RELAÇÃO SOLO/VEGETAÇÃO EM AMBIENTE DE CERRADO SOBRE INFLUÊNCIA DO GRUPO URUCUIA

Autores

  • Renata Botelho Machado da Silva
  • Márcio Rocha Francelino
  • Pedro Adnet Moura
  • Tom Adnet Moura
  • Marcos Gervasio Pereira
  • Camila Paula de Oliveira

DOI:

https://doi.org/10.5902/1980509818455

Palavras-chave:

geoprocessamento, análise canônica, levantamento de solos

Resumo

http://dx.doi.org/10.5902/1980509818455

A Vegetação de Cerrado brasileiro comprises hum mosaico naturais de fisionomias, de campos Abertos um savanas e Florestas. Acredita-se Que a Presença de Diferentes fitofisionomias em Uma Região PODE Ser explicada em parte Pela Relação Direta com OS PRESENTES Atributos fazer a solo na MESMA. O Presente Trabalho objetivou Estudar a Relação Entre a solo e em Vegetação Uma área que Bioma Cerrado Sobre Influência do Grupo Urucuia. Para tanto, foi Realizado hum Levantamento de Solos e Vegetação na escala 1: 50.000 em hectares Uma área de 32 mil Approximatif localizada na Região da tríplice divisa between Minas Gerais, Goiás e Bahia, tendão pelo substrato Como o arenito do Grupo Urucuia. Resultados OS ANALITICOS das classes DE solos were Relacionados com OS Dados das fitofisionomias PRESENTES atraves de Análise estatística Comum e Pela determinação dos Componentes principais. OS solos da Região refletiram Bem o material de de Origem, Apresentando Elevados teores de areia, com predomínio de Latossolo Vermelho distrófico típico Amarelo e Latossolo Amarelo distrófico psamítico, PRESENTES em Mais de 35% de Toda a área de Estudo. A fitofisionomia Mais Comum foi o Cerrado SENTIDO restrito típico. A Análise dos Componentes principais indicou that uma areia fina, uma argila EO Alumínio responderam POR 93,7% da Variabilidade da Relação Entre solos e como fitofisionomia.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

AGNES, C. C. et al. Fatores ecológicos condicionantes da vegetação do Cerradão. Caderno de Pesquisa Sér. Bio., Santa Cruz do Sul, v. 19, n. 3, p. 25-37, 2007.

ALCÂNTARA NETO, F. et al. Compartimentos de carbono em Latossolo Vermelho sob cultivo de eucalipto e fitofisionomias de cerrado. Rev. Bras. Ciênc. Solo, Viçosa, v. 35, n. 3, jun. 2011.

BAHIA. SEI. Superintendência de Estudos Econômicos e Sociais da Bahia. Análise dos atributos climáticos do Estado da Bahia. Salvador, 1998. 85 p. (Serie Estudos e Pesquisas, 38).

BRITEZ, R. M. Solos. In: MARQUES, M. C. M.; BRITEZ, R. M (orgs.). História natural e conservação da Ilha do Mel, Paraná. Curitiba: Ed. da UFPR, 2005. P. 49-84.

CARVALHO, D. A. et al. Distribuição de espécies arbóreo-arbustivas ao longo de um gradiente de solos e topografia em um trecho de floresta riparia do Rio São Francisco em Três Marias, MG, Brasil. Revista Brasileira de Botânica, v. 28, n. 2, p. 329-345. 2005.

CASTRO, E. A.; KAUFFMAN, J. B. Ecosystem structure in the Brazilian Cerrado: a vegetation gradient of aboveground biomass, root biomass and consumption by fire. Journal of Tropical Ecology, v. 14, p. 263-283, 1998.

CREMON, C. et al. Atributos do solo em diferentes fitofisionomias do Cerrado Mato-grossense. Agrarian, v. 2, n. 6, p.53-59, 2009

CRUZ, C. D.; REGAZZI, A. J. Modelos biométricos aplicados ao melhoramento genético. Viçosa: Ed.Universidade Federal de Viçosa, 1994. 394 p.

EMBRAPA. Manual de métodos de análises de solo. 2. ed. Rio de Janeiro: Centro Nacional de Pesquisa de Solos, 1997. 212 p.

EMBRAPA. Sistema Brasileiro de Classificação de Solos. Rio de Janeiro: Centro Nacional de Pesquisa de Solos, 2006. 306 p.

