REGENERAÇÃO NATURAL EM DIFERENTES PERÍODOS DE ABANDONO DE ÁREAS APÓS EXTRAÇÃO DE Eucalyptus grandis Hill ex Maiden, EM ARGISSOLO VERMELHO-AMARELO ÁLICO, EM BRUSQUE, SANTA CATARINA

Rafaela Cristina Seubert, João Paulo Maçaneiro, Lauri Amândio Schorn, Deisi Cristine Sebold

Resumo


A regeneração natural é considerada uma das técnicas mais adequadas para promover o restabelecimento da vegetação em áreas degradadas. Assim, o presente estudo teve por objetivo avaliar a composição e estrutura dos estratos arbóreo e regenerativo em três áreas sob regeneração natural, caracterizados por diferentes idades após retirada de povoamentos de Eucalyptus grandis. A área de estudo localiza-se na bacia hidrográfica do rio Itajaí, em Brusque - SC. A coleta dos dados foi realizada com a implantação de 56 unidades amostrais (UA) de 200 m² distribuídas ao longo das margens de um curso d'água em áreas que apresentavam períodos de cinco (AT I), três (AT II) e um e meio (AT III) anos de abandono. Em cada UA foram amostrados os indivíduos vivos com PAP ≥ 5 cm e altura maior que 1,3 m. Para o levantamento do estrato regenerativo, foi demarcada uma subunidade de 20 m² dentro de cada UA do estrato arbóreo, no qual foram amostradas as plantas com altura ≤ 1,30 m. A vegetação estudada apresentou distinções em valores estruturais, evidenciando um dinamismo sucessional no período avaliado. As pioneiras sofreram decréscimo em número de espécies, tanto no estrato arbóreo quanto no regenerativo, enquanto que as espécies clímax tolerantes à sombra apresentaram ingressos com o avanço da idade de abandono das áreas. O número de indivíduos por grupos ecológicos sofreu alterações mais evidentes no estrato regenerativo com o aumento do período de abandono das áreas e as pioneiras diminuíram enquanto que as espécies clímax exigentes em luz aumentaram em densidade.


Palavras-chave


composição; estrutura; restauração; mata ciliar.

Texto completo:

PDF

Referências


ALVARENGA, A. P. et al. Avaliação da regeneração natural na recomposição de matas ciliares em nascentes na região sul de Minas Gerais. Cerne, Lavras, MG, v. 12, n. 4, p. 360-372, 2006.

ANGIOSPERM PHYLOGENY GROUP III. An update of the Angiosperm Phylogeny Group classification for the ordens and families of flowering plants: APG III. Botanical Journal of the Linnean Society, London, v. 161, p. 105-121, 2009.

BARBOSA, L. M. Considerações gerais e modelos de recuperação de formações ciliares. In: RODRIGUES, R. R.; LEITÃO-FILHO, H. F. (Coord.). Matas ciliares: conservação e recuperação. São Paulo: FAPESP, 2000. p. 89-312.

BARDELLI, K. C. et al. O gênero Piper L. (Piperaceae) da Mata Atlântica da microbacia do sítio Cabuçu-Proguaru, Guarulhos, SP, Brasil. Hoehnea, São Paulo, v. 35, n. 4, p. 553-561, 2008.

BORÉM, R. A. T.; RAMOS, D. P. Estrutura fitossociológica da comunidade arbórea de uma topossequência pouco alterada de uma área de floresta atlântica, no município de Silva Jardim - RJ. Revista Árvore, Viçosa, MG, v. 25, n. 1, p. 131-140, 2001.

BOTELHO, S. A.; DAVIDE, A. C. Métodos silviculturais para recuperação de nascentes e recomposição de matas ciliares. In: SIMPÓSIO NACIONAL SOBRE RECUPERAÇÃO DE ÁREAS DEGRADADAS, 5., Belo Horizonte. Anais... Belo Horizonte, 2002. p. 123-145.

CAMPOS, J. B.; SOUZA, M. C. Arboreous vegetation of an alluvial riparian forest and their soil relations: Porto Rico Island, Paraná River, Brazil. Brazilian Archives of Biology and Technology, Curitiba, v. 45, n. 2, p. 137-149, 2002.

CARDOSO-LEITE, E. et al. Fitossociologia e caracterização sucessional de um fragmento de mata ciliar, em RioClaro/SP, como subsídio à recuperação da área. Revista do Instituto Florestal, São Paulo, v. 16, n. 1, p. 31-41, 2004.

CARVALHO, F. A. Síndromes de dispersão de espécies arbóreas de florestas ombrófilas submontanas do estado do Rio de Janeiro. Revista Árvore, Viçosa, MG, v. 34, n. 6, p. 1017-1023, 2010.

