A adoção de apostilas na Educação Infantil: reflexões sobre uma unidade didática

Marlon Dantas Trevisan, Gilvane Reinke, Simone de Cássia Soares da Silva

Resumo


O presente texto reflete sobre a utilização de apostilas nas rotinas pedagógicas da Educação Infantil. Dados quantitativos são apresentados, revelando que a aquisição destes materiais por parte das prefeituras tem se expandido como política pública em nível nacional. Com aportes teóricos em Bakhtin (2011), Vygotsky (1991), Peirce (2005) e Dewey (1979), pretende-se analisar de que modo aparecem conceitos sobre aquisição da língua, experiência e signo, dentre outros de natureza comunicativa, no projeto discursivo dos materiais, especialmente em uma unidade didática coletada de um conhecido sistema de ensino, voltada para a faixa etária de cinco anos. Deste modo, o trabalho se caracteriza metodologicamente como análise semiótico-documental, concluindo que, se por um lado, os exercícios analisados encantam pelas imagens, diagramação e outras qualidades, por outro, reproduzem procedimentos tradicionais do ensino de língua, acentuando a dependência das crianças em relação ao educador, não valorizando a oralidade, a escrita espontânea e demais expressões do protagonismo delas na aprendizagem. Pelos conflitos inerentes à adoção de tais aparatos pedagógicos no contexto da Educação Infantil, defende-se a necessidade de ampliação do debate sobre tal, de modo que a adoção dos sistemas apostilados possa ser reavaliada, sem prejuízos para a infância.


Palavras-chave


Apostilas; Educação Infantil; Linguagem.

Texto completo:

PDF

Referências


ADRIÃO, Theresa Maria de Freitas et al. As parcerias entre prefeituras paulistas e o setor privado na política educacional: expressão de simbiose? Educação e Sociedade, Campinas, v.33, n.119, p.533-549, abr./jun.2012.

BAKHTIN, Mikhail Mjkhailovitch. Estética da criação verbal. São Paulo: Martins Fontes, 2011.

BRASIL. Ministério da Educação. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (INEP). Educacenso. Censo Escolar. Brasília, DF: MEC/INEP, 2016.

BRASIL. Ministério da Educação. Portaria nº 10, de 24 de abril de 2007. Institui a Avaliação de Alfabetização "Provinha Brasil", a ser estruturada pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais "Anísio Teixeira" – INEP. Brasília: Diário Oficial da União, 2007.

BRASIL. Ministério da Educação. Portaria nº 931, de 21 de março de 2005. Institui o Sistema de Avaliação da Educação Básica – SAEB, composto por dois processos de avaliação: a Avaliação Nacional da Educação Básica - ANEB, e a Avaliação Nacional do Rendimento Escolar – ANRESC. Brasília: Diário Oficial da União, 2005.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. Base Nacional Comum Curricular/ Secretaria de Educação Básica. – Brasília: MEC, SEB, 2017.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Infantil / Secretaria de Educação Básica. – Brasília: MEC, SEB, 2010.

BRASIL. Ministério da Educação e do Desporto. Secretaria de Educação Fundamental. Referencial Curricular Nacional para Educação Infantil. Brasília: MEC/SEF, 1998.

CORDI, Angela. Educação Infantil: livro do aluno. Curitiba: Ed Positivo, 2009.

CUNHA, Marcus Vinícius. Educador e filósofo da democracia. In: REGO, Teresa Cristina. (Org.) História da Pedagogia. São Paulo: Editora Segmento, 2010, p. 32-43.

DEWEY, John. Experiência e educação. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 1979.

FREITAS, Maria Tereza de Assunção. Vigotsky e Bakhtin - Psicologia e Educação: um intertexto. São Paulo: Editora Ática, 2006.

GOMES, João Carlos Amilibia. As apostilas dos sistemas de ensino sob uma lógica empresarial. Porto Alegre: 2012.

GORDON, Edwin. Teoria da aprendizagem musical: competências, conteúdos e padrões. Fundação Calouste Gulbenkian, 2000.

