Memórias, dores e traumas: mulheres e ditadura em Tropical sol da liberdade

Camila Marchesan Cargnelutti, Marcus Vinicius Reis

Resumo


Nesse estudo, articulando conceitos dos estudos de gênero, literatura, história e memória, analisamos Tropical sol da liberdade, de Ana Maria Machado. Publicado originalmente em 1988, em um contexto pós-ditatorial, o romance de Machado é construído em torno da temática da ditadura civil-militar no país (1964-1985), a partir da visão de personagens mulheres. Por meio da leitura crítica da narrativa, investigamos como a protagonista, Lena, tenta apropriar-se da palavra para escrever uma peça teatral. Essa tentativa, no romance, configura-se como uma maneira de elaborar, narrar e externar seu passado traumático, fazendo parte da própria reconstrução identitária da personagem.


Palavras-chave


memória; trauma; mulheres; escrita; ditadura

Texto completo:

PDF

Referências


ADORNO, Theodor. Posição do narrador no romance contemporâneo. In: ADORNO, Theodor. Notas de literatura I. Trad. Jorge de Almeida. São Paulo: Duas Cidades; Ed. 34, 2003. p. 55-63.

ALÓS, Anselmo Peres. Literatura e intervenção política na América Latina: relendo Rigoberta Menchú e Carolina Maria de Jesus. Cadernos de Letras da UFF, Niterói, n. 38, p. 139-162, 2009. Disponível em: . Acesso em: 3 dez. 2018.

BEAUVOIR, Simone de. O segundo sexo: fatos e mitos. Trad. Sérgio Milliet. 2. ed. São Paulo: Difusão Europeia do Livro, 1970.

BRAUNSTEIN, Néstor A. Sobrevivendo ao trauma. Trad. Marylink Kupferberg. s. d. Disponível em: . Acesso em: 2 dez. 2018.

BURGOS, Elizabeth; MENCHÚ, Rigoberta. Me llamo Rigoberta Menchú y así me nació la conciencia. México: Siglo Veintiuno Editores, 1985.

DALCASTAGNÈ, Regina. O espaço da dor: o regime de 64 no romance brasileiro. Brasília: Universidade de Brasília, 1996.

DE MARCO, Valeria. A literatura de testemunho e a violência de Estado. Lua Nova, São Paulo, n. 62, p. 45-68, 2004. Disponível em: . Acesso em: 5 dez. 2018.

LAUB, Dori. Truth and testimony: the Process and the struggle. In: CARUTH, C. (Org.). Trauma: Explorations in memory. Baltimore: Johns Hopkins University Press. p. 61-75.

LEVI, Primo. É isto um homem. Rio de Janeiro: Rocco, 1988.

MACHADO, Ana Maria. Tropical sol da liberdade. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1988.

NAVARRO, Márcia Hoppe. Por uma voz autônoma: o papel da mulher na história e na ficção latino-americana contemporânea. In: NAVARRO, Márcia Hoppe (Org.). Rompendo o silêncio: gênero e literatura na América Latina. Porto Alegre: Editora da Universidade/UFRGS, 1995, p. 11-55.

PRATT, Mary Louise. Mulher, literatura e irmandade nacional. In: HOLLANDA, Heloísa Buarque de (Org.). Tendências e impasses: o feminismo como crítica da cultura. Rio de Janeiro: Rocco, 1994, p. 127-157.

ROSENFELD, Anatol. Reflexões sobre o romance moderno. In: ROSENFELD, Anatol. Texto/Contexto. São Paulo: Perspectiva, 1969. p. 73-95.

SCHMIDT, Rita Terezinha. Em busca da história não contada ou: o que acontece quando o objeto começa a falar? Letras, Santa Maria, n. 16, p. 183-196, jan./ jun. 1998.

SELIGMANN-SILVA, Márcio. Direito Pós-Fáustico: por um novo tribunal como espaço de rememoração e elaboração dos traumas sociais. In: SARMENTO-PANTOJA, Augusto; CORNELSEN, Élcio Loureiro; SARMENTO-PANTOJA, Tânia (Org.). Literatura e cinema de resistência: novos olhares sobre a memória. Rio de Janeiro: Editoria Oficina Raquel, 2013, p. 123-138.

SELIGMANN-SILVA, Márcio. Grande Sertão: Veredas como gesto testemunhal e confessional. Alea, Rio de Janeiro, v. 11, n. 1, p. 130-147, jan./jun. 2009. Disponível em: . Acesso em: 5 dez. 2018.

SELIGMANN-SILVA, Márcio. Narrar o trauma: a questão dos testemunhos de catástrofes históricas. Psicologia Clínica, Rio de Janeiro, v. 20, n. 1, p. 65-82, 2008.

UMBACH, Rosani Úrsula Ketzer. Memórias autobiográficas em narrativas pós-ditatoriais. Letras de hoje, Porto Alegre, v. 48, n. 4, p. 476-483, out./dez. 2013.

UMBACH, Rosani Úrsula Ketzer. Memórias da repressão e literatura: algumas questões teóricas. In: UMBACH, Rosani Úrsula Ketzer (Org). Memórias da repressão. Santa Maria: UFSM, PPGL-Editores, 2008, p. 11-22.

VIEZZER, Moema; BARRIOS, Domitila. Si me permiten hablar: testimonio de Domitila, una mujer de las minas de Bolivia. México: Siglo Veintiuno Editores, 2005.




DOI: https://doi.org/10.5902/2176148537271

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 Letras

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

 

                      

 

                

 

                

 

    

  

   

 

  

 

 

                                     QUALIS/CAPES: Letras B2

                              ISSN Versão Impressa: 1519-3985

                              ISSN Versão Digital: 2176-1485



Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.