Estrutura e diversidade de trechos de Cerrado sensu stricto às margens de rodovias no estado de Minas Gerais

João Paulo Costa, Lilian Cristina da Silva Santos, Jovan Martins Rios, Amanda Wolberg Rodrigues, Olavo Custódio Dias Neto, Jamir Afonso do Prado Júnior, Vagner Santiago do Vale

Resumo


Estradas são um dos principais fatores de degradação conhecidos do Cerrado, pois, apesar de sua relevância econômica, causam recortes em extensas massas contínuas de biota natural. De acordo com o Código Florestal Brasileiro, a vegetação às margens de rodovias deve ser considerada como de preservação permanente. Entretanto, escassos são os estudos que visam avaliar o real potencial conservacionista destas áreas. O objetivo do estudo foi avaliar o estágio de conservação do estrato arbóreo do Cerrado localizado nas faixas de proteção das rodovias MG-190, MG-223, BR-365 e BR-352. Foram amostradas 40 parcelas de 50 x 10 m nas margens dessas rodovias e demarcados todos os indivíduos arbóreos vivos com circunferência a 30 cm do solo maior ou igual 15 cm. Foram calculados os parâmetros fitossociológicos de densidade, dominância e frequência relativa, valor de importância, equabilidade de Pielou e os índices de diversidade de Shannon-Weaver e Simpson. A riqueza foi estimada utilizando os estimadores Jackknife 2 e
Bootstrap. Foram amostrados 790 indivíduos pertencentes a 88 espécies e 35 famílias. O índice de diversidade de Shannon-Weaver foi 3,64 nats.ind-1, o índice de Simpson foi 0,94 e a equabilidade foi 0,81. As espécies mais comuns no levantamento foram Dalbergia miscolobium, Piptocarpha rotundifolia, Machaerium acutifolium, Ouratea hexasperma e Stenocalyx dysentericus. As famílias com maior número de espécies foram Fabaceae (20 espécies), Myrtaceae (8 espécies) e Bignoniaceae (7 espécies). A riqueza estimada foi de 108 espécies pelo estimador Bootstrap e de 159 pelo estimador Jackknife 2, demonstrando que o número de espécies nas margens das estradas pode ser maior do que a encontrada em alguns Cerrados protegidos. Pode-se inferir que as margens de rodovias conservam um importante montante da flora arbórea do Cerrado, o que preconiza a sua manutenção, dado a atual situação de degradação intensiva do Cerrado.


Palavras-chave


Antropização; Conservação; Fitossociologia

Texto completo:

PDF

Referências


ANDRADE, L. A. Z.; FELFILI, J. M.; VIOLATTI, L. Fitossociologia de uma área de Cerrado denso na RECOR-IBGE, Brasília-DF. Acta Botanica Brasilica, Belo Horizonte, v. 2, n. 16, p. 225-240, 03 abr. 2002.

ASSUNÇÃO, S. L.; FELFILI, J. M. Fitossociologia de um fragmento de cerrado sensu stricto na APA do Paranoá, DF, Brasil. Acta Botanica Brasilica, Belo Horizonte, v. 18, n. 4, p. 903-909, 2004.

BALDUINO, A. P. C. et al. Fitossociologia e análise comparativa da composição florística do cerrado da flora de Paraopeba-MG. Revista Árvore, Viçosa, v. 29, n. 1, p. 25-34, 2005.

BATISTA, A. P. B. et al. Species richness and diversity in shrub savanna using ordinary kriging. Pesquisa Agropecuária Brasileira, Brasília, v. 51, n. 8, p. 958-966, ago. 2016.

BYNG, J. W. et al. An update of the Angiosperm Phylogeny Group classification for the orders and families of flowering plants: APG IV. Botanical Journal of the Linnean Society, London, v. 181, n. 1, p. 1-20, 24 mar. 2016.

BOURSCHEID, K.; REIS, A. Dinâmica da invasão de Pinus elliottii Engelm. em restinga sob processo de restauração ambiental no Parque Florestal do Rio Vermelho, Florianópolis, SC. Biotemas, Florianópolis, v. 23, n. 2, p. 23-30, 8 abr. 2011.

BRASIL. Ministério do Meio Ambiente. Áreas prioritárias para conservação, uso sustentável e repartição de benefícios da biodiversidade brasileira. Atualização: Portaria MMA nº 9, de 23 de janeiro de 2007. Brasília: MMA, 2007.

