APORTE DE SERAPILHEIRA EM PLANTIO DE RECOMPOSIÇÃO FLORESTAL EM DIFERENTES ESPAÇAMENTOS

Jorge Makhlouta Alonso, Paulo Sérgio dos Santos Leles, Lucas do Nascimento Ferreira, Norton da Silva Araújo Oliveira

Resumo


http://dx.doi.org/10.5902/1980509817439

O trabalho tem por objetivo avaliar o aporte de serapilheira, durante o período de um ano, em plantio derecomposição florestal implantado em diferentes espaçamentos. O plantio foi realizado em novembrode 2004, na Usina Termoelétrica Barbosa Lima Sobrinho, Seropédica – RJ. Em dezembro de 200 7 foram instalados nove coletores circulares, que foram presos às árvores com fio de nylon, nos quatrodiferentes espaçamentos: 1 x 1 m; 1,5 x 1,5 m; 2 x 2 m e 3 x 2 m. As coletas foram feitas mensalmenteaté dezembro de 2008. O material foi levado ao laboratório, separado em folhas, galhos, reprodutivose miscelânea e após ser seco em estufa a 65ºC por 48 horas, foi pesado. Os valores encontrados paradeposição total de serapilheira foram, do mais ao menos denso espaçamento: 6,93; 4,48; 5,12; e 3,71Mg ha-1. O espaçamento que produziu maior quantidade de serapilheira foi o 1 x 1 m. A deposição deserapilheira foi maior na estação seca, sendo o padrão sazonal do aporte semelhante nos diferentesespaçamentos. A fração folhas foi predominante em todos os espaçamentos. A deposição de serapilheira,de modo geral, correlacionou-se de forma positiva com a cobertura de copa e não apresentou correlaçãocom a área basal do povoamento. Os valores de produção de serapilheira verificados neste trabalhopodem ser considerados semelhantes aos encontrados em matas secundárias próximas à área de estudo.

 


Palavras-chave


folhedo; densidade de plantio; reflorestamento; deposição

Texto completo:

PDF

Referências


ARATO, H. D.; MARTINS, S. V.; FERRARI, S. H. S. Produção e decomposição de serapilheira em um sistema agroflorestal implantado para recuperação de área degradada em Viçosa-MG. Revista Árvore, Viçosa, v. 27, p. 715-721, 2003.

ARAUJO, R. S. et al. Aporte de serapilheira e nutrientes ao solo em três modelos de revegetação na Reserva Biológica de Poço das Antas, Silva Jardim, RJ. Floresta e Ambiente, Seropédica, v. 12, n. 2, p. 16-24, 2006.

BALLONI, E. A.; SIMÕES, J. W. O espaçamento de plantio e suas implicações silviculturais. IPEF (Série Técnica), Piracicaba, v. 1, n. 3, p. 1-16, 1980.

BARBOSA, J. H. C.; FARIA, S. M. Aporte de serapilheira ao solo em estágios sucessionais florestais na Reserva Biológica de Poço das Antas, Rio de Janeiro, Brasil. Rodriguésia, Rio de Janeiro, v. 57, n. 3, p. 461-476, 2006.

BENVENUTI-FERREIRA, G. et al. Dendrometry and litterfall of neotropical pioneer and early secondary tree species. Biota Neotroprica, São Paulo, v. 9, n. 1, p. 65-71, 2009.

CALDEIRA, M. V. W. et al. Quantificação de serapilheira e de nutrientes em uma Floresta Ombrófila Densa. Semina: Ciências Agrárias, Londrina, v. 29, p. 53-68, 2008.

CARVALHO, P. E. R. Espécies arbóreas brasileiras. Colombo: Embrapa Florestas, 2003. 1039p. v. 1

CARVALHO, P. E. R. Espécies arbóreas brasileiras. Colombo: Embrapa Florestas, 2006. 629p. v. 2

CARVALHO, P. E. R. Espécies arbóreas brasileiras. Colombo: Embrapa Florestas, 2008. 593p. v. 3

CORRÊA NETO, T. A. et al. Deposição de serapilheira e mesofauna edáfica em áreas de eucalipto e floresta secundária. Floresta e Ambiente, Seropédica, v. 8, n. 1, p.70 - 75, 2001.

DIAS, H. C. T.; OLIVEIRA-FILHO, A. T. de. Variação temporal e espacial da produção de serapilheira em uma área de floresta estacional semidecídua montana em Lavras-MG. Revista Árvore, Viçosa, v. 21, n. 1, p. 11-26, 1997.

