INSELBERG COMO FONTE DE DIVERSIDADE β EM UMA MATRIZ VEGETACIONAL, NO MUNICÍPIO DE COQUEIRAL - MG

Gisele Cristina de Oliveira Menino, Rubens Manoel dos Santos, Daniel Salgado Pifano, Rosângela Alves Tristão Borém, Carlos Alberto Melo de Almeida, Daniel Quedes Domingos, Aline Martins Moreira

Resumo



http://dx.doi.org/10.5902/1980509820649

O presente trabalho objetivou responder a seguinte pergunta: A heterogeneidade ambiental influencia a comunidade arbórea? Para isso avaliou-se a interferência da composição e estrutura da comunidade arbórea localizada em inselberg sobre a comunidade arbórea da matriz na qual o inselberg está inserido. Para isso fez-se uma CCA (análise de correspondência canônica) sobre uma matriz de abundância das espécies de 40 parcelas amostradas em dois fragmentos, um de Floresta Estacional Semidecidual (FES) e outro constituído por mata ciliar, corredor e inselbergs. Foi construído um dendrograma de similaridade para as quatro áreas utilizando o índice de Dice-Sorensen e o método de ligação UPGMA. A análise de espécies indicadoras foi usada para avaliar quais espécies foram características de cada área amostrada. Os autovalores dos dois primeiros eixos foram altos, evidenciando uma forte substituição das espécies. As correlações entre variáveis ambientais e parcelas indicaram a formação de três grupos: o primeiro formado pelas parcelas do fragmento FES, com alto teor de argila; o segundo grupo formado pelas parcelas do corredor e dos inselbergs, que não se separaram tão nitidamente como o primeiro grupo, apresentando uma pequena separação quanto ao teor de matéria orgânica; e o terceiro grupo, formado pelas parcelas da mata ciliar, com alto teor de magnésio, cálcio, soma de bases e saturação de bases, sendo solos de maior fertilidade. Os resultados evidenciaram alta substituição de espécies entre as áreas, indicando que, apesar de ser bem próximas, a presença do inselberg aumentou a heterogeneidade ambiental, o que afeta diretamente a variação, tanto na composição de espécies quanto na estrutura entre as áreas.


Palavras-chave


conservação; substituição de espécies; fragmentos florestais.

Texto completo:

PDF

Referências


BENITES, V. M. et al. Soils associated with rock outcrops in the Brazilian mountain ranges Mantiqueira and Espinhaço. Revista Brasileira de Botânica, São Paulo, v. 30, n. 4, p.569-577, out.-dez. 2007.

BERTANI, D. F. et al. Análise temporal da heterogeneidade florística e estrutural em uma floresta ribeirinha. Revista Brasileira de Botânica, São Paulo, v. 24, n. 1, p.11-23, mar. 2001.

BROWER, J. E.; ZAR, J. H. Field and laboratory methods for general ecology. Dubuque, W.M.C. Brow, 1984.

BUCKLEY, L. B.; JETZ, W. Linking global turnover of species and environments. Proceedings of The National Academy of Sciences of the USA, v. 105, p. 17836-17841, 2008.

CAIAFA, A.; SILVA, A. F. Structural analysis of vegetation on a highland granitic rock outcrop in Southeast Brazil. Revista Brasileira de Botânica, São Paulo, v. 30, n.4, p.657-664, out.-dez. 2007.

CAMARGOS, V. L. et al. Influência de fatores edáficos sobre variações florísticas na floresta Estacional Semidecídua no entorno da Lagoa Carioca, Parque Estadual do Rio doce, MG, Brasil. Acta Botanica Brasilica, São Paulo, v. 22, n. 1, p. 75-84, 2008.

CAO, M.; ZHANG, J. Tree species diversity of tropical forest vegetation in Xishuangbanna, SW China. Biodiversity and Conservation, v. 6, p. 995-1006, 1997.

CARVALHO, D.A. et al. Distribuição de espécies arbóreo-arbustivas ao longo de um gradiente de solos e topografia em um trecho de floresta ripária do Rio São Francisco em Três Marias, MG, Brasil. Revista Brasileira de Botânica, São Paulo, v. 28, p. 329-345, 2005.

COLWELL, R. K. EstimateS: Statistical estimation of species richness and shared species from samples. Version 9. Persistent URL.

CONCEIÇÃO, A. A.; PIRANI, J. R.; MEIRELLES, S. T. Floristics, structure and soil of insular vegetation in four quartzite-sandstone outcrops of “Chapada Diamantina”, Northeast Brazil. Revista Brasileira de Botânica, São Paulo, v. 30, n.4, p. 641-656, 2007.

DENSLOW, J. S. Gap partitioning among tropical rainforest trees. Biotropica, Marburg, v. 12, p. 47-51, 1980.