BRASIL. Ministério do Meio Ambiente. Plano de ação para prevenção e controle do desmatamento e das queimadas: Cerrado. Brasília: MMA, 2011. 200 p.

BRAZ, V. S.; KANEGAE, M. F.; FRANCO, A. C. Estabelecimento e desenvolvimento de Dalbergia miscolobium Benth. em duas fitofisionomias típicas dos Cerrados do Brasil Central. Acta Botanica Brasilica, Belo Horizonte, v. 14, n. 1, p. 27-35, 2000.

BROWER, J. E.; ZAR, J. H. Field and laboratory methods for general ecology. Dubuque: Wm. C. Brown Company, 1984. 226 p.

CARIELO, P. et al. Levantamentos florístico e fitossociológico de um trecho de cerrado da Fazenda Boa Aguada, município de Ribas do Rio Pardo – MS. Colloquium Agrariae, Presidente Prudente, v. 8, nesp, p. 63-70, 2012.

COLWELL, R. K. EstimateS: Statistical estimation of species richness and shared species form samples. Versão 8.2. [S.l.: s.n.], 2005.

COSTA, A. A.; ARAÚJO, G. M. Comparação da vegetação arbórea de cerradão e cerrado na Reserva do Panga, Uberlândia, Minas Gerais. Acta Botanica Brasilica, Belo Horizonte, v. 15, n. 1, p. 63-72, 2001.

DURIGAN, G. et al. Caracterização de dois estratos da vegetação em uma área de cerrado no município de Brotas, SP, Brasil. Acta Botanica Brasilica, Belo Horizonte, v. 16, n. 3, p. 251-262, 2002.

FALLEIROS, R. M.; ZENNI, R. D.; ZILLER, S. R. Invasão e manejo de Pinus taeda em campos de altitude do Parque Estadual do Pico Paraná, Paraná, Brasil. Floresta, Curitiba, v. 41, n. 1, p. 123-134, 2011.

FELFILI, M. C.; FELFILI, J. M. Diversidade alfa e beta no cerrado sensu stricto da Chapada Pratinha, Brasil. Acta Botanica Brasilica, Belo Horizonte, v. 15, n. 2, p. 243-254, ago. 2001.

FELFILI, J. M. et al. Composição florística e fitossociologia do cerrado sentido restrito no município de Água Boa - MT. Acta Botanica Brasilica, Belo Horizonte, v. 16, n. 1, p. 103-112, 2002.

FELFILI, J. M.; CARVALHO, F. A.; HAIDAR, R. F. Manual para o monitoramento de parcelas permanentes nos biomas Cerrado e Pantanal. Brasília: UNB, 2005. 54 p.

FELFILI, J. M.; REZENDE, A. V.; SILVA JÚNIOR, M. C. Biogeografia do Bioma Cerrado: vegetação e solos da Chapada dos Veadeiros. Brasília: UnB, 2007. 256 p.

FERNANDES, P. A.; PESSÔA, V. L. S. O Cerrado e suas atividades impactantes: uma leitura sobre o garimpo, a mineração e a agricultura mecanizada. Observatorium: Revista Eletrônica de Geografia, Uberlândia, v. 3, n. 7, p. 19-37, out. 2011.

FIEDLER, N. C. et al. Efeito de incêndios florestais na estrutura e composição florística de uma área de cerrado sensu stricto na fazenda Água Limpa-DF. Revista Árvore, Viçosa, MG, v. 28, n. 1, p. 129-138, fev. 2004.

FONSECA, M. S.; SILVA JÚNIOR, M. C. Fitossociologia e similaridade florística entre trechos de cerrado sentido restrito em interflúvio e em vale no Jardim Botânico de Brasília, DF. Acta Botanica Brasilica, Belo Horizonte, v. 18, n. 1, p. 19-29, 2004.

FORZZA, R. C. et al. New Brazilian floristic list highlights conservation challenges. Bioscience, Oxford, v. 62, n. 1, p. 39-45, jan. 2012.

FRANÇOSO, R. D.; HAIDAR, R. F.; MACHADO, R. B. Tree species of South America central savanna: endemism, marginal areas and the relationship with other biomes. Acta Botanica Brasilica, Belo Horizonte, v. 30, n. 1, p. 78-86, mar. 2016.

FRANZON, R. C. et al. Araçás do Gênero Psidium: principais espécies, ocorrência, descrição e usos. Planaltina: Embrapa, 2009. 47 p.