FERNANDES, M. M. et al. Aporte e decomposição de serapilheira em áreas de floresta secundária, plantio de sabiá (Mimosa cesalpiniaefoliaI Benth.) e andiroba (Carapa guianensis Aubl.) na FLONA Mário Xavier, RJ. Ciência Florestal, Santa Maria, v.16, n. 2, p.163–175, 2006.

FONSECA, S. M. Implicações técnicas e econômicas na utilização da desrama artificial. IPEF (Circular técnica), Piracicaba, v. 1, n. 46, p. 1-22, 1979.

LELES, P. S. S. et al. Crescimento de espécies arbóreas sob diferentes espaçamentos em plantio de recomposição florestal. Scientia Forestalis, Piracicaba, v. 39, n. 90, p. 231-239, 2011.

LOPES, M. I. M; DOMINGOS, M.; VUONO, Y. S. Ciclagem de nutrientes minerais. In: Manual metodológico para estudos botânicos na Mata Atlântica. SYLVESTRE, L. S.; ROSA, M. M. T. Seropédica: EDUR, 2002. p.72-103.

LORENZI, H. Árvores brasileiras: Manual de identificação e cultivo de plantas arbóreas nativas do Brasil, Nova Odessa: Plantarum, 2002. 384p. v. 1.

LORENZI, H. Árvores brasileiras: Manual de identificação e cultivo de plantas arbóreas nativas do Brasil, Nova Odessa: Plantarum, 2008. 383p. v. 2.

MACHADO, M. R.; PIÑA-RODRIGUES, F. C. M.; PEREIRA, M. G. Produção de serapilheira como bioindicador de recuperação em plantio adensado de revegetação. Revista Árvore, Viçosa, v. 32, n. 1, p. 143-151, 2008.

MARTINS, S. V. Recuperação de Matas Ciliares. Viçosa: Aprenda Fácil, 2007. 255 p.

MARTINS, S. V.; RODRIGUES, R. R. Produção de serapilheira em clareiras de uma floresta estacional semidecidual no município de Campinas, SP. Revista Brasileira de Botânica, São Paulo, v. 22, p. 405-412, 1999.

MOCHIUTTI, S.; QUEIROZ, J. A. L.; MELÉM JUNIOR, N. J. Produção de serapilheira e retorno de nutrientes de um povoamento de taxi-branco e de uma Floresta Secundária no Amapá. Boletim de Pesquisas Florestais, Colombo, n. 52, p.3-20, 2006.

MORAES, R. M.; DELITTI, W. B. C.; VUONO, Y. S. Litterfall and litter nutrient content in two Brazilian Tropical Forests. Revista Brasileira de Botânica, São Paulo, v. 22, p. 9-16, 1999.

MOREIRA, P. R.; SILVA, O. A. Produção de Serapilheira em Área Reflorestada. Revista Árvore, Viçosa, v. 28 n. 1, p. 49-59, 2004.

NASCIMENTO, D. F. et al. Crescimento inicial de seis espécies florestais em diferentes espaçamentos. Cerne, Lavras, v. 18, n. 1, p. 159-165, 2012.

OLIVEIRA, R. R.; LACERDA, L. D. Produção e composição química da serapilheira na Floresta da Tijuca (RJ). Revista Brasileira de Botânica, São Paulo, v. 16, n. 1, p. 93-99, 1993.

PIÑA-RODRIGUES, F. C. M.; LOPES, L. R.; MARQUES, S. Sistema de plantio adensado para revegetação de áreas degradadas da Mata Atlântica: bases ecológicas e comparações de estudo / benefício com o sistema tradicional. Floresta e Ambiente. Seropédica, v. 4, p.30-41, 1997.

PINTO, S. I. C. et al. Produção de serapilheira em dois estádios sucessionais de floresta estacional semidecidual na Reserva Mata do Paraíso, em Viçosa, MG. Revista Árvore, Viçosa, v. 32, n. 3, p. 545-556, 2008.

SANTOS, H. G. et al. Sistema brasileiro de classificação dos solos. 2. ed. Rio de Janeiro: Embrapa Solos; 2006, 306 p.

SOARES, I. et al. Produção de serapilheira e ciclagem de nutrientes na cultura do cajueiro anão precoce. Revista Árvore, Viçosa, v. 32, n. 1, p. 173-181, 2008.

TOLEDO, L. O.; PEREIRA, M. G.; MENEZES, C. E. G. Produção de serapilheira e transferência de nutrientes em florestas secundárias localizadas na região de Pinheiral, RJ. Ciência Florestal, Santa Maria, v. 12, n. 2, p. 9-16, 2003.




DOI: https://doi.org/10.5902/1980509817439

Licença Creative Commons