A influência da oralidade na produção escrita de estudantes do Ensino Fundamental: uma discussão sobre possíveis práticas pedagógicas voltadas para o desenvolvimento metassintático

Adriana Tavares Maurício Lessa, MAGDA DO NASCIMENTO RODRIGUES

Resumo


Este artigo tem como objetivo geral caracterizar sintaticamente a influência da oralidade na produção escrita dos estudantes do Ensino Fundamental. Especificamente, buscamos ilustrar como determinadas marcas sintáticas de oralidade se manifestam e debater possíveis práticas pedagógicas para o desenvolvimento metassintático dos estudantes. Para tanto, exemplificamos as seguintes marcas sintáticas de oralidade na escrita de alunos do sétimo ano: apagamento de termos oracionais, reativação de itens lexicais, ordenamento sintático do tipo tópico-comentário, ocorrência de itens fáticos e não marcação da fronteira sintática. Apresentamos, ainda, um relato de experiência pedagógica com base em conversas metassintáticas.


Palavras-chave


oralidade; escrita; sintaxe; desenvolvimento metassintático

Texto completo:

PDF

Referências


BAGNO, Marcos. Nada na língua é por acaso: por uma pedagogia da variação linguística. 3a ed. São Paulo: Parábola Editorial, 2009.

BORTONI-RICARDO, Stella Maris; GONDIM, Márcia Regina; BENÍCIO, Miliane Nogueira Magalhães. O papel da oralidade na aquisição da cultura letrada. In: HEINIG, Otília Lizete; FRONZA, Cátia de Azevedo (orgs.). Diálogos entre Linguística e Educação. Blumenau: Edifurb, 2010, p. 187-205.

BORTONI-RICARDO, Stella Maris et al. Por que a escola não ensina gramática assim?. São Paulo: Parábola Editorial, 2016.

CASTILHO, Ataliba de. Nova Gramática do Português Brasileiro. São Paulo: Contexto, 2010.

FREIRE, Gilson. Acusativo e dativo anafóricos de 3a pessoa na escrita brasileira e lusitana. Revista da ABRALIN, v.10, n.1, p. 11-32, jan./jun. 2011.

GERHARDT, Ana Flávia Lopes Magela. Ensino de Gramática e desenvolvimento metalinguístico: teorias, reflexões e exercícios. São Paulo: Pontes, 2016.

_____. O Letramento Linguístico e o Ensino de Gramática da Língua Portuguesa no Brasil. Diadorim. Rio de Janeiro, Revista 19, v. 2, p. 48-75, Jul-Dez. 2017.

GOMBERT, Jean Émile. Metalinguistic Development. Tradução de Tim Pownall. Exeter: Harvester Wheatsheaf, 1992.

KRASHEN, Stephen. Principles and Practice in Second Language Acquisition. California: University of Southern California, 1982.

KENEDY, Eduardo. O status da norma culta na língua-I dos brasileiros e seu respectivo tratamento na escola: algumas contribuições de estudos formalistas à educação. In: GUESSER, Simone (org.). Linguística: pesquisa e ensino. Boa Vista: EDUFRR, 2016, p. 185-208.

MYHILL, Debra; JONES, Susan; WILSON, Anthony. Writing Conversations: Fostering Metalinguistic Discussion About Writing. Research Papers in Education, 31(1), 2016, 23-44.

PAIVA, Vera Lúcia Menezes de Oliveira e Paiva. Aquisição de segunda língua. 2a ed. São Paulo: Parábola Editorial, 2014.

PONTES, Eunice Souza Lima. O tópico no português do Brasil. Campinas: Pontes, 1987.

SOARES, Magda. Alfabetização e letramento. 7a ed. São Paulo: Contexto, 2017.

VIEIRA, Silvia. Gramática, Variação e Ensino: diagnose e propostas pedagógicas. São Paulo : Blucher, 2018.




DOI: https://doi.org/10.5902/2176148538819

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 Letras

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

 

                      

 

                

 

                

 

    

  

   

 

  

 

 

                                     QUALIS/CAPES: Letras B2

                              ISSN Versão Impressa: 1519-3985

                              ISSN Versão Digital: 2176-1485



Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.