A brincar, a brincar… lógicas e sentidos de futuras educadoras de infância (2014-2019)

Manuela Ferreira, Catarina Tomás

Resumo


A trilogia brincar, desenvolvimento-aprendizagem e pedagogia, fundadora da Educação de Infância e tornada um lugar comum dentro e fora deste campo, precisa ser examinada criticamente sob pena de colocar em risco a infância e os seus direitos e de aprofundar a marginalização e o papel subsidiário e/ou instrumental do brincar. Importando que essa discussão se alargue a contributos multireferenciados da Sociologia da Infância e das Ciências da Educação, abordam-se distinções e interdependências de questões conceituais chave entre brincar, aprender ludicamente e ensinar através do brincar, e suas articulações com as noções de ludicidade, culturas infantis e práticas lúdico-pedagógicas, de modo a interrogar a dicotomia brincar-aprender. Parte-se daqui para, com base na pesquisa documental, analisar os 99 relatórios de fim de curso, da Prática de Ensino Supervisionada, dedicados ao brincar em contextos de creche e/ou jardim de infância, realizados em instituições de ensino superior públicas e privadas em Portugal (2014-2019), visando i) caraterizar o lugar do brincar; ii) identificar e problematizar as lógicas do brincar e os sentidos pedagógicos que futuras profissionais da pequena infância privilegiaram aquando dos mestrados profissionalizantes para a docência com crianças até 6 anos. As conclusões apontam para duas lógicas distintas e desiguais das futuras educadoras entenderem o brincar: privilegiando a relação educador/a e criança(s) e o brincar como um modo de ensinar e/ou em prol do desenvolvimento cognitivo infantil, o dominante, e privilegiando o ângulo das relações entre crianças para conhecer as suas preferências no brincar e informar a ação pedagógica, como o subalterno.


Palavras-chave


Brincar; Aprender; Educação de Infância; Lógicas e sentidos de futuras educadoras; Relatórios PES.

Texto completo:

PDF HTML

Referências


BAUMAN, Zygmunt. Modernidade Liquida. Rio de Janeiro: Jorge Zahar. 2001.

BERNSTEIN, Basil. A estruturação do discurso pedagógico: classe, códigos e controle. Petrópolis: Vozes, 1996.

BROOKER, Liz; BLAISE, Mind; EDWARDS, Susan. Contexts for Play and Learning – Part III. In: BROOKER, Liz; BLAISE, Mindy; EDWARDS, Susan (Eds). The Sage Handbook of Play and learning in Early Childhood. London: Sage, 2014, p. 277-282.

BROUGÈRE, Gilles. A criança e a cultura lúdica. Revista Faculdade Educação, São Paulo, v. 24, n. 2, , p. 103-116, jul/dez.1998.

BRUCKMAN, Amy. Can educational be fun? In: Paper presented at the Game Developers Conference '99, 1999, March 17, San Jose, CA.

CORSARO, William. The Sociology of Childhood. California: Pine Forge, 1997.

CORSARO, William. Big Ideas from Little People: What research with children contributes to Social Psychology? Social Psychology Quarterly, vol. 83, n. 1, 5-25, 2020. Disponível em https://doi.org/10.1177/0190272520906412. Acesso em: 30 jul. 2020.

CRESWELL, John. Research Design. Qualitative, Quantitative, and the Mixed Methods. Los Angeles: Sage, 2014.

FERREIRA, Manuela. ‘A gente gosta é de brincar com os outros meninos!’ Relações sociais entre crianças num jardim de infância. Porto: Edições Afrontamento, 2004.

FERREIRA, Manuela. “- Um por todos, todos por um!” - a recontextualização local da cultura mediática para a infância pelas crianças no jardim de infância. In ROCHA, Nara; COSTA, Marcelle;

COSTA, Maria de Fátima; PINHEIRO, Pablo (orgs), Na aldeia, na escola, no museu: alinhavos entre infância e trabalho docente . Fortaleza: Editora da Universidade Estadual do Ceará , 2016, p. 22-54.

FERREIRA, Manuela; TOMÁS, Catarina. "O pré-escolar faz a diferença?": Políticas educativas na educação de infância e práticas pedagógicas. Rev. Port. de Educação, Braga, v. 31, n. 2, p. 68-84, dez. 2018. Disponível em http://www.scielo.mec.pt/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0871-91872018000300006&lng=pt&nrm=iso. Acesso em: 30 jul. 2020.