DUFRÊNE, M.; LEGENDRE, P. Species assemblages and indicator species: the need for a flexible asymmetrical approach. Ecological Monograhs, v. 67, p. 345-366, 1997.

EMBRAPA – Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária. Manual de métodos de análise de solo. Rio de Janeiro, Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária, Centro Nacional de Pesquisa de Solos, 1997.

FAGUNDES, L. M. et al. Florística e estrutura do estrato arbóreo de dois fragmentos de florestas decíduas às margens do rio Grande, em Alpinópois e Passos, MG, Brasil. Acta Botanica Brasilica, São Paulo, v. 21, n. 1, p. 65-78, 2007.

FELFILI, J. M.; REZENDE, R. P. Conceitos e métodos em fitossociologia. Brasília: Universidade de Brasília, Departamento de Engenharia Florestal, Comunicações técnicas florestais 5, 2003, 68p.

FENNER, M. Seedlings. The New Phytologist, v. 106, p. 35-47, 1987.

FERREIRA-JÚNIOR , E. V. et al. Composição, diversidade e similaridade florística de uma floresta tropical semidecídua submontana em Marcelândia – MT. Acta amazônica, Manaus, v. 38, n. 4, p. 673-680, 2008.

FINA, B. G.; MONTEIRO. R. Estudo da estrutura da comunidade arbustivo-arbórea de uma área de cerradão, município de Pirassununga (SP). Neotropical Biology and Conservation, v. 4, n. 1, p. 40-48, jan.-abr. 2009.

FRANÇA, F.; MELO, E.; SANTOS, C. C. Flora de Inselbergs da região de Milagres, Bahia, Brasil: I. Caracterização da vegetação e lista de espécies de dois inselbergs. Sitientibus, Feira de Santana, n. 17, p. 163-184, jul.-dez. 1997.

FREITAS, C. V.; OLIVEIRA, P. E. Biologia reprodutiva de Copaifera langsdorffii Desf. (Leguminosae, Caesalpinioideae). Revista Brasileira de Botânica, São Paulo, v. 25, n. 3, p. 311-321, set. 2002.

GROGER, A.; HUBER, O. Rock outcrop habitats in the Venezuelan Guayana lowlands: their main vegetation types and floristic components. Revista Brasileira de Botânica, São Paulo, v. 30, n. 4, p. 599-609, out.-dez. 2007.

IBAMA. Lista Oficial das Espécies da Flora Brasileira Ameaçadas de Extinção. Diário Oficial. Portaria 006/92-N de 15 de janeiro de 1992.

IMAÑA-ENCINAS J.; MACED, L. A.; PAULA, J. E. Florística e fitossociologia de um trecho da Floresta Estacional Semidecidual na área do ecomuseu do cerrado, em Pirenópolis – Góias. Cerne, Lavras, v. 13, n. 3, p. 308-320, jul.-set. 2007.

JANKOWSKI, J. E. et al. Beta diversity along environmental gradients: implications of habitat specialization in tropical montane landscapes. Journal of Animal Ecology, v. 78, p. 315-327, 2009.

KANIESKI, M. R.; ARAÚJO, A. C. B.; LONGHI, S. J. Quantificação da diversidade em Floresta Ombrófila Mista por meio de diferentes Índices Alfa. Scientia Forestalis, Piracicaba, v. 38, n. 88, p. 567-577, dez. 2010.

LORENZI, H. Árvores brasileiras. Editora Plantarum, Nova Odessa, 1998, 222 p.

MCCUNE, B.; MEFFORD, M. J. PC-ORD version 4.0, multivariate analysis of ecological data, Users guide. Glaneden Beach: MjM Software Design, 1999, 237 p.

MCINTYRE, N. E.; RANGO, J.; FAGAN, W. F.; FAETH, S. H. Ground arthropod community structure in a heterogeneous urban environment. Landscape and Urban Planning, v. 52, p. 257-274, 2001.

MELO, A. S.; RANGEL, T. F. L. V. B.; DINIZ-FILHO, J. A. F. Environmental drivers of beta-diversity patterns in New-World birds and mammals. Ecography, v. 32, p. 226-236, 2009.

MICHAEL, D. R.; CUNNINGHAM, R. B.; LINDENMAYER, D. B. The social elite: Habitat heterogeneity, complexity and quality in granite inselbergs influence patterns of aggregation in Egernia striolata (Lygosominae: Scincidae). Austral Ecology, v. 35, n. 8, p. 862–870, 2010.

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE. Biodiversidade Brasileira: Avaliação e Identificação de Áreas e Ações Prioritárias para Conservação, Utilização Sustentável e Repartição de Benefícios da Biodiversidade Brasileira. Brasília, MMA/SBF, 2002.