GIÁCOMO, R. G. et al. Florística e fitossociologia em áreas de campo sujo e cerrado sensu stricto na estação ecológica de Pirapitinga – MG. Ciência Florestal, Santa Maria, v. 23, n. 1, p. 29-43, 2013.

GIRÃO, L. C. et al. Changes in tree reproductive traits reduce functional diversity in a fragmented atlantic forest landscape. Plos One, San Francisco, v. 2, n. 9, p. 1-12, set. 2007.

GOOGLE. Google Earth. Version 7.1.8.3036 (32-bit). 2017. Nota (Localização geográfica das parcelas na região do estudo). Disponível em: . Acesso em: 21 mar. 2017.

IBGE. Manual Técnico da Vegetação Brasileira. Rio de Janeiro: Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão; Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, 2012. 271 p.

KAGEYAMA, P. Y.; GANDARA, F. B.; SOUZA, L. M. I. Consequências genéticas da fragmentação sobre populações de espécies arbóreas. Série Técnica IPEF, Piracicaba, v. 12, n. 32, p. 65-70, dez. 1998.

KLINK, C. A.; MACHADO, R. B. A conservação do Cerrado brasileiro. Megadiversidade, Rio de Janeiro, v. 1, n. 1, p. 147-155, jul. 2005.

KOTTEK, M. et al. World Map of the Köppen-Geiger climate classification updated. Meteorologische Zeitschrift, Stuttgart, v. 15, n. 3, p. 259-263, jun. 2006.

KREBS, C. J. Ecological methodology. New York: Wesley Longman, 2000.

LAURANCE, W. F; VASCONCELOS, H. L. Consequências ecológicas da fragmentação florestal na Amazônia. Oecologia Brasiliensis, Rio de Janeiro, v. 13, n. 3, p. 434-451, set. 2009.

LOPES, S. F.; VALE, V. S.; SCHIAVINI, I. Efeito de queimadas sobre a estrutura e composição da comunidade vegetal lenhosa do cerrado sentido restrito em Caldas Novas, GO. Revista Árvore, Viçosa, MG, v. 33, n. 4, p. 695-704, ago. 2009.

MACHADO, Ricardo B. et al. Estimativas de perda da área do Cerrado brasileiro. Brasília: Conservation International do Brasil, 2004.

MASSI, K. G. Efeitos da adição de nutrientes em espécies arbóreas e herbáceas de Cerrado. 2014. 109 f. Tese (Doutorado) - Universidade de Brasília, Brasília, 2014.

MATTEUCCI, S. D.; COLMA, A. Metodologia para el estudio de la vegetacion. Coro: Secretaría General de La Organización de Los Estados Americanos, 1982. 86 p.

MENDES, M. Por que é importante investir em infraestrutura? 2011. Disponível em: . Acesso em: 11 maio 2016.

MIASHIKE, R. L. Invasão por Pinus spp. em fisionomias campestres do Cerrado, no estado de São Paulo. 2015. 101 f. Dissertação (Mestrado em Ecologia) - Universidade de São Paulo, São Paulo, 2015.

MITTERMEIER, R. A. et al. Hotspots revisited: earth's biologically richest and most endangered terrestrial ecoregions. Mexico: CEMEX; Agrupación Sierra Madre, 2004. 392 p.

MOURA, I. O. et al. Fitossociologia da comunidade lenhosa de uma área de cerrado rupestre no Parque Estadual dos Pireneus, Pirenópolis, Goiás. Revista de Biologia Neotropical, Goiânia, v. 4, n. 2, p. 83-100, 2007.

NETTESHEIM, F. C. et al. Estrutura e florística do estrato arbóreo no cerrado sensu stricto de Buritis, Minas Gerais, Brasil. Rodriguésia, Rio de Janeiro, v. 61, n. 4, p. 731-747, 2010.

OESTREICH FILHO, E. Fitossociologia, diversidade e similaridade entre fragmentos de cerrado stricto sensu sobre neossolos quartzarênicos órticos, nos municípios de Cuiabá e Chapada dos Guimarães, estado de Mato Grosso, Brasil. 2014. 88 f. Dissertação (Mestrado) - Universidade Federal de Mato Grosso, Cuiabá, 2014.

PAIVA, R. et al. (Ed.). CAGAITEIRA (Eugenia dysenterica DC.). Lavras: UFLA, 2009. 21 p.