IBGE. Fundação Instituto Brasileiro de Geografia E Estatística. PNADC 2017. Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua. Censo Escolar. Rio de Janeiro, 2017.

KRAMER, Sônia; NUNES, Maria Fernanda R.; CORSINO, Patricia. Infância e crianças de 6 anos: desafios das transições na educação infantil e no ensino fundamental. Educação e Pesquisa, São Paulo, v.37, n.1, 220p. 69-85, jan./abr. 2011

MACEDO, Elizabeth. Base nacional comum para currículos: direitos de aprendizagem e desenvolvimento para quem? Educ. Soc., Campinas, v. 36, nº. 133, p. 891-908, out.-dez., 2015

MENDONÇA, Onaide Schwartz. Percurso histórico dos métodos de alfabetização. In: Caderno de Formação. Formação de Professores. São Paulo: Cultura Acadêmica, 2011.

NÖTH, Winfred. Panorama da Semiótica: de Platão a Peirce. 4ª ed. São Paulo: Annablume, 2003.

NOVAK, Roseli. CD Toda Família: Canções infantis na sala de aula. Jornal Bolando Aula, Santos, 2002.

OSTETTO, Luciana Esmeralda. Planejamento na educação infantil: mais que a atividade, a criança em foco. In OSTETTO, Luciana Esmeralda. (Org.) Encontros e encantamentos na educação infantil: partilhando experiências de estágios. Campinas, SP: Papirus, 2002, pp. 175-200.

PEIRCE, Charles S. Semiótica. 1ª ed. São Paulo: Perspectiva, 2005.

PIMENTA, Selma Garrido; FUSARI, José Cerchi; PEDROSO, Cristina Cinto Araujo; PINTO, Umberto de Andrade. Os cursos de licenciatura em pedagogia: fragilidades na formação inicial do professor polivalente. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 43, n. 1, p.15-30, jan./mar. 2017

QUINTANEIRO, Tânia; BARBOSA, Maria Lígia de Oliveira; OLIVEIRA, Marcia Gardênia Monteiro. Um toque de clássicos. Marx. Dürkheim. Weber. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2002.

ROMANELLI, Othaísa. História da Educação no Brasil. Petrópolis, RJ: Vozes, 2010.

SANTAELLA, Lucia. O que é semiótica. São Paulo: Brasiliense, 1983.

SOARES, Magda. Alfabetização e letramento na Educação Infantil. Belo Horizonte, Revista Pátio – Educação Infantil, Ano VIII, 2010.

TREVISAN, Marlon Dantas. Ecos do pensamento de Peirce no legado de Dewey: relações entre experiência, linguagem, ética e educação. Cuiabá: EdUFMT, 2016.

VYGOTSKY, Lev Semenovich. A formação social da mente. São Paulo: Martins Fontes, 1998.




DOI: https://doi.org/10.5902/1984644435193

CONTATO:

E-mail: revistaeducacaoufsm@gmail.com

Universidade Federal de Santa Maria (UFSM)
Centro de Educação - Lapedoc - Prédio 16
Av. Roraima, 1000 - Cidade Universitária
97105-900 - Santa Maria - RS, Brasil.
Telefone: +55 55 3220 8795

Link: https://periodicos.ufsm.br/reveducacao


ISSN Eletrônico: 1984-6444

DOI: http://dx.doi.org/10.5902/19846444

Qualis/Capes: Educação A1

Periodicidade: Publicação contínua

O recebimento de artigos caracteriza-se por fluxo contínuo sem que seja possível prever a data de sua publicação.

 

A Revista Educação (UFSM) agradece auxílio recebido por meio do Edital Pró-Revistas, da Pró-Reitoria de Pós-Graduação e Pesquisa, da Universidade Federal de Santa Maria. 

This work is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 International (CC BY 4.0).

Contador de visitas
click counter
Contador de visitas

Acessos a partir de 30/11/2016

____________________________________________________

    

SalvarSalvarSalvarSalvarSalvarSalvar