Relação entre sintomas depressivos e nível de atividade física de adolescentes do ensino médio técnico do IFCE campus Canindé

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5902/2316546465434

Palavras-chave:

Depressão, Atividade Física, Adolescentes

Resumo

O presente estudo tem como objetivo verificar a relação entre sintomas depressivos e nível de atividade física de adolescentes do ensino médio técnico do IFCE campus Canindé. Trata-se de um estudo de campo, descritivo, do tipo transversal e de abordagem quantitativa. Para avaliar os sintomas depressivos foi utilizado o questionário Inventário de Depressão Infantil (CDI) e para verificar o nível de atividade física foi utilizado o Questionário de Atividade Física (QAFA). Os resultados do estudo mostraram que 100% dos adolescentes da amostra apresentaram sintomas depressivos. Quanto ao nível de atividade física, 44.3% dos alunos mostraram-se ativos e 55.7% inativos. Conclui-se, portanto, que o teste de correlação aplicado às duas variáveis não apresentou correlação linear significativa, logo, a hipótese de correlação entre o nível de atividade física com sintomas depressivos entre os escolares dessa amostra não obteve associação estatística positiva.

Biografia do Autor

Daiane Araujo de Sousa, Professora da Rede Municipal de Quixeramobim

Daiane Araujo de Sousa
Especialista em educação Física Escolar pela Faculdade de Minas (FACUMINAS)
Licenciada em Educação Física pelo Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Ceará (IFCE)
Professora da Rede Municipal de Quixeramobim
Membra do Núcleo de Investigação em Avaliação Educacional (NiAVe).

Francisca Nimara Inácio da Cruz, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Ceará (IFCE) campus Canindé

Resumo da Biografia: Mestre em Ensino na Saúde pela Universidade Estadual do Ceará (UECE), especialista em Fisiologia do Exercício Físico pela Universidade Estadual do Ceará (UECE) e licenciada em Educação Física pelo Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Ceará campus Canindé (IFCE). É docente do curso de licenciatura em Educação Física do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Ceará (IFCE) campus Canindé.

Referências

AMERICAN PSYCHIATRIC ASSOCIATION. Manual diagnóstico e estatístico de transtornos mentais: DSM-5. 5.ed. Porto Alegre: Artmed, 2014

ALVES, C. F. A. et al. Fatores associados à inatividade física em adolescentes de 10- 14 anos de idade, matriculados na rede pública de ensino do município de Salvador, BA. Rev Bras Epidemiol, Salvador-BA, v. 4, n. 15, p.858-870, fev. 2012.

ALVES, J. G. B. et al. Prática de esportes durante a adolescência e atividade física de lazer na vida adulta. Rev Bras Med Esporte, Pernambuco, v. 11, n. 5, p.291-294, set. 2005.

ANTUNES, H. M.; CAMPOS, C. J. G. Pais e responsáveis do adolescente deprimido: buscando conhecer experiências que levaram à procura de atendimento especializado. Rev. esc. enferm. USP, São Paulo, v.41, n.2, p.205-212, jun. 2007. https://doi.org/10.1590/S0080-62342007000200005.

BATISTA, W.S, ORNELAS, F.H. Exercício Físico e Depressão: Relação entre o Exercício Físico e o Grau de Depressão. Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício, São Paulo, v.7, n.42, p.474-482. Nov/Dez. 2013. ISSN 1981-9900.

CONGRESSO INTERNACIONAL DE ATIVIDADE FÍSICA, NUTRIÇÃO E SAðDE, 2., 2017. COMPARAÇÃO DO NÍVEL DE ATIVIDADE FÍSICA EM ALUNOS DO ENSINO MÉDIO MEDIANTE A APLICAÇÃO DO IPAQ. Aracaju - Se: Editora Universitária Tirandentes, 2017. 1 p.