MORENO,C. E.; HALFFTER,G. Spatial and temporal analysis of alfa, beta and gama diversities of bats in a fragmented landscape. Biodiversity and Conservation, v.10, p. 367-382, 2001.

MUELLER-DOMBOIS, D.; ELLEMBERG, H. Aims and Methods of Vegetation Ecology. New York, John Wiley & Sons, 1974.

NEGRELLE, R. R. B.; LEUCHTENBERGER, R. Composição e estrutura do componente arbóreo de um remanescente de floresta ombrófila mista. Revista Floresta, Paraná, v. 31, 1974.

OLIVEIRA FILHO, A. T. et al. Effect of flooting regime and understorey bomboos on the physionomy and tree species composition of a tropical semideciduous forest in southeastern Brazil. Vegetatio, v.113, p. 99-124, 1994.

OLIVEIRA FILHO, A. T.; RATTER, J. A. Padrões florísticos das Matas ciliares da Região do Cerrado e a Evolução das Paisagens do Brasil Central durante o Quaternário Tardio. In: RODRIGUES, R. R; LEITÃO FILHO, H. F. (eds). Matas ciliares: conservação e recuperação: 73-89. Second edition. São Paulo, Editora da Universidade de São Paulo, Fapesp, 2009.

POREMBSKI, S. et al. Diversity and ecology of saxicolous vegetation mats on inselbergs in the Brazilian Atlantic Rainforest. Biodiversity Research, v. 4, p. 107-119, 1998.

POREMBSKI, S. Tropical inselbergs: habitat types, adaptative strategies and diversity patterns. Revista Brasileira de Botânica, São Paulo, v. 30, n. 4, p. 579-586, out.-dez. 2007.

POREMBSKI, S.; BARTHLOTT, W. Inselbergs: Biotic Diversity of Isolated Rock Outcrops in Tropical and Temperate Regions. Berlin: Ecological Studies 146, Springer-Verlag, 2000.

RIBEIRO, K.T.; MEDINA, B. M. O.; SCARANO, F. R. Species composition and biogeographic relations of the rock outcrop flora on the high plateau of Itatiaia, SE-Brazil. Revista Brasileira de Botânica, São Paulo, v. 30, n. 4, p. 623-639, 2007.

RIZZINI, C. T. Tratado de fitogeografia do Brasil: aspectos ecológicos, sociológicos e florísticos. Âmbito Cultural Edições Ltda, Rio de Janeiro, 1997.

RODRIGUES, L. A. et al. Efeitos de solos e topografia sobre a distribuição de espécies arbóreas em um fragmento de floresta estacional semidecidual, em Luminárias, MG. Revista Árvore, Viçosa, v. 31, n. 1, p. 25-35, 2007.

SCARANO, F.R. Rock outcrop vegetation in Brazil: a brief overview. Revista Brasileira de Botânica, São Paulo, v. 30, n. 4, p. 561-568, out.-dez. 2007.

SHMIDA, A.; WILSON, M. V. Biological determinants of species diversity. Journal of Biogeography, v.12, p.1-20, 1985.

SHEPHERD, G.J. Fitopac 1.6: Manual do usuário. Unicamp, 2006.

TER BRAAK, C. J. F. The analysis of vegetation-environment relationship by canonical correspondence analysis. Vegetatio, v. 69, p. 69-77, 1987.

TER BRAAK, C. J. F. CANOCO- A FORTRAN program for canonical community ordination by (Partial) (Detrended) (Canonical) correspondence analysis and redundancy analysis, version 2.1. Technical report LWA-88-2, TNO, Wageningen, Intitute of Applied Computer Science, 1988.

TER BRAAK, C. J. F. Ordination. In: JONGMAN, R. H. G.; Ter Braak, C. J. F.; VAN TONGEREN, O. F. R. (eds). Data analysis in community and landscape ecology: 91-173. Cambridge University Press, Cambridge, 1995.

VEIGA JUNIOR, V.F.; PINTO, A. C. O gênero Copaifera L. Química Nova, v. 25, n. 2, p. 273-286, 2002.

VIANA, V. M.; PINHEIRO, L. A. F. V. Conservação da biodiversidade em fragmentos florestais. Série Técnica IPEF, Piracicaba, v. 12, n. 32, p. 25-42, dez. 1998.

VILELA, E. A.; RAMALHO, M. A. P. Análise das temperaturas e precipitações pluviométricas de Lavras - MG. Ciência e Prática, v. 3, p. 71-79, 1979.

WHITTAKER, R. J.; WILLIS, K. J.; FIELD, R. Scale and species richness: towards a general, hierarchical theory of species diversity. Journal of Biogeography, v.28, p. 453-470, 2001.

ZAR, J. H. Biostatistical analysis. 3a ed. Prentice Hall, New Jersey, 1996.




DOI: http://dx.doi.org/10.5902/1980509820649

Licença Creative Commons