FERREIRA, Manuela; TOMÁS, Catarina. O brincar nas políticas educativas e na formação de profissionais para a educação de infância – Portugal (1997-2017). EccoS – Revista Científica, São Paulo, n. 50, p. e14109. 2019. Disponível em http://www.scielo.mec.pt/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0871-91872018000300006&lng=pt&nrm=iso. Acesso em: 30 jul. 2020.

FLEER, Marilyn. A cultural-historical perspective on play: Play as a leading activity accros cultural communities. In: Pramling-Samuelsson, Ingrid; Fleer, Marilyn (Eds). Play and learning in early childhood settings. Dordrecht: Springer; 2009, p. 1–17.

FROMBERG, Doris Pronin; BERGEN, Doris. Play from Birth to Twelve. Contexts, Perspectives, and Meanings. New York: Routledge, 2012.

GARNIER, Pascale. Préscolarisation ou scolarisation ? L’évolution institutionnelle et curriculaire de l’école maternelle. Revue Française de Pédagogie, n. 169, p. 22-36. oct-déc. 2009. Disponível em https://journals.openedition.org/rfp/1278. Acesso em: 30 jul. 2020.

GARNIER, Pascale. Sociologie de l’école maternelle. Paris: PUF, 2016.

HUGHES, Fergus. Children, play, and development (4th ed.). Los Angeles: Sage, 2010.

KANE, Nazneen. The play-learning binary: U.S. parent’s perceptions on preschool play in a neoliberal age. Children & Society, n. 30, p. 290-301. jul. 2016. Disponível em https://onlinelibrary.wiley.com/doi/abs/10.1111/chso.12140. Acesso em: 30 jul. 2020.

KUCKARTZ, Udo. Qualitative Text Analysis. London: Sage. 2014.

MALAGUZZI, Loris. Histórias, ideias e filosofia básica. In: EDWARDS, Carolyn; GANDINI, Lella; FORMAN, George. As cem linguagens da criança: a abordagem de Reggio Emilia na Educação da primeira infância. Porto Alegre: Artes Médicas, 1999, p. 59-141.

MÉJIA, Héctor. Hermenéutica de la Lúdica y pedagogía de la modificabilidad simbólica. Colombia: Cooperativa Editorial Magisterio, 2008.

MOSS, Peter. Why can’t we get beyond quality? Contemporary Issues in Early Childhood, Vol. 17, n. 1, p. 8–15. 2016. Disponível em https://journals.sagepub.com/doi/full/10.1177/1463949115627895. Acesso em: 30 jul. 2020.

NILSSON, Monica, FERHOLT, Beth, LECUSAY, Robert. ‘The playing-exploring child: reconcetualizing the relationship between play and learning in early childhood education. Contemporary Issues in Early Childhood, vol. 19, n. 3, p. 231-245, 2018. Disponível em https://doi.org/10.1177/1463949117710800. Acesso em: 30 jul. 2020.

NOWAK-LOJEWSKA, Agnieszka; O’TOOLE, Leah; REGAN, Claire;

FERREIRA, Manuela. “To learn with” in the view of the holistic, relational and inclusive education. Kwartalnik Pedagogiczny, v. 64, n.1, p. 151-162, 2019. Disponível em: https://kwartalnikpedagogiczny.pl/resources/html/article/details?id=188827&language=en. Acesso em: 03 ago. 2020. doi:10.5604/01.3001.0013.1856

PORTUGAL. Gabinete da Secretária de Estado da Educação e Inovação. Despacho 5220/97, de 04 de Agosto. Homologa as Orientações Curriculares para a Educação Pré-Escolar. GSEEI. Lisboa, 1997. Disponível em: https://tinyurl.com/y67ktyzk. Acesso em: 05 agosto. 2020.

PORTUGAL. Ministério da Educação. Decreto-lei n.º 79/2014, de 22 de Maio. Aprova o regime jurídico da habilitação profissional para a docência na educação pré-escolar e nos ensinos básico e secundário. ME. Lisboa, 2014. Disponível em: https://tinyurl.com/yxlttmyv. Acesso em: 05 agosto. 2020.

