COMPOSIÇÃO FLORÍSTICA E CARACTERIZAÇÃO SUCESSIONAL COMO SUBSÍDIO PARA CONSERVAÇÃO E MANEJO DO PNMCBio, SOROCABA - SP

Samuel Coelho, Eliana Cardoso-Leite, Ana Carolina Devides Castello

Resumo


http://dx.doi.org/10.5902/1980509821125

O trabalho foi realizado no Parque Natural Municipal Corredores da Biodiversidade (PNMCBio), em Sorocaba -SP, com o objetivo de avaliar a composição florística do componente arbóreo e o estágio sucessional de uma área de floresta nativa de aproximadamente 31 hectares. Para tanto, foram alocadas 64 parcelas de tamanho 10 x 10 m, distribuídas aleatoriamente na área, sendo coletados todos os indivíduos com CAP igual ou maior que 15 cm. Estimou-se a diversidade por meio do índice de diversidade de Shannon (H’) e a equabilidade por meio do índice de Pielou (J’). As espécies foram caracterizadas nos grupos sucessionais, síndrome de dispersão, categorias de ameaça, amplitude de distribuição e indicadoras do estágio de regeneração. Foram amostrados 1088 indivíduos, distribuídos em 79 espécies, 54 gêneros e 29 famílias, sendo o H’ estimado em 3,421 e o J’ em 0,78, valores próximos aos encontrados em outras áreas de formações vegetacionais similares. Foram identificadas quatro espécies ameaçadas de extinção, 11 espécies endêmicas da Mata Atlântica e duas espécies restritas à Floresta Estacional Semidecidual no domínio da Mata Atlântica. O fragmento encontra-se em estágio médio de regeneração, sendo de suma importância sua conservação e manejo para a manutenção da biodiversidade local e regional.


Palavras-chave


Floresta Estacional Semidecidual; estágio sucessional; manejo.

Texto completo:

PDF

Referências


ALBUQUERQUE, G.B.; RODRIGUES, R.R. A vegetação do Morro de Araçoiaba, Floresta Nacional de Ipanema, Iperó (SP). Scientia Forestalis, n. 28, p. 145-159, 2000.

APG. An update of the Angiosperm Phylogeny Group classification for the orders and families of flowering plants: APG III. Botanical Journal of the Linnean Society, v. 161, n. 2, p. 105- 202, 2009.

BERNACCI, L.C. et al. O efeito da fragmentação florestal na composição e riqueza de árvores na região da Reserva do Morro Grande (Planalto de Ibiúna-SP). Revista do Instituto Florestal, v. 18, n. único, p. 121-166, 2006.

BRASIL. Ministério do Meio Ambiente. instrução normativa n.6, de 23 de Setembro de 2008. Lista Oficial das Espécies da Flora Brasileira Ameaçadas de Extinção. Disponível em: < http://www.mma.gov.br/estruturas/179/_arquivos/179_05122008033615.pdf>. Acesso em: 22 de maio de 2013.

CAIAFA, A.N.; MARTINS, F.R. Forms of rarity of tree species in the southern Brazilian Atlantic Rainforest. Biodiversity and Conservation, v. 19, p. 2597-2618, 2010.

CARDOSO-LEITE, E. et al. Fitossociologia e caracterização sucessional de um fragmento de mata ciliar, em Rio Claro/SP, como subsídio à recuperação da área. Revista do Instituto Florestal, v.16, n.1, p.31-41, 2004.

CARDOSO-LEITE, E.; RODRIGUES, R.R. Fitossociologia e caracterização sucessional de um fragmento de floresta estacional no sudeste do Brasil. Revista Árvore, v. 32, n. 3, p. 583-595, 2008.

CARDOSO-LEITE, E. et al. Analysis of floristic composition and structure as an aid to monitoring protected areas of dense rain forest in southeastern Brazil. Acta Botanica Brasilica, v. 27, n. 1, p. 180-194, 2013.

CATHARINO, E.L.M. et al. Aspectos da composição e diversidade do componente arbóreo das florestas da Reserva Florestal do Morro Grande, Cotia, SP. Biota Neotropica, v. 6, n. 2, p. 1-18, 2006.

