica (com plantio de mudas nativas há 10 anos) com a mata ciliar de referência, em Cachoeirinha, Rio Grande do Sul, Brasil. Para tanto, foi realizado o levantamento das espécies arbóreas e arbustivas presentes no estrato superior (DAP ≥ 5 cm) e inferior (altura > 30 cm e DAP < 5 cm), em 40 parcelas de 100 m² cada, considerando o plantio (restauração) e a mata ciliar remanescente (referência). Cada estrato e tratamento (referência vs. restauração) foi avaliado quanto aos descritores fitossociológicos, padrões de estrutura e composição, riqueza e similaridade entre as comunidades. Os resultados demonstraram que a área de restauração apresenta composição de espécies e estrutura diferenciada com relação à referência, especialmente para o estrato superior. No estrato inferior (regeneração natural), o número de indivíduos, a altura média e a riqueza de espécies já não diferiram da referência. A composição de espécies em regeneração ainda foi distinta, porém, esta foi mais similar entre si do que as demais comparações entre estratos, indicando que espécies não plantadas foram capazes de se estabelecer nas áreas de restauração.


Palavras-chave


riqueza; composição; estrutura; sucessão.

Texto completo:

PDF

Referências


ANGIOSPERM PHYLOGENY GROUP III. An update of the Angiosperm Phylogeny Group classification for the orders and families of flowering plants: APG III. Botanical Journal of the Linnean Society, London, v. 161, n. 2, p. 105-121, 2009.

CARNEVALE, N. J.; MONTAGNINI, F. Facilitating regeneration of secundary forests with the use of mixed and pure plantations of indigenous tree species. Forest Ecology and Management, Netherlands, v. 163, p. 217-227, 2002.

CUBIÑA, A.; AIDE, T. M. The effect of distance from forest edge on seed rain and soil seed banck in a tropical pasture. Biotropica, Gainesville, v. 33, p. 260-267, 2001.

DE MARCHI, T. C.; JARENKOW, J. A. Estrutura do componente arbóreo de mata ribeirinha no rio Camaquã, município de Cristal, Rio Grande do Sul, Brasil. Iheringia, Série Botânica, Porto Alegre, v. 63, n. 2, p. 241-248, 2008.

GUARIGUATA, M. R.; OSTERTAG, R. Neotropical secundary forest succession: changes in structural and functional characteristics. Forest Ecology and Management, Netherlands, v. 148, n. 1, p. 185-206, 2001.

HOLL, K. D. Restoring Tropical Forest. Nature Education Knowledge, Ithaca, v. 4, n. 4, p. 4, 2013.

IBGE. Manual técnico da vegetação brasileira. 2. ed. Brasília: IBGE, 2002. (Manuais técnicos em geociências, 1).

IBGE. Mapa da vegetação do Brasil e Mapa de biomas do Brasil. Brasília: IBGE; Ministério do Meio Ambiente, 2004.

JARENKOW, J. A.; WAECHTER, J. L. Composição, estrutura e relações florísticas do componente arbóreo de uma floresta estacional no Rio Grande do Sul, Brasil. Revista Brasileira de Botânica, São Paulo, v. 24, n. 3, p. 263-272, 2001.

KAUANO, E. E. et al. Micro- and meso-scale factors affect the restoration of Atlantic Forest. Natureza & Conservação, Rio de Janeiro, v. 11, n. 2, p. 145-151, 2013.

LEGENDRE, P.; LEGENDRE, L. Numerical ecology. 3. ed. Amsterdam: Elsevier, 2012. 990 p.

LEITE, P. F. Contribuição ao conhecimento fitoecológico do sul do Brasil. Revista Ciência & Ambiente, Santa Maria, n. 24, p. 51-73, 2002.

LETCHER S. G.; CHAZDON, R. L. Rapid recovery of biomass, species richness, and species composition in a forest chronosequence in northeastern Costa Rica. Biotropica, Gainesville, v. 41, n. 5, p. 608–617, 2009.

LIEBSCH, D.; GOLDENBERG, R.; MARQUES, M. C. M. Florística e estrutura de comunidades vegetais em uma cronossequência de Floresta Atlântica no Paraná. Acta botanica Brasilica, Belo Horizonte, v. 21, p. 983–992, 2007.

LIEBSCH, D.; MARQUES, M. C. M.; GOLDENBERG, R. How long does the Atlantic Rain Forest take to recover after a disturbance? Changes in species composition and ecological features during secondary succession. Biological Conservation, Boston, v. 141, p. 1717-1725, 2008.

MANLY B. F. J. Randomization and Monte Carlo Methods in Biology. London: Chapman & Hall, 1991. 281p.

MELO, A. C. G.; DURIGAN, G. Evolução estrutural de reflorestamentos de restauração de matas ciliares no Médio Vale do Paranapanema, SP – Brasil. Scientia forestalis, Piracicaba, v. 101, n. 73, p. 101-111, 2007.