PORTUGAL. Gabinete do Secretario de Estado da Educação. Despacho n.º 9180/2016, de 19 de julho. Homologa as Orientações Curriculares para a educação pré-escolar. GSEE. Lisboa, 2016. Disponível em: https://tinyurl.com/y2zkppet. Acesso em: 05 agosto. 2020.

ROGERS, Sue; LAPPING, Claudia. Recontextualising ‘Play’ in Early Years Pedagogy: Competence, Performance and Excess in Policy and Practice. British Journal of Educational Studies, vol. 60, n.3, p. 243-260, 2012. Disponível em https://doi.org/10.1080/00071005.2012.712094. Acesso em: 30 jul. 2020.

SANTOS, Boaventura de Sousa. A gramática do tempo. Para uma nova cultura política. Porto: Afrontamento, 2006.

SEYMOUR, Julie, HACKETT, Abigail, PROCTER, Lisa (Eds.). Children's Spatialities: Embodiment, Emotion and Agency. London: Palgrave, 2015

STIRRUP, Julie; EVANS, John; DAVIES, Brian. Early years learning, play pedagogy and social class. British Journal of Sociology of Education, vol. 38, n. 6, p. 1-12, Jun. 2017.

SUTTON-SMITH, Brian. The Ambiguity of Play. Harvard: Harvard University Press, 1997.

TOMÁS, Catarina. Para além de uma visão dominante sobre as crianças pequenas: gramáticas críticas na educação de infância. Revista Humanidades e Inovação, Tocatins, v.4, n. 1, p. 13-20, 2017. Disponível em: https://repositorio.ipl.pt/bitstream/10400.21/7045/1/279-1384-1-PB.pdf. Acesso em: 03 ago. 2020.

TOMÁS, Catarina; GONÇALVES, Carolina. A prática de ensino supervisionada nos mestrados de formação de educadores/as e professores/as em portugal: vozes das coordenadoras. Práxis Educacional, [S.l.], v. 14, n. 30, p. 111-134, out. 2018. Disponível em: http://periodicos2.uesb.br/index.php/praxis/article/view/4363. Acesso em: 03 ago. 2020. Doi: https://doi.org/10.22481/praxis.v14i30.4363

VASCONCELOS, Teresa. Do discurso da criança “no” centro à centralidade da criança na comunidade. Investigar em Educação. Revista da Sociedade Portuguesa de Ciências da Educação, v. II, n.4, p. 25- 42, 2015.

WEISBERG, Deena et al. Guided Play: Principles and Practices. Current Directions in Psychological Science, 25, n. 3, p. 177-182, jun.2016. Disponível em https://journals.sagepub.com/doi/10.1177/0963721416645512. Acesso em: 30 jul. 2020.

WOOD, Elizabeth. Developing Integrated Pedagogical Approaches to Play and Learning. In: Broadhead, Pat; Howard, Justine; WOOD, Elizabeth (Eds). Play and Learning in the Early Years. From Research to Practice. Thousand Oaks, CA: Sage 2010, p. 27-38.




DOI: https://doi.org/10.5902/1984644454739

CONTATO:

E-mail: revistaeducacaoufsm@gmail.com

Universidade Federal de Santa Maria (UFSM)
Centro de Educação - Lapedoc - Prédio 16
Av. Roraima, 1000 - Cidade Universitária
97105-900 - Santa Maria - RS, Brasil.
Telefone: +55 55 3220 8795

Link: https://periodicos.ufsm.br/reveducacao


ISSN Eletrônico: 1984-6444

DOI: http://dx.doi.org/10.5902/19846444

Qualis/Capes: Educação A1

Periodicidade: Publicação contínua

O recebimento de artigos caracteriza-se por fluxo contínuo sem que seja possível prever a data de sua publicação.

 

A Revista Educação (UFSM) agradece auxílio recebido por meio do Edital Pró-Revistas, da Pró-Reitoria de Pós-Graduação e Pesquisa, da Universidade Federal de Santa Maria. 

This work is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 International (CC BY 4.0).

Contador de visitas
click counter
Contador de visitas

Acessos a partir de 30/11/2016

____________________________________________________

    

SalvarSalvarSalvarSalvarSalvarSalvar