CONAMA. Resolução no. 1, de 31 de janeiro de 1994. Regulamenta o Decreto no. 750, de 10 de fevereiro de 1993 e a Resolução CONAMA no. 10 de 1º de outubro de 1993 em relação a necessidade de se definir vegetação primária e secundária nos estágios pioneiro, inicial, médio e avançado de regeneração de Mata Atlântica a fim de orientar os procedimentos de licenciamento de exploração nativa do Estado de São Paulo. Disponível em: . Acesso em: 23 maio 2013.

CORNELISSEN, J.H.C. et al. A handbook of protocols for standardized and easy measurement of plant functional traits worldwide. Australian Journal of Botany [online], v. 51, p. 335–380, 2003.

DAVIS, S.D. et al. Plants in danger: what do we know?. Switzerland and Cambridge: Gland-IUCN, 1986. 444p.

DISLICH, R.; CERSÓSIMO, L.; MANTOVANI, W. Análise da estrutura de fragmentos florestais no Planalto Paulistano-SP. Revista Brasileira de Botânica, v.24, n.3, p.321-332, 2001.

DONADIO, N.M.M.; PAULA, R.C. de.; GALBIATTI, J.A. Florística e estrutura da comunidade arbórea de um remanescente florestal ripário no município de Guariba, Estado de São Paulo, Brasil. Revista do Instituto Florestal, v. 21, n. 1, p. 1-17, 2009.

ESTADO DE SÃO PAULO. Secretaria de Estado do Meio Ambiente. Resolução SMA nº 08 de 31 de janeiro de 2008. Fixa a orientação para o reflorestamento heterogêneo de áreas degradadas e dá providências correlatas, 2008.

ESTADO DE SÃO PAULO. Secretaria do Meio Ambiente / Coordenadoria de Planejamento Ambiental. Meio Ambiente Paulista: Relatório de Qualidade Ambiental 2012. Organização: Fabiano Eduardo Lagazzi Figueiredo. São Paulo: SMA/CPLA, 2012.

FIDALGO, O.; BONONI, V.L.R. Técnicas de coleta, preservação e herborização de material botânico. São Paulo: Instituto de Botânica/Imprensa Oficial do Estado de São Paulo, 1989, 62p.

FISZON, J.T. et al. Causas Antrópicas – 03. In: RAMBALDI, D. M.; OLIVEIRA, D. A. S. de (Orgs.). Fragmentação de Ecossistemas: Causas, efeitos sobre a biodiversidade e recomendações de políticas públicas Brasília: MMA/SBF, 2003. p. 65- 99.

FONSECA, R.C.B.; RODRIGUES, R.R. Análise estrutural e aspectos do mosaico sucessional de uma floresta semidecídua em Botucatu,SP. Scientia Forestalis, n. 57, p. 27-43, 2000.

FUNDAÇÃO BIODIVERSITAS. Lista oficial de espécies ameaçadas de extinção no Brasil. 2008. Disponível em: . Acesso em: 22 de maio de 2013.

GANDOLFI, S. et al. Levantamento florístico e caráter sucessional das espécies arbustivo-arbóreas de uma floresta mesófila semidecídua no município de Guarulhos, SP. Revista Brasileira de Biologia, v. 55, n. 4, p. 753-767, 1995.

GENELETTI, D. Using spatial indicators and value functions to assess ecosystem fragmentation caused by linear infrastructures. International Journal of Applied Earth Observation and Geoinformation, v. 5, n. 1, p.1–15. 2004.

GUARATINI, M.T.G. et al. Composição florística da Reserva Municipal de Santa Genebra, Campinas, SP. Revista Brasileira de Botânica, v. 31, n. 2, p. 323-337, 2008.

HACK, C. et al. Análise fitossociológica de um fragmento de floresta estacional decidual no município de Jaguari, RS. Ciência Rural, v. 35, n. 5, p. 1083-1091. 2005.

HOWE, H.; SMALLWOOD, J. Ecology of seed dispersal. Annual Review of Ecology and Systematics, v. 13, n. 1, p. 201-228, 1982.

IAC - INSTITUTO AGRONÔMICO DE CAMPINAS. Mapa Pedológico do Estado de São Paulo (relatório e mapa). 1: 500.000. Campinas: IAC, 1999.

IBGE - INSTITUO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Manual técnico da vegetação brasileira. Rio de Janeiro, 2012, 271p. (Manuais Técnicos em Geociências, n. 1).

