A NECESSIDADE DE COMPATIBILIZAÇÃO DA COISA JULGADA NAS AÇÕES COLETIVAS: CONTRIBUIÇÃO DO NOVO CPC

Elaine Harzheim Macedo, Leandro Pamplona

Resumo


A coisa julgada, direito fundamental garantido no art. 5º, inciso XXXVI, da Constituição republicana, foi construída ao longo dos séculos para servir ao processo subjetivo individual com vistas ao dogma da segurança jurídica, não perdendo sua contemporaneidade porque os conflitos individuais continuam presentes na sociedade, clamando pela intervenção do Poder Judiciário. Contudo, o fenômeno dos conflitos coletivos e dos conflitos repetitivos, produto de uma sociedade em que o individual cede espaço ao coletivo, passam a exigir do Estado novos enfrentamentos, através de suas funções legislativa e jurisdicional. Temas como efeitos negativos e positivos, limites subjetivos e objetivos da coisa julgada reclamam compatibilização nas ações coletivas. O novo CPC, voltado para a composição do conflito subjetivo individual, adentra nesta seara, especialmente ao regular as ações pseudoindividuais, que têm por fundamento conflitos coletivos ou conflitos individuais homogêneos, estabelecendo uma ponte de comunicação entre o processo civil individual e o coletivo.


Texto completo:

PDF

Referências


ALVIM, Arruda. Manual de direito processual civil. São Paulo: RT, 2012.

ALVIM, José Eduardo Carreira. Teoria Geral do Processo. Rio de Janeiro: Forense, 2011.

BARBOSA MOREIRA. José Carlos. Eficácia da sentença e autoridade da coisa julgada. In: Temas de direito processual. São Paulo: Saraiva, 1984.

BASTOS, Celso Ribeiro; MARTINS, Ives Gandra. Comentários à Constituição do Brasil. Vol. 2. São Paulo: Saraiva, 2001.

BERIZONCE, Roberto Omar. Bases para actualizar el Codigo modelo Processual Civil para Iberoamerica. In: Processo coletivo e outros temas de direito processual. Porto Alegre: Livraria do Advogado, 2012.

BONAVIDES, Paulo. Curso de Direito Constitucional. São Paulo: Malheiros, 2011.

CANOTILHO, José Joaquim Gomes; MOREIRA, Vital. Constituição da Republica Portuguesa Anotada. Coimbra: Coimbra editores, 1993.

CAPPELLETTI, Mauro.; GARTH, Bryant. Acesso à justiça. Trad. Ellen Gracie Northfleet. Porto Alegre: Sergio Antonio Fabris, 1988.

CHIOVENDA, Giuseppe. Instituições de Direito Processual Civil. Trad. J. Guimarães Menegale. Vol. I. São Paulo: Saraiva & Cia, 1942.

CINTRA, Antonio Carlos de Araújo; GRINOVER, Ada Pellegrini; DINAMARCO, Cândido Rangel. Teoria Geral do Processo. São Paulo: Malheiros, 2011.

COUTURE, Eduardo J. Fundamentos do Direito Processual Civil. São Paulo: RED Livros, 1966.

CUNHA JÚNIOR, Dirley da. Curso de Direito Constitucional. Salvador: JusPodivm. 2011.

DAVID, René. Os grandes sistemas do Direito contemporâneo. São Paulo: Martins Fontes, 2002.

DIDIER JR, Fredie; ZANETI JR, Hermes. Curso de Direito Processual Civil. Vol. 4. Salvador: JusPodivmp, 2010.

DONIZETTI, Elpídio. Novo Código de Processo Civil Comentado. São Paulo: Atlas, 2015.

DONIZETTI, Elpídio; CERQUEIRA, Marcelo Malheiros. Curso de processo coletivo. São Paulo: Atlas, 2010.

FERREIRA, Rony. Coisa julgada nas ações coletivas. Porto Alegre: Safe, 2004.

GIDI, Antonio. Coisa julgada e litispendência em ações coletivas. São Paulo: Saraiva, 1995.

GIDI, Antonio. Rumo ao código de processo civil coletivo: a codificação das ações coletivas no Brasil. Rio de Janeiro: GZ, 2008.

GRINOVER, Ada Pellegrini. O processo em evolução. Rio de Janeiro: Forense. 1996.

GRINOVER, Ada Pellegrini. O projeto de lei brasileira sobre processos coletivos. In: Processo coletivo e outros temas de direito processual. Porto Alegre: Livraria do Advogado, 2012.

GRINOVER, Ada Pellegrini; WATANABE, Kazuo; MULLENIX, Linda. Os processos coletivos nos países da Civil Law e Common Law. São Paulo: RT, 2011.

LEAL, Márcio Flávio Mafra. Ações coletivas: História, teoria e prática. Porto Alegre: Fabris, 1998.

LEONEL, Ricardo de Barros. Manual do processo coletivo. São Paulo: RT, 2013.

