COMPORTAMENTO ESPECTRAL DE FOLHAS DE Eucalyptus globulus (Labill.) ATACADAS POR Mycosphaerella spp. NAS REGIÕES DO VISÍVEL E DO INFRAVERMELHO PRÓXIMO DO ESPECTRO ELETROMAGNÉTICO

Diogo Belmonte Lippert, Ana Caroline Paim Benedetti, Marlove Fatima Brião Muniz, Rudiney Soares Pereira, Carlos Alberto Biernaski Junior, Elder Finkenauer, Elias Fernando Berra

Resumo


http://dx.doi.org/10.5902/1980509817479

O trabalho tem como objetivo analisar o comportamento espectral de folhas de Eucalyptus globulus atacadas em quatro diferentes níveis de severidade pelo fungo Mycosphaerella spp. em diferentes posições na copa da árvore, nas quatro estações climáticas, considerando duas regiões do espectro eletromagnético: visível e infravermelho próximo. Foram realizadas coletas de material vegetativo em todas as estações climáticas, em diferentes posições na árvore (base, meio e extrato superior da copa). Em laboratório, as folhas foram classificadas em quatro níveis de severidade (sadio, pouco, medianamente e muito atacado) e posteriormente efetuadas as medidas de reflectância espectral com auxílio de um espectrorradiômetro. O comportamento espectral das folhas de Eucalyptus globulus é característico de acordo com o nível de severidade da doença, diferindo dos demais principalmente em altos níveis de infecção por Mycosphaerella spp. e diferenciam-se principalmente de folhas sadias e de folhas pouco atacadas, em ambas as regiões do espectro eletromagnético, esse comportamento ocorre para as diferentes posições da copa e estações climáticas variando a quantidade de energia refletida. Conclui-se que a reflectância das folhas de Eucalyptus globulus atacadas por Mycosphaerella spp. difere de acordo com a posição na copa da árvore e a estação climática em que foram coletadas e níveis avançados da severidade da doença.


Palavras-chave


epidemiologia; nível de severidade; espectrorradiometria; reflectância foliar.

Texto completo:

PDF

Referências


AGRIOS, G. N. Plant Pathology. 5. ed. San Diego: Academic Press, 2005. 948 p.

ALFENAS, A. C. et al. Clonagem e doenças do eucalipto. 2. ed. Viçosa: Ed. UFV, 2009. 500 p.

BARRICHELO, L. E. G.; FOELKEL, C. E. B. Estudos para produção de celulose sulfato de seis espécies de eucalipto. IPEF, v. 1, n. 12, p. 77-95, 1976.

CARTER, G. A. Responsesof leaf spectral reflectance to plant stress. American Journal of Botany, v. 80, n. 3, p. 2310-2343, 1994.

CROUS, P. W. et al. Phylogenetic reassessment of Mycosphaerellaspp.and their anamorphs occurring on Eucalyptus.Studies in Mycology, v. 1, n. 50, p. 195-214, 2004.

DATT, B. Remote sensing of chlorophyll a, chlorophyll b, chlorophyll a+b, and total carotenoid content in Eucalyptus leaves.Remote Sensing of Environment, v. 1, n. 66, p.111-121, 1998.

GUYOT, G. Optical properties of vegetation canopies. In: STEVEN, M. D.; CLARK, J. A. Aplications of remote sensing in agriculture. London: Butterworths, 1990. p. 19-43.

HATCHELL, D. C. Analytical Spectral Devices (ASD): Technical Guide. USA: Bolder, 4th ed., 1999. 136 p.

JENSEN, J. R. Sensoriamento Remoto do Ambiente: uma perspectiva em recursos terrestres.. São José dos Campos: Parêntese, 2009. 598 p.

KOBAYASHI, T. et al. Detection of rice panicle blast with multispectral radiometer and the potential of using airborne multispectral scanners. Phytopathology, v. 1, n. 91, p. 316-323, 2001.

MOREIRA, M. A. Fundamentos do sensoriamento remoto e metodologias de aplicação. 3. ed. atual. ampl. Viçosa: UFV, 2007. 320 p.

NILSSON, H. E. Remote sensing and image analysis in plant pathology. Annual Review of Phytopathology, v. 1, n. 15, p. 489-527, 1995.

PÉREZ, C. A. et al. Mycosphaerellaceae and Teratosphaeriaceae associated with Eucalyptus leaf diseases and stem cankers in Uruguay. Blackwell Verlag, v. 1, n. 39, p. 349-360, 2009.

PIETRZYKOWSKI, E.New tools for determining incidence and severity of Mycosphaerella Leaf Disease in Eucalypt plantations.2007. 210 f. Thesis (Doctor of Philosophy) - School of Agricultural Science, University of Tasmania, Australia, 2006.

PONZONI, F. J. Comportamento espectral da vegetação. In: MENESES, R.; MADEIRA NETTO, J. S. Sensoriamento Remoto: reflectância dos alvos naturais. Brasília: UNB, Planaltina: EMBRAPA Cerrados, 2001. p. 157-199.

PONZONI, F. J.; SHIMABUKURO, Y. E. Sensoriamento remoto no estudo da vegetação. São Jose dos Campos: Parêntese, 2010. 127 p.

REIS, G. M.; RIBEIRO JÚNIOR, J. I. Ferramentas Estatísticas Básicas da Qualidade - guia prático do R. 2007. Disponível em: http://www.estatísticanor.xpg.com.br. Acesso em: 15 dez. 2010.

SALGADO, C. L.; AMORIM, L. Sintomatologia. In: BERGAMIN FILHO, A.; KIMATI, H.; AMORIM, L. Manual de Fitopatologia: princípios e conceitos. São Paulo: Agronômica Ceres, 1995. v. 1, p. 212-223.

STEDDOM, K. et al. Comparison of visual and multispectral radiometric disease evaluations of Cercospora leaf spot of sugar beet. Plant Disease, v. 1, n. 89, p.153-158, 2005.

TUCKER, C. J. A comparison of satellite sensors for monitoring vegetation. Photogrammetric. E. R., v. 1, n. 44, p. 1369-1380, 1978.




DOI: https://doi.org/10.5902/1980509817479

Licença Creative Commons