Representar a violência do passado no presente: narrações da guerrilha do Araguaia

Alessia Di Eugenio

Resumo


A literatura atual que reconstrói e narra partes do passado traumático brasileiro é também uma tentativa de enfrentar e explicar as formas da violência contemporânea. Um dos momentos sombrios do passado brasileiro é o dos 21 anos da ditadura militar. Duas autoras que não viveram pessoalmente esses eventos, Liniane Haag Brum e Adriana Lisboa, decidem escrever sobre esse momento histórico e sobre o seu “buraco negro”, representado pela brutal repressão da guerrilha do Araguaia. Embora sejam dois textos diferentes, escritos a partir de escolhas e motivações diferentes, eles são aproximados por um lado pelo desafio de contar uma parte da história de violência do próprio país a partir de uma precisa temporalidade escolhida, aquela do presente em que as autoras vivem (do “tempo do pós”); por outro lado pela capacidade de estruturação ficcional de uma relação íntima entre duas personagens que permite tentar o preenchimento do silêncio causado pelo trauma passado e a encenação de um processo de construção da pós-memoria. A narração gerada por essa escrita ficcional entre quem viveu no tempo da violência e quem tenta entender o que foi restitui a experiência da violência para quem nasceu “depois”.

Palavras-chave


Violência; Ditadura militar; Memória; Ficção; Adriana Lisboa; Liniane Haag Brum.

Texto completo:

PDF

Referências


ASSMANN, Aleida. Sette modi di dimenticare. Bologna: Il Mulino, 2019.

BRUM, Liniane Haag. Antes do Passado. O silencio que vem do Araguaia. Porto Alegre: Arquipélago, 2012.

BRUM, Liniane Haag. Antes do Passado: entre o antes e o depois. In: PIVETTA, Rejane e THOMAZ, Paulo (orgs.). Estudos de Literatura Contemporânea. Porto Alegre: Editora Zouk, 2020, pp. 159-170.

CAVARERO, Adriana. Tu che mi guardi, tu che mi racconti. Milano: Feltrinelli, 2009.

FINAZZI-AGRÒ, Ettore; VECCHI, Roberto. Pior do que assassino.... In: Estudos de Literatura Brasileira Contemporânea, 29, 2007, pp. 67-86.

GINZBURG, Jaime. Crítica em tempos de Violência. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 2012.

HALBWACHS, Maurice. I quadri social della memoria. Napoli: Ipermedium, 1997.

LISBOA, Adriana. Azul Corvo. Rio de Janeiro: Objetiva, 2014.

PETHES, Nicolas e RUCHATZ, Jens. Dizionario della memoria e del ricordo. Milano: Mondadori, 2002.

SAFATLE, Vladimir. Dois demônios. Folha de São Paulo, 11 jan. 2011. https://www1.folha.uol.com.br/fsp/opiniao/fz1101201106.htm

VECCHI, Roberto. A impossível memória de Araguaia: um patrimônio sem memorial?. In: PIVETTA, Rejane e THOMAZ, Paulo (orgs.). Estudos de Literatura Contemporânea. Porto Alegre: Editora Zouk, 2020, pp. 43-56.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2021 Letras

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

 

                      

 

                

 

                

 

    

  

   

 

  

 

 

                                     QUALIS/CAPES: Letras B2

                              ISSN Versão Impressa: 1519-3985

                              ISSN Versão Digital: 2176-1485



Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.