A figura do asceta em "O mundo como vontade e como representação"

Ângela Lima Calou

Resumo


O presente texto assume por escopo expor, em linhas gerais, a reflexão schopenhaueriana acerca do ascetismo, de modo a assinalar o lugar dado à figura do asceta no processo de negação da vontade, tendo por base a obra O mundo como vontade e como representação (1818). Para tanto, em um primeiro momento, busca-se apresentar a visão trágica do existente segundo Schopenhauer, uma vez que a efetivação de uma existência ascética depende do conhecimento intuitivo da essência da representação. Em um segundo ponto, passa-se à tematização do ascetismo enquanto outra margem que se apresenta à vida como doença – qual seja, aquela que afirma cega ou mesmo conscientemente o querer viver e, portanto, resvala, irrecuável, no sofrimento. Por fim, assinala-se a dificuldade inerente à reflexão sobre o ascetismo como cume da vida ética enquanto processo de negação da vontade.


Palavras-chave


Ascetismo; Sofrimento; Schopenhauer; Negação da vontade

Texto completo:

PDF

Referências


BAUDELAIRE, Charles. As flores do mal. Tradução: Ivo Junqueira. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1985.

DELEUZE, G. & GUATTARI, F. O Anti-Édipo. Rio de Janeiro: Imago, 1976.

FRANK, Joseph. Dostoiévski: os anos de provação, 1850-1859. São Paulo: Edusp, 1999.

HABERMAS, Jürgen. O discurso filosófico da modernidade. Tradução: Luis Sérgio Repa e Ródnei Nascimento. São Paulo: Martins Fontes, 2002.

NIETZSCHE, F. Genealogia da moral: uma polêmica. Tradução:

Paulo César de Souza. São Paulo: Companhia das letras, 1998.

MORANO, Guillaume. Schopenhauer pas à pas. Paris: Ellipses, 2010.

ROGER, Alain. Le vocabulaire de Schopenhauer. Paris: Ellipses Édition, 1999.

ROSSET, Clémont. Schopenhauer, philosophe de l’absurde. 2 ed. Paris: Quadrige/Presse Universitaires de France, 1994.

SALVIANO, Jarlee. O Niilismo de Schopenhauer. São Paulo: Universidade de São Paulo, 2001. (Dissertação de mestrado).

SALVIANO, Jarlee. Labirintos do nada: a crítica de Nietzsche ao niilismo de Schopenhauer. São Paulo: Edusp, 2013.

SCHOPENHAUER, Arthur. O mundo como vontade e representação: III parte; Crítica da filosofia kantiana; Parerga e Paralipomena, capítulos V, VIII, XII, XIV. Tradução Wolfgang Leo Maar e Maria Lúcia Cacciola. (Os pensadores). 5. São Paulo: Nova Cultural, 1991.

SCHOPENHAUER, Arthur. Sobre o fundamento da moral. Tradução: Maria Lucia Mello Oliveira Cacciola. São Paulo: Martins Fontes, 1995.

SCHOPENHAUER, Arthur. O mundo como Vontade e como Representação. Tradução: Jair Barboza. 2 ed. São Paulo: UNESP, 2013.




DOI: https://doi.org/10.5902/2179378634898

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2018 Voluntas: Revista Internacional de Filosofia

Licença Creative Commons

Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-Não Comercial-Compartilha Igual 4.0 Internacional.