Aplicabilidade do Processo de Enfermagem na atenção hospitalar: interface com as melhores práticas

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5902/2179769264972

Palavras-chave:

Enfermagem, Processo de enfermagem, Atenção terciária à saúde, Padrões de Prática em Enfermagem.

Resumo

Objetivo: analisar a aplicabilidade do Processo de Enfermagem em interface com as melhores práticas. Método: estudo transversal, realizado com 146 enfermeiros(as), mediante questionário estruturado tipo survey, aplicado entre maio e setembro de 2019, analisado por estatística descritiva e inferencial. Resultados: dos 146 enfermeiros(as), 115 (78,8%) realizavam o Processo de Enfermagem, sendo que 73 (50%) aplicavam as cinco etapas do Processo de Enfermagem. Destes 115, prevaleceram as etapas de coleta de dados 110 (95,7%) e implementação do cuidado 104 (90,4%). Houve associação significativa entre a aplicação das etapas do Processo de Enfermagem com o uso de sistemas de informação e escalas de avaliação. Algumas etapas do Processo foram associadas ao uso de Sistemas de Linguagem Padronizada e teorias de enfermagem. Conclusão: o Processo de Enfermagem configura-se como estratégia para consolidar as melhores práticas, fundamentando as ações em evidências científicas e nas necessidades do indivíduo mediante expertise clínica e qualificação dos registros.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Susane Karine Kerckoff Machado, Universidade do Estado de Santa Catarina

Enfermeira egressa da Universidade do Estado de Santa Catarina (UDESC). Membro do Grupo de Estudos sobre Tecnologias e Práticas do Cuidado em Enfermagem e Saúde (GETECS) da UDESC.

Edlamar Kátia Adamy, Universidade do Estado de Santa Catarina

Enfermeira, Doutora em Enfermagem, Professora do Departamento de Enfermagem da UDESC, na Graduação e programa de Pós Graduação em Enfermagem

Área de conhecimento 

Sistematizaçao da Assistência de Enfermagem

Processo de Enfermagem

Educação e formação em enfermagem

Educação Permanente em Saúde

 

Fabiane Pertille, Universidade do Estado de Santa Catarina

Enfermeira. Mestre em Biociências e Saúde. Docente do curso de Graduação em Enfermagem na Universidade do Estado de Santa Catarina (UDESC).

Carla Argenta, Universidade do Estado de Santa Catarina

Enfermeira. Doutora em Enfermagem. Docente Adjunta do Departamento de Enfermagem da Universidade do Estado de Santa Catarina (UDESC).

Clarissa Bohrer da Silva, Universidade do Estado de Santa Catarina

Enfermeira. Doutora em Enfermagem. Docente Adjunta do Departamento de Enfermagem da Universidade do Estado de Santa Catarina (UDESC).

Carine Vendruscolo, Universidade do Estado de Santa Catarina

Enfermeira. Pós Doutora em Enfermagem. Docente Adjunta do Departamento de Enfermagem da Universidade do Estado de Santa Catarina (UDESC). Vice coordenadora do Mestrado Profissional em Enfermagem na Atenção Primária a Saúde (MPEAPS/UDESC).

Referências

World Health Organization (WHO), Regional Office for Africa. Um guia para identificar e documentar as melhores práticas em programas de planejamento familiar [Internet]. Geneva: WHO; 2017 [cited 2020 May 26]. Available from: https://apps.who.int/iris/bitstream/handle/10665/258690/9789290341154-por.pdf?sequence=5

Brandão MAG, Barros ALBL, Primo CC, Bispo GS, Lopes ROP. Nursing theories in the conceptual expansion of good practices in nursing. Rev Bras Enferm. 2019;72(2):577-81. doi: https://doi.org/10.1590/0034-7167-2018-0395

CONSELHO FEDERAL DE ENFERMAGEM (COFEN). Resolução nº 358/2009, que dispõe sobre Sistematização da Assistência de Enfermagem e a implementação do Processo de Enfermagem. Brasília, DF: COFEN; 2009. Disponível em: http://www.cofen.gov.br/resoluo-cofen-3582009_4384.html. Acesso em: 26 maio 2020.