GRAHAM, M. H.; HAYNES, R. J.; MEYER, J. H. Soil organic matter content and quality: effects of fertilizer applications, burning and trash retention on a long-term sugarcane experiment in South Africa. Soil Biol. Biochem., v. 34, p. 93-102, 2002.

GUEDES, D.; BARBOSA, L. M.; MARTINS, S. E. Composição florística e estrutura fitossociológica de dois fragmentos de floresta de Restinga no Município de Bertioga, SP, Brasil. Acta Botânica Brasilica, v. 20, n. 2, p. 299-311, 2006.

KOTCHETKOFF-HENRIQUES, O.; JOLY, C. A.; BERNACCI, L. C. Relação entre o Solo e a Composição Florística de Remanescentes de Vegetação Natural no Município de Ribeirão Preto, SP. Revista Brasil. Bot., v. 28, n. 3, p. 541-562, jul.-set. 2005.

LIMA, O. A. L. Levantamentos geofísicos no Aqüífero Urucuia: sub-bacias dos rios Arrojado e Formoso, rede cooperativa: comportamento de bacia Sedimentares na região semi-árida do nordeste Brasileiro. Relatório. Salvador: Universidade Federal da Bahia, Centro de Pesquisa em Geofísica e Geologia, 2007. 37 p.

LOSS, A. et al. Agregação, carbono e nitrogênio em agregados do solo sob plantio direto com integração lavoura-pecuária. Pesq. agropec. bras. v. 46, n. 10, p. 1269-1276, 2011.

MAGNAGO, L. F. S. et al. Gradiente fitofisionômico-edáfico em formações florestais de Restinga no Sudeste do Brasil. Rev. Acta bot. bras. v. 24. n. 03, p. 734-746, 2010.

MARIMON JUNIOR, B. H.; HARIDASAN, M. Comparação da vegetação arbórea e características edáficas de um Cerradão e um Cerrado sensu stricto em áreas adjacentes sobre solo distrófico no leste de Mato Grosso, Brasil. Acta Bot. Bras. v.19 n. 4, p. 45-52, Oct./Dec, 2005.

MEDEIROS, D. A. Métodos de amostragens no levantamento da diversidade arbórea do Cerradão da Estação Ecológica de Assis. 2004. 213 f. Dissertação (Mestrado em Agronomia) - Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiros, Piracicaba, 2004.

RIBEIRO, J. F. e WALTER, B. M. T. As principais fitofisionomias do bioma Cerrado in: SANO, S. M.; DE ALMEIDA, S. P., RIBEIRO, J. F. Cerrado Ecologia e Flora. Brasília: Embrapa Informação Tecnológica, 2008, 406 p.

ROSSI, M. et al. Relação Solos/vegetação em Área Natural no Parque Estadual de Porto Ferreira, São Paulo: Rev. Inst. Flor., v. 17, n. 1, p. 45-61, jun. 2005.

SANTOS, R. D. et al. Manual de descrição e coleta de solo no campo. 5. ed. Viçosa: Ed. Universidade Federal de Viçosa, 2005. 91 p.

SILVA, R. R. et al. Biomassa e atividade microbiana em solo sob diferentes sistemas de manejo na região fisiográfica Campos das Vertentes – MG. R. Bras. Ci. Solo, v. 34, p. 1585-1592, 2010.

SOUZA, V. C.; LORENZI, H. Botânica Sistemática - Guia ilustrado para identificação das famílias de angiospermas da flora brasileira, baseado em APG II. Nova Odessa: Plantarum, 2005. 167 p.

VANCE, G. F.; STEVENSON, F. J.; SIKORA, F. J. Environmental chemistry of aluminum-organic complexes. In: SPOSITO, G. (Ed.). The enviromental chemistry of aluminum. 2nd ed. Flórida: Lewis Publishers, 1996. p.169-220.

Downloads

Publicado

30-06-2015

Como Citar

Silva, R. B. M. da, Francelino, M. R., Moura, P. A., Moura, T. A., Pereira, M. G., & Oliveira, C. P. de. (2015). RELAÇÃO SOLO/VEGETAÇÃO EM AMBIENTE DE CERRADO SOBRE INFLUÊNCIA DO GRUPO URUCUIA. Ciência Florestal, 25(2), 363–373. https://doi.org/10.5902/1980509818455

Edição

Seção

Artigos

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)

1 2 3 > >>