CHEUNG, K. C. Regeneração natural em áreas de Floresta Atlântica na Reserva Natural Rio Cachoeira, Antonina, PR. 2006. 69 f. Dissertação (Mestre em Ecologia e Conservação) - Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 2006.

COLONETTI, S. et al. Florística e estrutura fitossociológica em floresta ombrófila densa submontana na barragem do rio São Bento, Siderópolis, Estado de Santa Catarina. Acta Scientiarum. Biological Sciences, Maringá, v. 31, n. 4, p. 397-405, 2009.

DURIGAN, G.; SILVEIRA, E. R. Recomposição da mata ciliar em domínio de cerrado, Assis, SP. Scientia Forestalis, Piracicaba, n. 56, p. 135-144, 1999.

EMBRAPA. Levantamento de reconhecimento dos solos do Estado de Santa Catarina. Boletim de Pesquisa, Colombo, PR, n. 6, 1998.

DURIGAN, G.. Solos do Estado de Santa Catarina. Boletim de Pesquisa e Desenvolvimento, Colombo, PR, n. 46, 2004.

EMPRESA DE PESQUISA AGROPECUÁRIA E EXTENSÃO RURAL DE SANTA CATARINA. Atlas Climatológico do Estado de Santa Catarina. Florianópolis. 2002. 1 CD.

FERREIRA, D. A. C.; DIAS, H. C. T. Situação atual da mata ciliar do Ribeirão São Bartolomeu em Viçosa, MG. Revista Árvore, Viçosa, MG, v. 28, n. 4, p. 617-623, 2004.

GUIMARÃES, E. F.; GIORDANO, L. C. S. Piperaceae no nordeste brasileiro I: Estado do Ceará. Rodriguésia, Rio de Janeiro, v. 55, p. 21-46, 2004.

HOWE, H. F.; SMALLWOOD, J. Ecology of seed dispersal. Annual Review of Ecology and Systematics, Palo Alto, v. 13, p. 201-228, 1982.

IBARRA-MANRÍQUEZ, G. et al. Fenologia de lianas y arboles anemocoros en una Selva Calido-Humeda de México. Biotropica, Washington, v. 23, p. 242-254, 1991.

IBGE. Manual técnico da vegetação brasileira. Rio de Janeiro: IBGE, 2012. 271 p.

KINUPP, V. F.; MAGNUSSON, W. E. Spatial patterns in the understory shrub genus Psychotria in central Amazonia: effects of distance and topography. Journal of Tropical Ecology, Cambridge, v. 21, p. 368-374, 2005.

KLEIN, R. M. Ecologia da flora e vegetação do Vale do Itajaí. Sellowia, Itajaí, v. 1, n. 32, p. 165-389, 1980.

LINGNER, D. V. et al. Fitossociologia do componente arbóreo/arbustivo da Floresta Ombrófila Densa em Santa Catarina. In: VIBRANS, A. C. et al. (Ed.). Inventário Florístico Florestal de Santa Catarina, Vol. IV, Floresta Ombrófila Densa. Blumenau: Edifurb, 2013. p. 159-200.

MAGURRAN, A. E. Measuring biological diversity. Oxford: Blackwell Science, 2004.

MANTOVANI, M. et al. Diversidade de espécies e estrutura sucessional de uma formação secundária da floresta ombrófila densa. Scientia Forestalis, Piracicaba, n. 67, p. 14-26, 2005.

MEYER, L. et al. Regeneração natural da Floresta Ombrófila Densa em Santa Catarina. In: VIBRANS, A. C. et al. (Ed.). Inventário Florístico Florestal de Santa Catarina, Vol. IV, Floresta Ombrófila Densa. Blumenau: Edifurb, 2013. p. 201-256.

MORELLATO, L. P. C. et al. Estudo comparativo da fenologia de espécies arbóreas de floresta de altitude

e floresta mesófila semidecídua na Serra do Japi, Jundiaí, São Paulo. Revista Brasileira de Botânica, São Paulo, v. 12, p. 85-98, 1989.

MORELLATO, L. P. C. et al. Phenology of Atlantic rain forest trees: a comparative study. Biotropica, Washington, v. 32, n. 4b, p. 811-823, 2000.

MUELLER-DOMBOIS, D.; ELLENBERG, H. Aims and methods of vegetation ecology. New Jersey: The Blackburn Press, 2002. 547 p.

NAPPO, M. E. et al. Reflorestamentos mistos com essências nativas para recomposição de matas ciliares.

Boletim Agropecuário da Universidade Federal de Lavras, Lavras, MG, v. 30, p. 1-31, 1999.

