Do conceito de sequência didática ao de projeto didático de gênero no âmbito do ensino de português - língua materna

Maria Augusta Reinaldo, Maria Auxiliadora Bezerra

Resumo


Este estudo pretende identificar o que se entende por sequência didática (SD) e em que contextos de ensino de português ela está sendo utilizada, e descrever suas características e seus desdobramentos na ferramenta projeto didático de gênero (PDG). Realizou-se pesquisa bibliográfica e documental voltada para publicações brasileiras, entre 2004 e 2016. Fundamentam a análise estudos de didática e de didática de línguas. A análise mostra que a compreensão e o uso da expressão SD segue a concepção da didática de línguas, com alterações no contexto de ensino. Registra-se também o conceito de SD da didática de línguas e, implicitamente, o conceito da didática, ocorrendo uma sobreposição conceitual. Quanto ao conceito de PDG, este é um novo dispositivo de ensino que adota e amplia os objetivos e procedimentos da SD, sendo ainda pouco aplicado na educação básica. Palavras-chave: Gêneros textuais. Didática de línguas. Didática.

Palavras-chave


Gêneros textuais; Didática de línguas; Didática; Ensino de Português língua materna

Texto completo:

PDF

Referências


BARTON, D.; HAMILTON, H. Local literacies: Reading and writing in one comunity. Nova York: Routledge, 1998.

BAWARSHI, A.S.; REIFF, M. J. Genre: an introduction to history, theory, research, and pedagogy. West Lafayette: Parlor Press, 2010.

BEZERRA, M. A. Por que cartas de leitor na sala de aula? In: A. DIONÍSIO et al. Gêneros textuais e ensino. Rio de Janeiro: Lucerna, 2002, p. 208 - 216.

BRASIL. Base Nacional Curricular Comum. 3ª versão. Brasília: MEC, 2017.

BRASIL. Parâmetros curriculares nacionais do Ensino Fundamental – anos iniciais. Brasília: MEC, 1997.

BRASIL. Parâmetros curriculares nacionais do Ensino Fundamental – anos finais. Brasília: MEC, 1998.

BRONCKART, J.-P. Desarollo del lenguaje y didactica de las lenguas. Buenos Aires: Mino y Davila, 2007.

BRONCKART, J.-P.; PLAZAOLA GIGER, I. La transposition didactique: histoire et perspectives d’une problématique fondatrice. Pratiques, Metz, n. 97/98, p. 35-58, 1998.

CHEVALLARD, Y. La transposición didáctica: del saber sabio al saber enseñado. Buenos Aires: Aique, 1991.

COSTA-HÜBES, T. C. O processo de formação continuada dos professores no Oeste do Paraná: um resgate histórico-reflexivo da formação em Língua Portuguesa. Londrina, PR. Tese (Doutorado). Universidade Estadual de Londrina, 2008, p. 382.

CUNHA, M. C. A sequência didática: renovação e mesmice em práticas de ensino/aprendizagem do português. In: E. MENDES; J. C. CUNHA. Práticas em sala de aula de línguas: diálogos necessários entre teoria(s) e ações situadas. Campinas: Pontes, 2012, p. 119-148.

DOLZ, J. As atividades e os exercícios de língua: uma reflexão sobre a engenharia didática. DELTA, São Paulo, v. 32, n. 1, p.237-260, 2016.

DOLZ, J.; SCHNEUWLY, B. La sequénce didactique: une démarche d’enseignement de l’oral. In: J. DOLZ; B. SCHNEUWLY. Pour un enseignement de l’oral: initiation aux genres formels à l’école. Paris: Esf Éditeur, p.91-114, 1998. (Collection Didactique du Français).

DOLZ, J.; NOVERRAZ, M.; SCHNEUWLY, B. Sequências didáticas para o oral e para o escrito: apresentação de um procedimento. In: B. SCHNEUWLY; J. DOLZ. 2004. Gêneros orais e escritos na escola. [Tradução e organização Roxane Rojo e Glaís Sales Cordeiro]. Campinas: Mercado de Letras, p. 95 – 128, 2004.

FREITAS, F. I. O. Ensinando a argumentação no Ensino Médio a partir do trabalho com artigos de opinião. Campina Grande, PB. Dissertação (Mestrado). Universidade Federal de Campina Grande, 2006.