LIEBMAN, Enrico Tullio. Manual de Direito Processual Civil. Vol. III. Tocantins: Intelectos, 2003.

MACEDO, Elaine Harzheim. Jurisdição e processo: crítica histórica e perspectivas para o terceiro milênio. Porto Alegre: Livraria do Advogado Ed., 2005.

MACEDO, Elaine Harzheim; MACEDO, Fernanda dos Santos. O direito processual civil e a pós-modernidade. Revista de Processo, vol. 204, São Paulo: Editora Revista dos Tribunais, fevereiro de 2012, p. 351-367.

MACEDO, Elaine Harzheim; VIAFORE, Daniele. A decisão monocrática e a numerosidade no Processo Civil brasileiro. Porto Alegre: Livraria do Advogado Editora, 2015.

MANCUSO, Rodolfo de Camargo. Jurisdição coletiva e coisa julgada. São Paulo: RT, 2012.

MARINONI, Luiz Guilherme. Coisa julgada inconstitucional. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2010.

MARINONI, Luiz Guilherme; ARENHART, Sérgio Cruz; MITIDIERO, Daniel. Novo código de processo civil comentado. São Paulo: RT, 2015.

MARINONI, Luiz Guilherme; ARENHART, Sérgio Cruz; MITIDIERO, Daniel. Novo curso de processo civil. Vol. 2. São Paulo: RT, 2015.

MARINONI, Luiz Guilherme;; ARENHART, Sérgio Cruz. Manual do Processo de Conhecimento. São Paulo: RT, 2005.

MAZZILLI, Hugo Nigro. A defesa dos interesses difusos em juízo. São Paulo: Saraiva, 2000.

MENDES, Gilmar Ferreira; COELHO, Inocêncio Mártires; BRANCO, Paulo Gustavo Gonet. Curso de Direito Constitucional. São Paulo: Saraiva, 2008.

MITIDIERO, Daniel; ALVARO DE OLIVEIRA, Carlos Alberto. Curso de Processo Civil. Vol. 2. São Paulo: Atlas, 2012.

NEVES, Daniel Amorim Assumpção. Manual de direito processual civil. Rio de Janeiro: Forense, 2015.

PAIS DE AMARAL, Jorge Augusto. Direito Processual Civil. Coimbra: Almedina, 2001.

PORTO, Sérgio Gilberto. Coisa julgada civil. São Paulo: RT, 2006.

SANTOS, Ernani Fidélis dos. Manual de Direito Processual Civil. Vol. 1. São Paulo: Saraiva, 2006.

SANTOS, Moacyr Amaral. Primeiras linhas de direito processual civil. Vol. 3. São Paulo: Saraiva, 1998.

SARLET, Ingo Wolfgang. A eficácia dos direitos fundamentais. Porto Alegre: Livraria do Advogado, 2008.

SARLET, Ingo Wolfgang; MARINONI, Luiz Guilherme; MITIDIERO, Daniel. Curso de Direito Constitucional. São Paulo: RT, 2012.

SCHÖNKE, Adolf. Direito Processual Civil. Atual. Afonso Celso Rezende. Campinas: Romana, 2003.

SILVA, Ovídio A. Baptista da. Processo e ideologia: o paradigma racionalista. Rio de Janeiro: Forense, 2006.

SILVA, Ovídio A. Sentença e coisa julgada. Rio de Janeiro: Forense, 2003.

SILVA, Ovídio A. Jurisdição e execução na tradição romano-canônica. São Paulo: Revista dos Tribunais, 1997.

SILVA, Ovídio A; GOMES, Fábio Luiz. Teoria Geral do Processo Civil. São Paulo: RT, 2011.

TAVARES, Andre Ramos. Curso de direito constitucional. São Paulo: Saraiva, 2012.

TESHEINER, J. M. R. Eficácia da sentença e coisa julgada no processo civil. São Paulo: RT, 2001.

TESHEINER, J. M. R; THAMAY, Rennan Faria Krüger. Teoria Geral do Processo: em conformidade com o novo CPC. Rio de Janeiro: Forense, 2015.

WAMBIER, Luiz Rodrigues; TALAMINE, Eduardo. Curso avançado de processo civil. Vol. 1. São Paulo: RT, 2015.

ZAVASCKI, Teori Albino. Processo coletivo: tutela de direitos coletivos e tutela coletiva de direitos. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2011.




DOI: https://doi.org/10.5902/1981369419245

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2015 Revista Eletrônica do Curso de Direito da UFSM

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Sem derivações 4.0 Internacional.

REVISTA ELETRÔNICA DO CURSO DE DIREITO DA UFSM - Qualis A1

RECDUFSM  /  ISSN 1981-3694   /  Digital Object Identifier (DOI): 10.5902/19813694  http://periodicos.ufsm.br/revistadireito

Revista Qualis A1 área de Direito /  Classificações de Periódicos Quadriênio 2013-2016 (CAPES)