"Tristão e Isolda", de Carl Dahlhaus: Um breve comentário e uma tradução

Sidnei de Oliveira

Resumo


Desde a estreia da ópera Tristão e Isolda, em 10 de Junho de 1865, muitos historiadores, musicólogos e críticos musicais escreveram inúmeros artigos e livros sobre o drama wagneriano. Devido à grande importância musical e composicional que Wagner atribuiu à referida ópera, a discussão estética e filosófica ganhou grande repercussão. Dahlhaus, no artigo “Tristão e Isolda”, discorreu sobre a filosofia, a música, o drama e a Handlung (ação) wagneriana. Logo, é possível observar no texto a consideração que muitos têm em relação a um dos principais dramas de Wagner. A partir dessa importância, teço um breve comentário sobre o texto de Dahlhaus, aproximando sua análise da filosofia de Schopenhauer e, em seguida, apresento a tradução do artigo.

Palavras-chave


Wagner; Leitmotiv; Drama; Handlung; Harmonia

Texto completo:

PDF

Referências


DAHLHAUS, Carl; EGGEBRECHT, Hans Heinrich. Que é a música? Trad. Arthur

Mourão. Edições Texto & Grafia LTDA, 2009.

DAHLHAUS, Carl. Richard Wagners Musikdramen. Stuttgart: Reclam, 2011.

SCHOPENHAEUR, Arthur. Die Welt als Wille und Vorstelung II. In: Sämtliche Werke. Band II. Arbeitsgemeinschaft. Stuttgart/Frankfurt am Main: Cotta – Insel, 1960




DOI: http://dx.doi.org/10.5902/2179378633922

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2014 Voluntas: Revista Internacional de Filosofia

Licença Creative Commons

Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-Não Comercial-Compartilha Igual 4.0 Internacional.