(Des)preparo técnico-científico para o cuidado às travestis: percepções de enfermeiras(os)

Graciela Dutra Sehnem, Rodrigo de Lima Rodrigues, Jussara Mendes Lipinski, Maria Eduarda Deitos Vasquez, Alessandra Schmidt

Resumo


Objetivo: conhecer as percepções das(os) enfermeiras(os) acerca das travestis e o preparo técnico-científico para assisti-las. Método: estudo de campo, descritivo e com abordagem qualitativa, realizado em Estratégias Saúde da Família do oeste do Rio Grande do Sul/Brasil, no segundo semestre de 2014. Os dados foram obtidos por meio de entrevistas semiestruturadas com enfermeiras(os) e analisados a partir da análise temática. Resultados: identificou-se que as(os) enfermeiras(os) desconhecem o significado do que é ser travesti, limitando-a a figura de um homem vestido como mulher. Foram percebidas lacunas importantes na formação acadêmica destes profissionais quanto às especificidades do cuidado às travestis. Em relação à atuação profissional, evidenciou-se o desconhecimento sobre as políticas públicas e a legislação voltadas à esta população. Conclusão: esta pesquisa revelou que não há conhecimento da identidade de gênero das travestis e existe um comprometimento da prática assistencial voltada a este público.

Palavras-chave


Enfermagem; Políticas públicas; Identidade de gênero; Atenção primária à saúde.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.5902/2179769223649