A ética trágica de Schopenhauer

Theo Machado Fellows

Resumo


Nosso objetivo, neste artigo, é lançar um olhar sobre a singular interpretação que Schopenhauer empreende acerca da tragédia e compreender como esta interpretação está diretamente associada ao modelo ético proposto em sua principal obra, O mundo como vontade e como representação, a ponto de podermos dizer que a ética schopenhaueriana é, em última análise, uma ética trágica. Para chegarmos à interpretação schopenhaueriana, no entanto, teremos que mapear, de modo sucinto, o percurso que leva à apropriação da tragédia pela filosofia, para então chegarmos à leitura de Schopenhauer.

Palavras-chave


Estética; tragédia; ética

Texto completo:

PDF

Referências


MACHADO, Roberto. Nascimento do trágico. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 2006.

NIETZSCHE, Friedrich. Nascimento da tragédia. 2ª ed. Trad. Paulo César de Souza. São Paulo: Companhia das Letras, 1996.

SCHELLING, Friedrich. “Cartas sobre o dogmatismo e o criticismo”, In: Obras escolhidas. São Paulo: Nova Cultural, 1989.

SCHOPENHAUER, Arthur. O mundo como vontade e como representação. Trad. Jair Barboza. São Paulo: Ed. UNESP, 2005.

SÓFOCLES, “Édipo em Colono”, In: A trilogia tebana. Trad. Mário da Gama Kury. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 1993.

SZONDI, Peter. Ensaio sobre o trágico. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 2001. TAMINIAUX, Jacques. Le théâtre des philosophes, Grenoble: Jérome Millon, 1995.

VERNANT, Jean-Pierre, VIDAL-NAQUET, Pierre. Mito e Tragédia na Grécia Antiga. São Paulo: Perspectiva, 1999.




DOI: http://dx.doi.org/10.5902/2179378634111

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2011 Voluntas: Revista Internacional de Filosofia

Licença Creative Commons

Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-Não Comercial-Compartilha Igual 4.0 Internacional.