IUCN - INTERNATIONAL UNION FOR CONSERVATION OF NATURE. Lista Vermelha de Espécies Ameaçadas de Extinção da União Internacional para a Conservação da Natureza. 2013. Disponível em: . Acesso em: 21 de maio de 2013.

IVANAUSKAS, N.M; RODRIGUES, R.R.; NAVES, A.G. Fitossociologia de um trecho de Floresta Estacional Semidecídua em Itatinga, SP, Brasil. Scientia Forestalis, v. 56, p. 83-99, 1999.

IVANUSKAS, N.M.; RODRIGUES, R.R. Florística e fitossociologia de floresta estacional decidual em Piracicaba, São Paulo, Brasil. Revista Brasileira de Botânica, v. 23, n. 3, p. 291-304, 2000.

KINOSHITA, L.S. et al. Composição florística e síndromes de polinização e de dispersão da mata do Sítio São Francisco, Campinas, SP, Brasil. Acta Botanica Brasilica, , v. 20, n. 2, p. 313-327, 2006.

KLAUBERG, C. et al. Florística e estrutura de um fragmento de Floresta Ombrófila Mista no Planalto Catarinense. Revista Biotemas v. 23, n. 1, p. 35-47, 2010.

KLEIN, R.M. O aspecto dinâmico do pinheiro brasileiro. Sellowia, v. 12, p. 17-45, 1960.

KOCH, I. et al. Lista das plantas com flores e frutos das áreas de vegetação remanescente do município de Sorocaba. Pp. 85-151 In: Smith, W.S.; Mota Junior, V.D.; Carvalho, J.L. (org.) Biodiversidade do Município de Sorocaba. (no prelo)

KÖEPPEN, W. Climatologia: con un estudio de los climas de la tierra. México: Fundo de Cultura Econômica, 1948.

KRONKA, F.J.N. et al. Inventário florestal da vegetação natural do Estado de São Paulo. São Paulo: Imprensa Oficial, 2005. 200p.

KRUCKEBERG, A.R.; RABINOWITZ, D. Biological aspects of endemism in higher plants. Annual Review of Ecology and Systematic, v. 16, p. 447–479, 1985.

LIEBSCH, D.; MARQUES, M.C.M.; GOLDENBERG R. How long does the Atlantic Rain Forest take to recover after a disturbance? Changes in species composition and ecological features during secondary succession. Biological Conservation, v. 141, p. 1717-1725, 2008.

LOPES, S.F. et al. Caracterização ecológica e distribuição diamétrica da vegetação arbórea em um remanescente de Floresta Estacional Semidecidual na Fazenda Experimental do Glória, Uberlândia, MG. Bioscience Journal, v. 27, n. 2, p. 322-335, 2011.

MARTINS, F.R. Estrutura de uma floresta mesófila. Campinas: Editora da Unicamp. 1991. 246p.

MELLO, K. Análise espacial de remanescentes florestais como subsídio para o estabelecimento de unidades de conservação. 2012. 82f. Dissertação. (Mestrado em Diversidade Biológica e Conservação) - Universidade Federal de São Carlos, Centro de Ciências e Tecnologia para a Sustentabilidade, Sorocaba, São Paulo, 2012.

METZGER, J.P.; RODRIGUES, R.R. Mapas-síntese das diretrizes para conservação e restauração da biodiversidade no Estado de São Paulo. In: SECRETARIA DO MEIO AMBIENTE. Diretrizes para conservação e restauração da biodiversidade no Estado de São Paulo. São Paulo: Secretaria de Estado do Meio Ambiente, 2008.

MITTERMEIER, R.A. et al. Hotspots: earth´s biologically richest and most endangered terrestrial ecoregions. Mexico City: CEMEX/Conservation International, 1999. 431p.

MUELLER-DOMBOIS, D.; ELLENBERG, H. Aims and methods of vegetation ecology. New York: Wiley & Sons. 1974. 574p.

MYERS, N. et al. Biodiversity hotspots for conservation priorities. Nature, v.403, p.853–858, 2000.

PAULA, A. et al. Sucessão ecológica da vegetação arbórea em uma Floresta Estacional Semidecidual, Viçosa, MG, Brasil. Acta Botanica Brasilica, v. 18, n. 3, p. 407-423, 2004.

