Carga de trabalho de enfermagem em sala de recuperação pós-anestésica: um estudo misto

Ana Lúcia Uberti Pinheiro, Quézia Boeira da Cunha, Daiane Dal Pai, Rosângela Marion da Silva, Suzinara Beatriz Soares de Lima, Silviamar Camponogara

Resumo


Objetivo: analisar a carga de trabalho de enfermagem em Sala de Recuperação Pós-Anestésica de um Hospital Universitário do Sul do Brasil. Método: abordagem metodológica mista, explanatório sequencial. Na etapa quantitativa, transversal, foi avaliada a carga de trabalho pelo Nursing Activities Score, em 209 pacientes. Na etapa qualitativa, foram realizadas entrevistas com 14 participantes. A análise dos dados quantitativos foi realizada no SPSS Statistics 21.0. Os dados qualitativos passaram por análise de conteúdo de Bardin. Resultados: a carga de trabalho verificada foi de 57%. Duas categorias surgiram: Características dos pacientes e situações determinantes para a carga de trabalho - as condições clínicas dos pacientes são apontadas como intensificadoras da carga de trabalho; e Organização do trabalho: características que influenciam na carga de trabalho – dimensionamento de pessoal e cooperação entre a equipe são fatores determinantes. Conclusão: a carga de trabalho é alta e os trabalhadores percebem características que a influenciam.

Palavras-chave


Enfermagem; Trabalho; Cuidados críticos; Carga de trabalho; Dimensionamento de pessoal

Referências


Fundação Oswaldo Cruz. Pesquisa retrata perfil de 1,6 milhão de profissionais de enfermagem no Brasil. Rio de Janeiro; 2015 [acesso em 2015 ago 04]. Disponível em: http://portal.fiocruz.br/pt-br/content/pesquisa-retrata-perfil-de-16-milhao-de-profissionais-de-enfermagem-no-brasil

Aiken LH, Sloane DM, Bruyneel L, Van den Heede K, Sermeus W. Nurses’ reports of working conditions and hospital quality of care in 12 countries in Europe. Int J Nurs Stud [Internet]. 2013 fev [acesso em 2019 out 18];50(2):143-53. Disponível em: https://www.sciencedirect.com/science/article/abs/pii/S0020748912004105?via%3Dihub doi: 10.1016/j.ijnurstu.2012.11.009

Dias MCCB. Aplicação do Nursing Activitis Score (NAS) como instrumento de medida de carga de trabalho de enfermagem em UTI cirúrgica cardiológica [dissertação]. São Paulo (SP): Universidade de São Paulo; 2006. 115 p.

Queijo AF, Padilha KG. Nursing Activities Score (NAS): adaptação transcultural e validação para a língua portuguesa. Rev Esc Enferm USP [Internet]. 2009 dez [acesso em 2019 out 18];43(N Esp):1018-25. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0080-62342009000500004 doi: 10.1590/S0080-62342009000500004

Lima LB, Borges D, Costa S, Rabelo ER. Classificação de pacientes segundo o grau de dependência dos cuidados de enfermagem e a gravidade em unidade de recuperação pós-anestésica. Rev Latinoam Enferm [Internet]. 2010 out [acesso em 2018 maio 03];18(5):881-7. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0104-11692010000500007&script=sci_arttext&tlng=pt doi: 10.1590/S0104-11692010000500007

Creswell JW, Clark VLP. Pesquisa de métodos mistos. 2ª ed. Porto Alegre (RS): Penso, 2013.

Bardin L. Análise de conteúdo. São Paulo: Edições 70; 2011.

Machado MH, Aguiar Filho W, Lacerda WF, Oliveira E, Lemos W, Wermelinger M, et al. Características gerais da enfermagem: o perfil sócio demográfico. Enferm Foco [Internet]. 2015 [acesso em 2019 out 18];6(1/4):11-7. Disponível em: http://revista.cofen.gov.br/index.php/enfermagem/article/view/686/0 doi: 10.21675/2357-707X.2016.v7.nESP.686

Gonçalves LA, Padilha KG. Fatores associados à carga de trabalho de enfermagem em unidade de terapia intensiva. Rev Esc Enferm USP [Internet]. 2007 [acesso em 2019 out 18];41(4):645-52. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/reeusp/v41n4/14.pdf

