ASPECTOS PENAIS E REGULATÓRIOS DA VENDA DE MEDICAMENTOS SEM REGISTRO

Thiago Bottino, Alexandre Ortigão Sampaio Buarque Schiller

Resumo


Este ensaio tem por objetivo tratar dos aspectos penais e regulatórios da venda de medicamentos sem registro no Brasil, tipificado no artigo 273, § 1º-B, do Código Penal, pela Lei nº 9.677/1998, chamada “Lei dos Remédios”, através de uma investigação analítica, com base numa pesquisa jurídico-teórica pelo método indutivo, da legislação e da jurisprudência dos Tribunais Superiores. Diante da controvérsia que se alonga há aproximadamente vinte anos quanto à razoabilidade do tipo penal e da sua constitucionalidade, já declarada pelos Superior Tribunal de Justiça e Supremo Tribunal Federal, a questão que se propõe, neste trabalho, é de fazer um contraponto à restrição imposta pelo legislador à produção e comercialização de medicamentos sem registro no Brasil com o entendimento adotado pelo Judiciário no que toca à necessidade de fornecimento e custeio, pelo Estado, de medicamentos que ainda não possuem registro na Anvisa. Ao final, pretende-se questionar a sobreposição do direito penal à regulação da Agência Nacional de Vigilância Sanitária.


Palavras-chave


Reflexos penais da regulação. Comercialização de medicamentos. Registro de medicamentos. Crimes de perigo e dano. Interpretação conforme a constituição.

Texto completo:

PDF

Referências


AGUADO CORREA, Teresa. El principio de proporcionalidad en Derecho Penal. Madrid: Edersa; 1999, p. 394.

BOTTINI, Pierpaolo Cruz. In Crimes de Perigo Abstrato e Princípio da Precaução na Sociedade de Risco, São Paulo: Revistas dos Tribunais. 2007. p. 120/121.

BOTTINI, Pierpaolo. Crimes de Perigo Abstrato e Princípio da Precaução na Sociedade de Risco, São Paulo: Revistas dos Tribunais. 2007. p. 231/232.

BRASIL, Decreto nº 2.848, de 7 de dezembro de 1940. Institui o Código Penal. In: Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 31 dez. 1940. Disponível em http://www.planalto.gov.br, artigo 273. Acesso em 8 mai. 2018.

BRASIL, Lei nº 6.360, de 23 de setembro de 1976, que Dispõe sobre a Vigilância Sanitária a que ficam sujeitos os Medicamentos, as Drogas, os Insumos Farmacêuticos e Correlatos, Cosméticos, Saneantes e Outros Produtos. In: Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 24 set. 1976. Disponível em http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l6360.htm?TSPD_101_R0=827811d9dba6b3420f0cdafd692d9c14a190000000000000000ae8a3cbdffff00000000000000000000000000005af1b38d00a8b5ba78 Acesso em 8 mai. 2018.

BRASIL, Lei nº 11.343, de 23 de agosto de 2006. Dispõe sobre o Sistema Nacional de Políticas Públicas sobre Drogas - Sisnad; prescreve medidas para prevenção do uso indevido, atenção e reinserção social de usuários e dependentes de drogas; estabelece normas para repressão à produção não autorizada e ao tráfico ilícito de drogas; define crimes e dá outras providências. In: Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 24 ago. 2006. Disponível em http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2004-2006/2006/lei/l11343.htm Acesso em 8 mai. 2018.

BRASIL, Lei nº 6.437, de 20 de agosto de 1977. Configura infrações à legislação sanitária federal e estabelece as sanções respectivas, e dá outras providências. In: Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 24 ago. 1977. Disponível em http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l6437.htm?TSPD_101_R0=1c6de2098e2f3f605c0957c2f3aa1a71c5C0000000000000000ae8a3cbdffff00000000000000000000000000005af11f6b00ef33db7e Acesso em 8 mai. 2018.