Dotto JI, Backes DS, Dalcin CB, Lunardi Filho WD, Siqueira HCH, Zamberlan C. Sistematização da assistência de enfermagem: ordem, desordem ou (re)organização? Rev Enferm UFPE On Line [Internet]. 2017 [cited 2020 May 26];11(10):3821-9. Available from: https://periodicos.ufpe.br/revistas/revistaenfermagem/article/view/25235

Ribeiro OMPL, Martins MMFPS, Tronchin DMR, Forte ECN. Aplicação do processo de enfermagem em hospitais portugueses. Rev Gaúcha Enferm. 2018;39:e2017-0174. doi: https://doi.org/10.1590/1983-1447.2018.2017-0174

Toso BRGO, Padilha MI, Breda KL. The euphemism of good practice or advanced nursing practice. Esc Anna Nery. 2019;23(3):e20180385. doi: https://doi.org/10.1590/2177-9465-EAN-2018-0385

Schober M, Stewart D. Developing a consistent approach to advanced practice nursing worldwide. Int Nurs Rev. 2019;66(2):151-3. doi: https://doi.org/10.1111/inr.12524

BRASIL. Ministério da Saúde, Conselho Nacional de Saúde. Resolução nº 573, de 31 de janeiro de 2018. Proposta de Diretrizes Curriculares Nacionais em Enfermagem. Diário Oficial da União: seção 1, Brasília, DF, edição 213, p. 38. Disponível em: http://www.in.gov.br/materia/-/asset_publisher/Kujrw0TZC2Mb/content/id/48743098/do1-2018-11-06-resolucao-n-573-de-31-de. Acesso em: 20 maio 2020.

Diniz IA, Cavalcante RB, Otoni A, Mata LRF. Percepção dos enfermeiros gestores da atenção primária sobre o processo de enfermagem. Rev Bras Enferm. 2015;68(2):206-13. doi: https://doi.org/10.1590/0034-7167.2015680204i

Benedet SA, Gelbcke FL, Amante LN, Padilha MIS, Pires DP. Processo de enfermagem: instrumento da sistematização da assistência de enfermagem na percepção dos enfermeiros. Rev Pesq Cuid Fundam. 2016;8(3):4780-8. doi: http://dx.doi.org/10.9789/2175-5361.2016.v8i3.4780-4788

Somariva VCA, Birolo IVB, Tomasi CD, Soratto J. Percepções das equipes de enfermagem na atenção básica frente à sistematização da assistência de enfermagem. Enferm Foco. 2019;10(4):142-7. doi: https://doi.org/10.21675/2357-707X.2019.v10.n4.2221

Soares MI, Resck ZMR, Terra FS, Camelo SHH. Sistematização da assistência de enfermagem: facilidades e desafios do enfermeiro na gerência da assistência. Esc Anna Nery. 2015;19(1):47-53. doi: https://doi.org/10.5935/1414-8145.20150007

Carvalho EC, Oliveira-Kumakura ARS, Morais SCRV. Clinical reasoning in nursing: teaching strategies and assessment tools. Rev Bras Enferm. 2017;70(3):690-6. doi: https://doi.org/10.1590/0034-7167-2016-0509

Gardona RGB, Barbosa DA. The importance of clinical practice supported by health assessment tools. Rev Bras Enferm. 2018;71(4):1815-6. doi: http://dx.doi.org/10.1590/0034-7167-2018710401

Pinheiro ALS, Andrade KTS, Silva DO, Zacharias FCM, Gomide MFS, Pinto IC. Health management: the use of information systems and knowledge sharing for the decision making process. Texto Contexto Enferm. 2016;25(3):e3440015. doi: https://doi.org/10.1590/0104-07072016003440015

Coelho AV, Molina RM, Labegalini MPC, Ichisato SMT, Pupulim JSL. Validação de um histórico de enfermagem para unidade de terapia intensiva pediátrica. Rev Gaúcha Enferm. 2017;38(3):e68133. doi: https://doi.org/10.1590/1983-1447.2017.03.68133