NAPPO, M. E. et al. Dinâmica da estrutura fitossociológica da regeneração natural em sub-bosque de Mimosa scabrella Bentham em área minerada, em Poços de Caldas, MG. Revista Árvore, Viçosa, MG, v. 28, n. 6, p. 811-829, 2004.

NEBEL, G. et al. Structure and floristic composition of flood plain forests in the Peruvian Amazon I. Overstorey. Forest Ecology and Management, Amsterdam, v. 150, p. 27-57, 2001.

NEGRELLE, R. R. B. The Atlantic forest in the Volta Velha Reserve: a tropical rain forest site soutside the tropics. Biodiversity and Conservation, London, v. 11, p. 887-919, 2002.

NÓBREGA, A. M. F. et al. Regeneração natural em remanescentes florestais e áreas reflorestadas da várzea do Rio Mogi-Guaçu, Luiz Antônio - SP. Revista Árvore, Viçosa, MG, v. 32, n. 5, p. 909-920, 2008.

NYKVIST, N. Regrowth of secundary vegetation ofter the “Borneo fire” of 1982-1983. Journal of Tropical Ecology, Cambridge, v. 12, p. 307-312, 1996.

OLIVEIRA-FILHO, A. T. Estudos ecológicos da vegetação como subsídios para programas de revegetação com espécies nativas: uma proposta metodológica. Cerne, Lavras, MG, v. 1, n. 1, p. 64-72, 1994a.

OLIVEIRA-FILHO, A. T. et al. Estrutura fitossociológica e variáveis ambientais em um trecho da mata ciliar do córrego dos Vilas Boas, Reserva Biológica do Poço Bonito, Lavras (MG). Revista Brasileira de Botânica, São Paulo, v. 17, n. 1, p. 67-85, 1994b.

OLIVEIRA-FILHO, A. T.; FONTES, M. A. L. Patterns of floristic differentiation among Atlantic Forest in southeastern Brazil and the influence of climate. Biotropica, Washington, v. 32, n. 4b, p. 793-810, 2000.

PESSOA, S. V. A. et al. Composição florística e estrutura do componente arbustivo-arbóreo de um trecho secundário de floresta montana na Reserva Ecológica de Macaé de Cima. In: JARDIM BOTÂNICO (Rio de Janeiro, RJ) Serra de Macaé de Cima: diversidade florística e conservação da Mata Atlântica. Rio de Janeiro: Jardim Botânico, 1997. p.147-168.

PIJL, L. V. D. Principles of dispersal in higher plants. 3. ed. New York: Springer-Verlag, 1982.

REITZ, P. R. et al. Madeiras do Brasil. Florianópolis: Lunardelli, 1979. 320 p.

RODRIGUES, R. R.; GANDOLFI, S. Conceitos, tendências e ações para a recuperação de florestas ciliares.

In: RODRIGUES, R. R.; LEITÃO-FILHO, H. F. (Coord.). Matas ciliares: conservação e recuperação. São Paulo: FAPESP, 2000. p. 241-243.

SCARIOT, E. C.; REIS, A. Riqueza e estrutura florística de corredores ciliares em regeneração natural no planalto norte catarinense, sul do Brasil. Perspectiva, Florianópolis, v. 34, n. 125, p. 53-65, 2010.

SEITZ, R. A. A regeneração natural na recuperação de áreas degradadas. In: SIMPÓSIO SUL AMERICANO; SIMPÓSIO NACIONAL – RECUPERAÇÃO DE ÁREAS DEGRADADAS, 1., Foz do Iguaçu. Anais... Foz do Iguaçu: FUPEF, 1994. p. 103-110.

SEVEGNANI, L. Vegetação da Bacia do Rio Itajaí em Santa Catarina. In: SCHÄFFER, W. B.; PROCHNOW, M. (orgs.). A Mata Atlântica e você. [s. l.]: APREMAVI, 2002. p.85-101.

SIMINSKI, A. et al. Sucessão florestal secundária no município de São Pedro de Alcântara, litoral de Santa Catarina: estrutura e diversidade. Ciência Florestal, Santa Maria, v. 14, n. 1, p. 21-33, 2004.

TABARELLI, M.; MANTOVANI, W. A regeneração de uma floresta tropical montana após corte e queima (São Paulo-Brasil). Revista Brasileira de Biologia, São Carlos, v. 59, n. 2, p. 239-250, 1999.

VENZKE, T. S.; MARTINS, S. V. Aspectos florísticos de três estágios sucessionais em mata ciliar em Arroio do Padre, extremo sul do Brasil. Floresta, Curitiba, v. 43, n. 2, p. 191-204, abr./ jun. 2013.




DOI: https://doi.org/10.5902/1980509826443

Licença Creative Commons