BRASIL, Lei nº 9.782, de 26 de janeiro de 1999. Dispõe sobre o Sistema Nacional de Vigilância Sanitária, cria a Agência Nacional de Vigilância Sanitária, e dá outras providências. In: Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 27 jan. 1999. Disponível em http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9782.htm?TSPD_101_R0=4ac3c8e7fdac0120ab1441acbe46b55dlD60000000000000000ae8a3cbdffff00000000000000000000000000005af12be900f13ac244 Acesso em 8 mai. 2018.

Brasil, Projeto de Lei nº 4535, de 21 de maio de 1998. Disponível em: http://www.camara.gov.br/proposicoesWeb/fichadetramitacao?idProposicao=25675. Acesso em 25 out. 2017.

BRASIL, Senado Federal. Informação do Senado-Notícias. Disponível em https://www12.senado.leg.br/noticias/materias/2016/03/09/necessidade-de-agilizar-registro-de-medicamentos-e-consenso-em-debate-na-cas Acesso em 8 mai. 2018.

BRASIL, Supremo Tribunal Federal, Decisão Monocrática do Ministro Marco Aurélio no processo nº 657.718/MG. Disponível em: http://www.stf.jus.br/portal/jurisprudenciaRepercussao/verPronunciamento.asp?pronunciamento=3815705&tip=manifestacao Acesso em 8 mai. 2018.

BRASIL, Supremo Tribunal Federal. ADI 5501 MC, Relator Min. MARCO AURÉLIO, Tribunal Pleno, julgado em 19/05/2016, DJe-168 PUBLIC 01-08-2017. Disponível em http://portal.stf.jus.br/processos/downloadPeca.asp?id=312214682&ext=.pdf Acesso em 8 mai. 2018.

BRASIL, Supremo Tribunal Federal. Suspensão de Segurança nº 4.316/RO, Relator Ministro Presidente Cezar Peluso, apreciado em 7 de junho de 2011. Decisão disponível em http://stf.jus.br/portal/processo/verProcessoTexto.asp?id=3000680&tipoApp=RTF Acesso em 8 mai. 2018.

BRASIL, Supremo Tribunal Federal. Suspensão de Segurança nº 5.192/RO, Relatora Ministra Presidente Carmén Lúcia, apreciado em 16 de agosto de 2017. Decisão disponível em http://stf.jus.br/portal/processo/verProcessoPeca.asp?id=312439101&tipoApp=.pdf Acesso em 8 mai. 2018.

BRASIL, Supremo Tribunal Federal. Voto do Ministro Luís Roberto Barroso. Disponível em http://www.luisrobertobarroso.com.br/wp-content/uploads/2016/10/RE-657718-Medicamentos-sem-regis tro-Anvisa-versão-final.pdf. Acesso em 28 nov. 2017.

BRASIL, Tribunal de Contas da União. Relatório de Auditoria do Tribunal de Contas da União nº 009.253/2015-7, Ministério da Saúde, de Relatoria do Ministro Bruno Dantas. Disponível em: https://contas.tcu.gov.br/etcu/AcompanharProcesso?p1=9253&p2=2015&p3=7. Acesso em 20 out. 2017.

BRASIL, Tribunal de Justiça de São Paulo. Ementa do acórdão de nº 9140356-92.2000.8.26.0000 (993.00.099021-0).

BRASIL. ANVISA. Portaria nº 344, de 12 de maio de 1998. Aprovou o Regulamento Técnico sobre substâncias e medicamentos sujeitos a controle especial. In: Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 31 dez. 1998. Disponível em: http://www4.anvisa.gov.br/base/visadoc/port/port[939-2-0].htm . Acesso em 28 out. 2017.

BRASIL. Superior Tribunal de Justiça, HC 239.363/PR, Rel. Ministro SEBASTIÃO REIS JÚNIOR, SEXTA TURMA, julgado em 19/11/2012, DJe 18/12/2012. Disponível em https://ww2.stj.jus.br/processo/revista/inteiroteor/?num_registro=201200764901&dt_publicacao=18/12/2012 Acesso em 8 mai. 2018.

BRASIL. Superior Tribunal de Justiça. AgInt no AREsp 405.126/DF, Primeira Turma, Rel. Ministro Gurgel de Faria, julgado em 20/09/2016. Disponível em http://www.stj.jus.br/SCON/jurisprudencia/doc.jsp?livre=405126&b=ACOR&p=true&l=10&i=3 Acesso em 8 mai. 2018.