Conselho Federal de Enfermagem (COFEN). Guia de recomendações para registros de enfermagem no prontuário do paciente e em outros documentos de Enfermagem. Brasília(DF): COFEN [Internet]. 2016 [acesso em 2020 maio 26]. Disponível em: http://www.cofen.gov.br/wp-content/uploads/2016/08/Guia-de-Recomenda%C3%A7%C3%B5es-CTLN-Vers%C3%A3o-Web.pdf

Cleires ABB, Brandão MAG, Dias BF, Primo CC. Análise do conteúdo de uma tecnologia para raciocínio diagnóstico de enfermagem. Rev Bras Enferm. 2015;68(2):261-8. doi: https://doi.org/10.1590/0034-7167.2015680211i

Faeda MS, Perroca MG. Conformity of nurse prescribing to care needs: nurses' understanding. Rev Bras Enferm. 2017;70(2):418-24. doi: https://doi.org/10.1590/0034-7167-2016-0107

Merino MFGL, Silva PLAR, Carvalho MDB, Pelloso SM, Baldissera VDA, Higarashi IH. Nursing theories in professional training and practice: perception of postgraduate nursing students. Rev Rene. 2018;19:e3363. doi: https://doi.org/10.15253/2175-6783.2018193363

Gryschek ALFPL, Fracolli LA, Padoveze MC, Caballero SPOS, Boas MAAV. Análise crítica do potencial de utilização das nomenclaturas de enfermagem na atenção primária à saúde. Enferm Foco. 2019;10(7):50-6. doi: https://doi.org/10.21675/2357-707X.2019.v10.n7.2471

Linch GFC, Lima AAA, Souza EN, Nauderer TM, Paz AA, Costa C. An educational intervention impact on the quality of nursing records. Rev Latinoam Enferm. 2017;25:e2938. doi: http://dx.doi.org/10.1590/1518-8345.1986.2938

Alves VC, Freitas WCJ, Ramos JS, Chagas SRG, Azevedo C, Mata LRF. Actions of the fall prevention protocol: mapping with the classification of nursing interventions. Rev Latinoam Enferm. 2017;25:e2986. doi: http://dx.doi.org/10.1590/1518-8345.2394.2986

Cucolo DF, Perroca MG. Fatores intervenientes na produção do cuidado em enfermagem. Acta Paul Enferm. 2015;28(2):120-4. doi: https://doi.org/10.1590/1982-0194201500021

CONSELHO FEDERAL DE ENFERMAGEM. Parecer nº 429/2012. Dispõe sobre o registro das ações profissionais no prontuário do paciente, e em outros documentos próprios da enfermagem, independente do meio de suporte – tradicional ou eletrônico. Brasília(DF): COFEN; 2012. Disponível em: http://www.cofen.gov.br/resoluo-cofen-n-4292012_9263.html. Acesso em: 11 nov. 2019.

Lahm JV, Carvalho DR. Prontuário eletrônico do paciente: avaliação de usabilidade pela equipe de enfermagem. Cogitare Enferm. 2015;20(1):38-44. doi: http://dx.doi.org/10.5380/ce.v20i1.36485

Santana N, Rodrigues MSB, Freitas CLM, Oliveira RL, Santos DS, Barbosa LKOS. Educação permanente como estratégia para aprimoramento de registros de enfermagem. Rev Baiana Enferm. 2019;33:e33378.

Belém ARSC, Figueiredo LS, Pereira JMV, Flores PVP, Cavalcanti ACD. Efeito de um instrumento padronizado na qualidade de registros de enfermeiros: estudo quase-experimental. REME Rev Min Enferm. 2019;23:e-1252. doi: https://doi.org/10.5935/1415-2762.20190100

Publicado

2021-11-16

Como Citar

Machado, S. K. K., Adamy, E. K., Pertille, F., Argenta, C., Silva, C. B. da, & Vendruscolo, C. (2021). Aplicabilidade do Processo de Enfermagem na atenção hospitalar: interface com as melhores práticas. Revista De Enfermagem Da UFSM, 12(1), e2. https://doi.org/10.5902/2179769264972

Edição

Seção

Artigos Originais

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)

1 2 > >>