Comparação de modelos estatísticos para estimativa da biomassa de árvores, e estimativa do estoque de carbono acima do solo em Cerrado

Camila Paula de Oliveira, Márcio Rocha Francelino, Mayara Daher de Paula, Paulo Sérgio dos Santos Leles, Fernando Canto de Andrade

Resumo


Neste trabalho foram comparados diferentes modelos estatísticos para a estimativa da biomassa individual de árvores, e estimados os estoques totais de biomassa e de carbono acima do solo, nos três compartimentos (arbóreo, herbáceo-arbustivo e serapilheira) de um cerrado sensu stricto típico no oeste da Bahia. Foi realizado o inventário florestal em 20 parcelas de 1000 m² (20 m x 50 m). Para ajuste dos modelos estatísticos foram cortadas e pesadas 90 árvores de diferentes espécies e classes diamétricas. Foram ajustados modelos para o diâmetro medido a 30 cm do solo (D30cm≥5cm) e diâmetro medido a 1,30 m do solo (DAP1,30m≥3,5 cm). A equação escolhida foi aplicada aos dados das árvores levantados no inventário florestal, e assim foram estimados os estoques por hectare e total no compartimento arbóreo. As amostragens dos compartimentos herbáceo-arbustivo e serapilheira foram realizadas por subparcelas fixas. Foram alocadas sistematicamente 20 subparcelas de 4 m² (2 m x 2 m) para amostragem do compartimento herbáceo-arbustivo e 20 subparcelas de 1 m² (1 m x 1 m) para amostragem da serapilheira. O estoque de carbono foi estimado por fator de conversão da biomassa. A equação proveniente do ajuste do modelo de Schumacher & Hall (logarítmica) (R2 = 93,53%; Sxy = 44,92%) foi a escolhida para estimar o estoque de biomassa das árvores do cerrado estudado. A biomassa total acima do solo, considerando os três compartimentos, foi estimada em 18,77 Mg ha-1, o que corresponde a um estoque total de 8,67 Mg ha-1 de carbono. O compartimento arbóreo foi responsável pela maior parte dos estoques (58%), seguido da serapilheira (26%) e herbáceo-arbustivo (16%).


Palavras-chave


Formações Savânicas; Cerrado Típico; Equações de Biomassa; Solos Arenosos

Texto completo:

PDF

Referências


ABDALA, G.C. et al. Above and belowground organic matter and root: shoot ratio in a Cerrado in central Brazil. Brazilian Journal of Ecology, 2(1), p.11-23. 1998.

CASTRO, E.A.; KAUFFMAN, J. B. Ecosystem structure in the Brazilian Cerrado: a vegetation gradient of aboveground biomass, root mass and consumption by fire. Journal of Tropical Ecology, 14, p.263–283.1998.

CASTRO, K.B. et al. Caracterização Geomorfológica do Município de Jaborandi, Oeste baiano, escala 1:100.000.Planaltina: EMBRAPA Cerrados, 32p. 2010.

DELLITI, W.B.; MEGURO, M.; PAUSAS, J. G. Biomass and minerallmass estimates in a cerrado ecosystem. Revista Brasileira de Botânica, v.29, n.4, p.531-540. 2006.

DIAS, B.F.S. Conservação da biodiversidade no bioma Cerrado: Histórico dos impactos antrópicos no bioma Cerrado. In:FALEIRO, F.G.; FARIAS NETO, A.L. (Org.). Savanas: desafios e estratégias para o equilíbrio entre sociedade, agronegócio e recursos naturais. Planaltina: EMBRAPA, 2008. p. 303-33.

FELFILI, J.M. et al. Diversity, floristics and structural patterns of cerrado vegetation in central Brazil.Plant Ecology ,75, p. 37-46. 2004.

FELFILI, M. C.; Proposição de critérios florísticos, estruturais e de produção para o manejo de cerrado sensu stricto do Brasil central. 2008. 133p. Tese (Doutorado em Ciências Florestais) - Universidade de Brasília, Brasília, 2008.

HARIDASAN, M. Competição por nutrientes em espécies arbóreas do cerrado. In: SCARIOT, A.; SOUSA-SILVA, J.C.; FELFILI, J.M. (Org.). Cerrado: ecologia, biodiversidade e conservação. Brasília: Ministério do Meio Ambiente. 2005. p.167-178.

KLINK. C, A.; MACHADO. R, B. A conservação do Cerrado brasileiro. Megadiversidades, vol.1, n.1, p.147-155. 2005.

MMA. Plano de ação para prevenção e controle do desmatamento e das queimadas: Cerrado/ Ministério do Meio Ambiente. Brasília, 200 p. 2011.

MORAIS, V. A. Modelagem e espacialização do estoque de carbono de cerrado sensu stricto em Minas Gerais. 2012. 124p. Dissertação (Mestrado em Ciências Florestais) - Universidade Federal de Lavras, Lavras. 2012.

OLIVEIRA, C. P.; FRANCELINO, M. R.; CYSNEIROS, V. N.; ANDRADE, F. C.; BOOTH, M. C., COMPOSIÇÃO FLORÍSTICA E ESTRUTURA DE UM CERRADO SENSU STRICTO NO OESTE DA BAHIA. CERNE [online], v. 21, n. 4, p. 545-552, 2015.

OLIVEIRA, P. S.; MARQUIS, R. J. The Cerrados of Brazil: ecology and nature history of a neotropical savanna. Columbia Univerty Press. New York. 368p. 2002.

OTTMAR, R.D. et al. Stereo Photo series for Quantifying Cerrado Fuels in Central Brazil- Volume I. Portland: Department of Agriculture, Forest Service, Pacific Northwest Research Station. 87p. 2001.

PAIVA, A.O.; REZENDE, A. V.; PEREIRA, R. S. Estoque de Carbono em Cerrado Sensu stricto no Distrito Federal. Revista Árvore, Viçosa, v.35, n.3, p. 527-538. 2011.

REZENDE, A.V. et al. Comparação de modelos matemáticos para estimativa do volume, biomassa e estoque de carbono da vegetação lenhosa de um cerrado sensu stricto em Brasília, DF. Scientia Florestales, n. 71, p. 65- 76. 2006.

RIBEIRO, S. C. et al. Above - and belowground biomass in a Brazilian Cerrado. Forest Ecology and Management.262, p. 491–499. 2011.

RIBEIRO, S. C. et al. Above - and belowground biomass in a Brazilian Cerrado. Forest Ecology and Management.262, p. 491–499. 2011.

SCOLFORO, J. R. S. Biometria Florestal: Parte I: Modelos de regressão linear e não linear; Parte II: Modelos para relação hipsométrica, volume, afilamento e peso de matéria seca.Lavras: UFLA/FAEPE, 2005. 352 p.

SILVA, R. B. M.; FRANCELINO, M.R.; MOURA, P. A.; MOURA, T.A.; PEREIRA, M.G.; OLIVEIRA, P. O.Relação solo/vegetação em ambiente de Cerrado sobre influência do Grupo Urucuia. Ciência Florestal, Santa Maria, v. 25, n. 2, p. 363-373, abr.-jun. 2015.




DOI: http://dx.doi.org/10.5902/1980509827065