BRASIL. Supremo Tribunal Federal, RE nº 829226 AgR, Relator Min. Luiz Fux, Primeira Turma, julgado em 10/02/2015, DJe-043 Public 06/03/2015, Disponível em http://portal.stf.jus.br/processos/downloadTexto.asp?id=3745332&ext=RTF Acesso em 8 mai. 2018.

BRASIL. Supremo Tribunal Federal, RE nº 971187 AgR, Relator Min. Teori Zavascki, Segunda Turma, julgado em 07/10/2016, DJe-228 Public 26/10/2016 Disponível em http://portal.stf.jus.br/processos/downloadPeca.asp?id=310595879&ext=.pdf Acesso em 8 mai. 2018.

FARIA, Antônio Celso Campos de Oliveira. A vulgarização do crime hediondo. IBCC. Boletim nº 71, de Outubro de 1998.

FRAGOSO, Heleno. Lições de Direito Penal, São Paulo: José Bushatsky Editor, 1959, v. 3, p. 701.

GRECO, Luís. Princípio da ofensividade e crimes de perigo abstrato – uma introdução ao debate sobre o bem jurídico e as estruturas do delito. Revista Brasileira de Ciências Criminais: RBCCrim, v. 12, n. 49, p. 89-147, jul./ago. 2004.

GUIMARÃES, Luís Paulo Cotrim. Penas descalibradas e leis nascidas do casuísmo exigem malabarismo de juízes. Revista Consultor Jurídico. 2014.

Informativo nº 841 do Supremo Tribunal Federal de 10 de outubro de 2016. Disponível em: http://www.stf.jus.br/arquivo/informativo/documento/informativo841.htm. Acesso em mai. 2018.

KOERNER, Andrei. Desordem Legislativa, Distribuição de Poder e Desigualdade Social - Reflexões a Propósito da Lei nº 9.677, de 2 de Julho de 1998. INSTITUTO BRASILEIRO DE CIÊNCIAS CRIMINAIS – IBBCC, Boletim nº 71, de Outubro de 1998.

NASCIMENTO, Elisa Gattás Fernandes do. Contrafação de Medicamentos: uma análise sob a ótica da saúde pública. Ciências Penais | vol. 15/2011 | p. 105 - 132 | Jul - Dez / 2011. DTR20115213.

NUCCI, Guilherme de Souza. Manual de Direito Penal. 7ª edição. São Paulo: Revista dos Tribunais. p. 944.

PASCHOAL, Janaina Conceição. A falsificação de remédios, a combinação de normas e a importação de medicamento. IBCCRIM. Boletim - 234 - Maio /2012.

PRADO, Luiz Regis. Curso de Direito Penal Brasileiro. Volume 3. Parte Especial. 6a Edição. São Paulo: Revista dos Tribunais. 2010. p. 139/140.

REALE JUNIOR, Miguel. A inconstitucionalidade da lei dos remédios. RT. São Paulo. a. 88. v. 763. p. 415, maio 1999.

ROXIN, Claus. Derecho Penal: Parte General, Tomo I, p. 407.

SILVA FRANCO, Alberto. Crimes Hediondos. 4a Edição. São Paulo: Revistas dos Tribunais, 2000.

SILVEIRA, Renato de Mello Jorge. Novas Considerações Quanto à Proteção Penal da Saúde Pública, em Doutrinas Essenciais de Direito Penal Econômico e da Empresa. Vol. 3. Julho de 2011. p. 1185/1193.




DOI: http://dx.doi.org/10.5902/1981369432592

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2019 Revista Eletrônica do Curso de Direito da UFSM

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.

REVISTA ELETRÔNICA DO CURSO DE DIREITO DA UFSM - Qualis A1

RECDUFSM  /  ISSN 1981-3694   /  Digital Object Identifier (DOI): 10.5902/19813694  http://periodicos.ufsm.br/revistadireito

Revista Qualis A1 área de Direito /  Classificações de Periódicos Quadriênio 2013-2016 (CAPES)