PEREIRA, I.M. et al. Caracterização ecológica de espécies arbóreas ocorrentes em ambientes de mata ciliar, como subsídio à recomposição de áreas alteradas nas cabeceiras do Rio Grande, Minas Gerais, Brasil. Ciência Florestal, , v. 20, n. 2, p. 235-253, 2010

PRADO-JÚNIOR, J.A. et al. Estrutura da comunidade arbórea em um fragmento de Floresta Estacional Semidecidual localizada na Reserva Legal da Fazenda Irara, Uberlândia, MG. Bioscience Journal, v. 26, n. 4, p. 638-647, 2010.

RIBEIRO, M.C. et al. The Brazilian Atlantic Forest: How much is left, and how is the remaining forest distributed? Implications for conservation. Biological Conservation, v. 142, p. 1141–1153, 2009.

RUSCHEL, A.R.; NODARI, R.O; MOERSCHBACHER, B.M. Woody plant species richness in the Turvo State Park, a large remnant of Deciduous Atlantic Forest, Brazil. Biodiversity and Conservation, v. 16, p. 1699-1714, 2007.

RODOLFO, A.M. et al. Citrus aurantium L. (laranja-apepu) e Hovenia dulcis Thunb. (uva-do-japão): espécies exóticas invasoras da trilha do Poço Preto no Parque Nacional do Iguaçu, Paraná, Brasil. Revista Brasileira de Biociências, v. 6, n. 1, p. 16-18, 2008.

SANTIN, D.A. A vegetação remanescente do município de Campinas (SP): mapeamento, caracterização fisionômica e florística, visando à conservação. 1999. 502f. Tese (Doutorado em Ciências Biológicas) -Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 1999.

SCHAAF, L.B. et al. Modificações florístico-estruturais de um remanescente de floresta Ombrófila Mista Montana no período entre 1979 e 2000. Ciência Florestal, v. 16, n. 3, p. 271-291, 2006.

SHEPHERD, G.J. FITOPAC 2.1. Universidade Estadual de Campinas. Depto de Botânica, 2009.

SILVA, L.A.; SOARES, J.J. Levantamento fitossociológico em um fragmento de floresta estacional semidecídua, no município de São Carlos, SP. Acta Botanica Brasilica, v. 16, n. 2, p. 205-216, 2002.

SOROCABA. Secretaria do Meio Ambiente. Plano de Manejo do Parque Natural Municipal Corredores da Biodiversidade de Sorocaba (versão preliminar). Biométrica. Sorocaba. 2012. 387p.

STEHMANN, J.R. et al. Plantas da Floresta Atlântica. Rio de Janeiro: Jardim Botânico do Rio de Janeiro, 2009, 516p.

TABARELLI, M.; et al. Desafios e oportunidades para a conservação da biodiversidade da Mata Atlântica brasileira. Megadiversidade, v. 1, n. 1, 2005.

TABARELLI, M.; MANTOVANI, W. Clareiras naturais e riqueza de espécies pioneiras em uma Floresta Atlântica Montana. Revista Brasileira Biologia, v. 59, n. 2, p. 251-261, 1999.

THIERS, B. [continuously updated]. Index Herbariorum: A global directory of public herbaria and associated staff. New York Botanical Garden's Virtual Herbarium. Disponível em: . Acesso em: 07 maio 2013.

THOMAS, W.W. et al. Plant endemism in two forests in southern Bahia, Brazil. Biodiversity and Conservation v. 7, p. 311–322, 1998.

VIANI, R.A.G. O uso da regeneração natural (floresta estacional semidecidual e talhões de Eucalyptus) como estratégia de produção de mudas e resgate da diversidade vegetal na restauração florestal. 2005. 118f. Dissertação (Mestrado em Biologia Vegetal). Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2005.

WANDERLEY, M.G. Checklist das Spermatophyta do Estado de São Paulo, Brasil. Biota Neotropica, v. 11, p. 193-390, 2011.

WOODWARD, F.I.; DIAMENT, A.D. Functional approaches to predicting the ecological effects of global change. Functional Ecology, v. 5, p. 202-212, 1991.

XAVIER, A.F.; BOLZANI, B.M.; JORDÃO, S. Unidades de Conservação da Natureza no Estado de São Paulo. In: In: SECRETARIA DO MEIO AMBIENTE. Diretrizes para conservação e restauração da biodiversidade no Estado de São Paulo. São Paulo: Secretaria de Estado do Meio Ambiente, 2008.




DOI: http://dx.doi.org/10.5902/1980509821125

Licença Creative Commons