PEREIRA, I. M. et al. Estrutura fitossociológica de uma área de cerrado sensu stricto em Sete Lagoas, MG. Enciclopédia Biosfera, Goiânia, v. 9, n. 17, p. 3433-3446, 2013.

POTT, A.; POTT, V. J. Plantas nativas para recuperação de áreas degradadas e reposição da vegetação no Mato Grosso do Sul. Campo Grande: EMBRAPA gado de corte, 2002. (Comunicado Técnico EMBRAPA, n. 75).

RAD, J. E.; MANTHEY, M.; MATAJI, A. Comparison of plant species diversity with different plant communities in deciduous forests. International Journal of Environmental Science & Technology, [S.l.], v. 6, n. 3, p. 389-394, 2009.

RATTER, J. A.; BRIDGEWATER, S.; RIBEIRO, J. F. Analysis of the floristic composition of the brazilian Cerrado vegetation III: Comparison of the woody vegetation of 376 areas. Edinburgh Journal of Botany, Cambridge, v. 60, n. 1, p. 57-109, 2003.

RIBEIRO, S. C. et al. Above and belowground biomass in a Brazilian Cerrado. Forest Ecology and Management, Amsterdam, v. 262, n. 3, p. 491-499, ago. 2011.

RIBEIRO, J. F.; WALTER, B. M. T. As principais fitofisionomias do bioma Cerrado. In: SANO, S. M.; ALMEIDA, S. P.; RIBEIRO, J. F. (Ed.). Cerrado: ecologia e flora. Brasília: EMBRAPA, 2008. p. 151-199.

ROSA, P. A. L. et al. Recuperação de um solo de cerrado após 19 anos: ocorrência espontânea de espécies arbóreas. Revista de Agricultura Neotropical, Cassilândia, v. 1, n. 1, p. 44-57, jul./set. 2014.

SAMPAIO, R. S.; BRITO, P. C. R. Impactos ambientais causados pela construção de rodovias. 2009. Tese (Doutorado) - Universidade Católica do Salvador, Salvador, 2009.

SANTANA, O. A.; IMAÑA-ENCINAS, J. Fitossociologia das espécies arbóreas nativas de cerrado em áreas adjacentes a depósitos de resíduos domiciliares. Floresta, Curitiba, v. 40, n. 1, p. 93-110, 2010.

SARTORELLI, P. A. R. et al. Rebrota após fogo de espécies arbóreas de diferentes grupos fenológicos foliares em Cerrado Stricto Sensu. Revista Científica Eletrônica de Engenharia Florestal, Garça, v. esp., n. 10, p. 1-13, ago. 2007.

SCHILLING, A. C.; BATISTA, J. L. F. Curva de acumulação de espécies e suficiência amostral em florestas tropicais. Revista Brasileira de Botânica, São Paulo, v. 31, n. 1, p. 179-187, mar. 2008.

SILVA, L. O. et al. Levantamento florístico e fitossociológico em duas áreas de cerrado sensu stricto no Parque Estadual da Serra de Caldas Novas, Goiás. Acta Botanica Brasilica, Belo Horizonte, v. 16, n. 1, p. 43-53, 2002.

SILVEIRA, E. P.; COSTA, R. B.; FELFILI, J. M. Florística da vegetação remanescente de Cerrado sensu stricto em terra indígena no noroeste de Mato Grosso, Brasil. Revista de Biologia Neotropical, Goiânia, v. 6, n. 2, p. 15-25, 2009.

TEIXEIRA, M. I. J. G. et al. Florística e fitossociologia de área de Cerrado S.S. no município de Patrocínio Paulista, nordeste do estado de São Paulo. Bragantia, Campinas, v. 63, n. 1, p. 1-11, 2004.

TROPICOS.ORG. Missouri Botanical Garden. Saint Louis: Missouri Botanical Garden, 2016. Disponível em: .

VASCONCELOS, P. B. O papel das beiras de estradas na conservação da diversidade vegetal do Cerrado. 2012. 41 f. Dissertação (Mestrado) - Universidade Federal de Uberlândia, Uberlândia, 2012.

VASCONCELOS, P. B.; ARAÚJO, G. M.; BRUNA, E. M. The role of roadsides in conserving Cerrado plant diversity. Biodiversity and Conservation, [S.l.], v. 23, n. 12, p. 3035-3050, 2014.




DOI: http://dx.doi.org/10.5902/1980509826869