Timmers TK, Hulstaert PF, Leenen LP. Patient outcomes can be associated with organizational changes. Crit Care Nurs Q [Internet]. 2014 jan-mar [acesso em 2019 out 18];37(1):125-34. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/24309466 doi: 10.1097/CNQ.0000000000000011

Lima LB, Rabelo ER. Carga de trabalho de enfermagem em unidade de recuperação pós-anestésica. Acta Paul Enferm [Internet]. 2013 [acesso em 2019 out 18];26(2):116-22. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-21002013000200003 doi: 10.1590/S0103-21002013000200003

Chan RPC, Auler Junior JOC. Estudo retrospectivo da incidência de óbitos anestésico-cirúrgicos nas primeiras 24 horas: revisão de 82.641 anestesias. Rev Bras Anestesiol [Internet]. 2002 [acesso 2019 out 18]; 52(6):719-27. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_abstract&pid=S0034-70942002000600009&lng=en&nrm=iso&tlng=pt doi: 10.1590/S0034-70942002000600009

Conselho Federal de Enfermagem (BR). Resolução COFEN Nº 543/2017, de 18 de abril de 2017. Atualiza e estabelece parâmetros para o dimensionamento do quadro de profissionais de enfermagem nos serviços/locais em que são realizadas atividades de enfermagem[Internet]. Brasília (DF): COFEN; 2017 [acesso em 2018 set 13]. Disponível em: http://www.cofen.gov.br/resolucao-cofen-5432017_51440.html

Cho E, Lee N-J, Kim E-Y, Kim S, Lee K, Park K-O, et al. Nurse staffing level and overtime associated with patient safety, quality of care, and care left undone in hospitals: a cross-sectional study. Int J Nurs Stud [Internet]. 2016 maio [acesso em 2019 out 18];60:263-71. Disponível em: https://www.sciencedirect.com/science/article/abs/pii/S0020748916300566?via%3Dihub doi: 10.1016/j.ijnurstu.2016.05.009

Tillvitz LR. Dimensionamento de pessoal de enfermagem do centro cirúrgico de um hospital do norte do Paraná [dissertação]. Ribeirão Preto (SP): Universidade de São Paulo, 2013. 205 p.

Reich R, Vieira DFVB, Lima LB, Rabelo-Silva ER. Carga de trabalho em unidade coronariana segundo o Nursing Activities Score. Rev Gaúch Enferm [Internet]. 2015 [acesso em 2019 out 18];36(3):28-35. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S1983-14472015000300028&script=sci_arttext&tlng=pt doi: 10.1590/1983-1447.2015.03.51367

Lima LB. Nursing Activities escore para avaliação da carga de trabalho de enfermagem em unidade de recuperação pós-anestésica [dissertação]. Porto Alegre (RS): Universidade Federal do Rio Grande do Sul; 2010. 62 p.

Saraiva EL, Sousa CS. Pacientes críticos na unidade de recuperação pós-anestésica: revisão integrativa. Rev SOBECC [Internet]. 2015 [acesso em 2019 out 18];20(2):104-12. Disponível em: https://revista.sobecc.org.br/sobecc/article/view/10/8

Camuci MB, Martins JT, Cardeli A AM, Robazzi MLCC. Nursing Activities Score: nursing work load in a burns Intensive Care Unit. Rev. latinoam. Enferm. [Internet] 2014 Mar./Apr. [acesso em 2019 out 18]; 22(2): 325-331. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-11692014000200325 doi: 10.1590/0104-1169.3193.2419

Garcia EA, Fugulin FMT. Distribuição do tempo de trabalho das enfermeiras em Unidade de Emergência. Rev Esc Enferm USP [Internet]. 2010 dez [acesso em 2019 out 18];44(4):1032-8. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0080-62342010000400025 doi: 10.1590/S0080-62342010000400025

Amaral JF, Ribeiro JP, Paixão DX. Qualidade de vida no trabalho dos profissionais de enfermagem em ambiente hospitalar: uma revisão integrativa. Espaç Saúde [Internet]. 2015 [acesso em 2019 out 18]; 16(1):66-74. Disponível em: http://docplayer.com.br/17821041-Qualidade-de-vida-no-trabalho-dos-profissionais-de-enfermagem-em-ambiente-hospitalar-uma-revisao-integrativa.html




DOI: https://doi.org/10.5902/2179769240333

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

Licença Creative Commons
Este site está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.