GUIMARÃES, A. M. M. Construindo propostas de didatização de gênero: desafios e possibilidades. Revista Linguagem em (Dis)curso, Tubarão, v.6, n. 3, p. 347-374, 2006.

GUIMARÃES, A. M. M.; KERSCH, D. F. A caminho da construção de projetos didáticos de gênero. In: GUIMARÃES, A. M. M.; KERSCH, D. F.(orgs.). Projetos didáticos de gênero na sala de aula de língua portuguesa. Campinas: Mercado de Letras, p.21-44, 2012.

KLEIMAN, A. B. (org.). Os significados do letramento: uma nova perspectiva sobre a prática social da escrita. Campinas: Mercado de Letras, 1995.

LINO DE ARAÚJO, D. O que é (e se como faz) sequência didática? Entrepalavras, Fortaleza, v. 3, n. 1, p. 322-334, 2013.

MACHADO, A.R; CRISTOVÃO, V. L.L. A construção de modelos didáticos de gêneros: aportes e questionamentos para o ensino de gêneros. Linguagem em (Dis)curso, Tubarão, v. 6, n. 3, p. 547-573, 2006.

MACHADO, A.R. Uma experiência de assessoria docente e de elaboração de material didático para o ensino de produção de textos na universidade. DELTA, São Paulo, v. 16, n. 1, p. 1-26, 2000.

MARCUSCHI, L. A. Letramento e oralidade no contexto das práticas sociais e eventos comunicativos. In: I. SIGNORINI (org.) Investigando a relação oral/escrito. Campinas: Mercado de Letras, 2001, p.23-50.

MASSERON, C. Présentation. Pratiques, Metz, v. 2, p. 3-4, 1996.

MORELATTI, M. R.; RABONI, P. C. A.; TEIXEIRA; L. R. M; ORTEGAL, E. M. V.; FURKOTTER, M.; RAMOS, R.C. Sequências didáticas descritas por professores de matemática e de ciências naturais da rede pública: possíveis padrões e implicações na formação pedagógica de professores. Ciências Educacionais, Bauru, v.20, n.3, p. 639-652, 2014.

OLIVEIRA, M. M. de. Sequência didática interativa no processo de formação de professores. Petrópolis: Vozes, 2013.

OLIVEIRA, M. S. Gêneros textuais e letramento. Revista Brasileira de Linguística Aplicada, Belo Horizonte, v. 10, n. 2, p. 325-345, 2010.

OLIVEIRA, M. S.; TINOCO, G. A; SANTOS, I. B. Projetos de letramento e formação de professores de língua materna. Natal: EDURN, 2011.

PETITJEAN, A. La transposition didactique en français. Pratiques, Metz, n. 97-98, p. 7-32, 1998.

RABELLO, K. R. O uso de artigos midiáticos de divulgação científica em um Projeto Didático de Gênero: uma proposta para construção do aprendizado interdisciplinar em sala de aula. Dissertação. Programa de Pós-Graduação em Linguística aplicada. São Leopoldo. RS, 2015.

RASGA, K. Sequência didática. Disponível em: . Acesso em 20 de junho de 2017.

SANTOS, A. J. dos; GROSSI, M. G. R.; PARREIRAS, Ma. de L. O blog como recurso pedagógico no processo de ensino e aprendizagem. Revista Lugares de Educação, Bananeiras, v. 4, n. 8, p. 92-109, 2014. Disponível em: . Acesso em: 12 de fevereiro de 2019.

SILVA, W. M. Implicações dos saberes docentes para a nomeação de marcadores em blogs pedagógicos. Revista Sociopoética, Campina Grande, v.2, n.13, p.7-44, 2014. Disponível em: . Acesso em: 12 de /07/2017.

ZABALA, A. A prática educativa: como ensinar. Porto Alegre, ArtMed, 1998.




DOI: http://dx.doi.org/10.5902/2176148534773

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 Letras

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.

 

                      

 

                

 

                

 

    

  

   

 

  

 

 

                                     QUALIS/CAPES: Letras A2

                              ISSN Versão Impressa: 1519-3985

                              ISSN Versão Digital: 2176-1485



Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.