As contribuições das atividades físicas para a qualidade de vida dos deficientes físicos

Ângela Teresinha ZUCHETTO

Resumo


Este estudo teve como objetivo analisar as contribuições das atividades físicas para a qualidade de vida dos deficientes físicos. Caracterizou-se como descritivo exploratório, do tipo estudo de caso. A amostra constituiu-se de 18 (dezoito) sujeitos do sexo masculino, deficientes físicos, participantes de programas regulares de atividades físicas desenvolvidos no CEFID/UDESC e CDS/UFSC, com faixa etária entre 15 (quinze) e 44 (quarenta e quatro) anos. Como instrumento de coleta de dados utilizou-se um questionário, do qual, 30 questões foram analisadas descritivamente. A maioria dos entrevistados, (72%), adquiriu a deficiência no período pós-natal, tendo como principal causa a poliomielite, (38%), seguido pela Paralisia Cerebral e Lesão Medular, ambas com 28%. Poucas comunidades onde residem, (39%), oferecem oportunidades esportivas e de lazer. Constatou-se que quase todos têm um estilo de vida saudável. Basquete e natação são os esportes preferidos. A maioria, (55%) realiza atividades físicas 3 vezes por semana, utilizando-se de lh à lh e 30m, por dia. Ressaltaram o fortalecimento da musculatura; melhoria da resistência física; a promoção da integração social e do bem-estar geral, como as principais contribuições do esporte. Destacam ainda, que realizam atividades físicas por considerarem importante, enfatizando que estas melhoram a sua qualidade de vida.


Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.5902/231654648010



Avaliação Qualis Capes (2014):

B4- Educação Física / B3- Interdisciplinar e Psicologia / B5- Educação 

Periodicidade: contínua

ISSN: 2316-5464 online

DOI: 10.5902/23165464

email: kinesisrevista@ufsm.br


 

Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial-ShareAlike 4.0 International License.