MORENO, J. A. Clima do Rio Grande do Sul. Porto Alegre: Governo do Estado do Rio Grande do Sul - Secretaria da Agricultura, 1961. 41 p.

MORO, M. F.; MARTINS, F. R. Métodos de levantamento do componente arbóreo-arbustivo. In: FELFILI, J. M. et al. (eds.). Fitossociologia no Brasil. [s. l.: s. n.], 2011. v. 1, p. 174-212.

NERY, E. R. A. et al. O conceito de restauração na literatura científica e na legislação brasileira. Revista Caititu, Salvador, n. 1, p. 43-56, 2013.

OVERBECK, G. E. et al. Restoration Ecology in Brazil – Time to step out of the Forest. Natureza & Conservação, Rio de Janeiro, v. 11, n.1, p. 92-95, 2013.

PAULA, A. et al. Sucessão ecológica da vegetação arbórea em uma Floresta Estacional Semidecidual, Viçosa, MG, Brasil. Acta Botânica Brasileira, Belo Horizonte, v. 18, n. 3, p. 407-423, 2004.

PEREIRA, L. C. S. M.; OLIVEIRA, C. C. C.; TOREZAN, J. M. D. Woody species regeneration in Atlantic Forest restoration sites depends on surrounding landscape. Natureza & Conservação, Rio de Janeiro, v. 11, n. 2, p. 138-144, 2013.

PILLAR V. D. How accurate and powerful are randomization tests in multivariate analysis of variance? Community Ecology, Budapest, n. 14, p. 153-163, 2013.

PIOVESAN, J. C. et al. Processos ecológicos e a escala da paisagem como diretrizes para projetos de restauração ecológica. Revista Caititu, Salvador, v. 1, n. 1, p. 57–72, 2013.

RIGUEIRA, D. M. G.; MARIANO-NETO, E. Monitoramento: uma proposta integrada par avaliação do sucesso em projetos de restauração ecológica em áreas florestais brasileiras. Revista Caititu, Salvador, n. 1, p. 73–88, 2013.

RIO GRANDE DO SUL. Secretaria Estadual do Meio Ambiente. Inventário Florestal Contínuo do Rio Grande do Sul. Porto Alegre: FATEC/SEMA, 2002. Disponível em: . Acesso em: 24 nov. 2013.

RODRIGUES, R. R.; LEITÃO FILHO, H. F. Matas ciliares: conservação e recuperação. 2. ed. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo; Fapesp, 2001. 320 p.

SOCIETY FOR ECOLOGICAL RESTORATION. Grupo de Trabalho sobre Ciência e Política. 2004. Princípios da SER International sobre a restauração ecológica. Disponível em: . Acesso em: 1 ago. 2013.

SOARES, L. R.; FERRER, R. S. Estrutura do componente arbóreo em uma área de floresta ribeirinha na bacia do rio Piratini, Rio Grande do Sul, Brasil. Biotemas, Florianópolis, v. 22, n. 3, p. 47-55, 2009.

SOBRAL, M. et al. Flora arbórea e arborescente do Rio Grande do Sul, Brasil. São Carlos: RiMa, 2006. 350 p.

STANTURF, J. A.; PALIK, B. J.; DUMROESE, R. K. Contemporary forest restoration: a review emphasizing function. Forest Ecology and Management, Netherlands, v. 331, p. 292-323, 2014.

SUGANUMA, M. S.; ASSIS, G. B.; DURIGAN, G. Changes in plant species composition and functional traits along the successional trajectory of a restored patch of Atlantic Forest. Community Ecology, Budapest, v. 15, n. 1, p. 27-36, 2014.

TABARELLI, M.; MANTOVANI, W. A regeneração de uma floresta tropical montana após corte e queima (São Paulo-Brasil). Revista Brasileira de Biologia, São Carlos, v. 59, n. 2, p. 239-250, 1999.

TEIXEIRA, M. B. (Coord.). Plano ambiental de Cachoeirinha. Porto Alegre: MCT, 2007. v. 2. Disponível em: . Acesso em: 1 ago. 2013.

TRES, D. R. et al. Poleiros Artificiais e Transposição de Solo para a Restauração Nucleadora em Áreas Ciliares. Revista Brasileira de Biociências, Porto Alegre, v. 5, p. 312-314, 2007.

TROIAN, L. C. et al. Florística e padrões estruturais de um fragmento florestal urbano, região metropolitana de Porto Alegre, RS, Brasil. Iheringia, Série Botânica, Porto Alegre, v. 66, n. 1, p. 5-16, jul. 2011.

WORTLEY, L.; HERO, J. M.; HOWES, M. Evaluating Ecological restoration success: a review of the literature. Restoration Ecology, Hoboken, v. 21, n. 5, p. 537–543, set. 2013.

ZANINI, K. J. et al. Atlantic rain forest recovery: successional drivers of floristic and structural patterns of secondary forest in Southern Brazil. Journal of Vegetation Science, Edinburgh, v. 25, n. 4, p. 1056-1068, 2014.




DOI: https://doi.org/10.5902/1980509827733

Licença Creative Commons