CORDEIRO, D. Relação entre Atividade Física, Depressão, Autoestima e Satisfação com a Vida. 2013. 69 f. Dissertação (Mestrado) - Curso de Atividade FÍsica em PopulaÇÕes Especiais, Instituto Politécnico de Santarém, Rio Maior, 2013

COSTA, R. A.; SOARES, H. L. R.; TEIXEIRA, J. A. C. BENEFÍCIOS DA ATIVIDADE FÍSICA E DO EXERCÍCIO FÍSICO NA DEPRESSÃO. Revista do Departamento de Psicologia, Rio de Janeiro, v. 19, n. 1, p.269-276, jun. 2007

CREMASCO, G. S.; BAPTISTA, M. N. Depressão, motivos para viver e o significado do suicídio para graduandos do curso de psicologia. Estudos Interdisciplinares em Psicologia, Londrina, v. 8, n. 1, p.22-37, jun. 2017.

CUNHA, J. O. C. TRANSTORNOS DEPRESSIVOS EM CRIANÇAS PORTADORAS DE LEUCEMIA LINFÓIDE AGUDA OU DE INSUFICIÊNCIA RENAL CRÔNICA TERMINAL. 2007. 109 f. Dissertação (Mestrado) - Curso de Saúde Materno Infantil, Instituto Materno Infantil Professor Fernando Figueira - Imip, Recife, 2007.

CUNHA, R. V; BASTOS, G. A. N; DUCA, G. F. D. Prevalência de depressão e fatores associados em comunidade de baixa renda de Porto Alegre, Rio Grande do Sul. Rev. bras. epidemiol., São Paulo, v. 15, n. 2, p. 346-354, jun. 2012. DÓI: https://doi.org/10.1590/S1415-790X2012000200012.

DAMBROS, D. D.; LOPES, L. F. D.; SANTOS, D. Barreiras percebidas e hábitos de atividade física de adolescentes escolares de uma cidade do sul do Brasil. DOI: 10.5007/1980-0037.2011v13n6p422. Revista Brasileira de Cineantropometria e Desempenho Humano, [s.l.], v. 13, n. 6, p.422-428, 15 nov. 2011. FapUNIFESP (SciELO). http://dx.doi.org/10.5007/1980-0037.2011v13n6p422.

FARIAS JÚNIOR, J. C. et al. Prática de atividade física e fatores associados em adolescentes no Nordeste do Brasil. Rev Saúde Pública, João Pessoa, v. 3, n. 46, p.505-515, 2012.

FARIAS JÚNIOR, J. C. et al. Validade e reprodutibilidade de um questionário para medida de atividade física em adolescentes: uma adaptação do Self-Administered Physical Activity Checklist. Revista Brasileira de Epidemiologia, v. 15, p. 198-210, 2012.

FREITAS A R. et al. Impacto de um programa de atividade física sobre a ansiedade, depressão, estresse ocupacional e síndrome de burnout dos profissionais de enfermagem no trabalho. São Paulo: Rev Latino-Am. Enfermagem. Mar-abr.22(2):332-6. 2014.

GODINHO, W.D.N. et al. Percepção dos praticantes de exercício físico sobre a relação entre a prática regular do exercício e a diminuição do grau de depressão. Coleção Pesquisa em Educação Física, Várzea Paulista, v.15, n.4, p.149-156, 2016. ISSN; 1981-4313.

GOMES, L. P. et al. Inventário de Depressão Infantil (CDI): uma revisão de artigos científicos brasileiros. Contextos Clínicos, [s.l.], v. 6, n. 2, p.95-105, 7 ago. 2013. UNISINOS - Universidade do Vale do Rio Dos Sinos. Disponível em: <http://dx.doi.org/10.4013/ctc.2013.62.03>.

GROLLI, V.; WAGNER, M. F.; DALBOSCO, S. N. P. Sintomas Depressivos e de Ansiedade em Adolescentes do Ensino Médio. Revista de Psicologia da Imed, [s.l.], v. 9, n. 1, p.87-103, 14 nov. 2017. Complexo de Ensino Superior Meridional S.A. http://dx.doi.org/10.18256/2175-5027.2017.v9i1.2123.

HALLAL, P. C. et al. Prática de atividade física em adolescentes brasileiros. Ciênc. saúde coletiva, Rio de Janeiro, v.15, supl.2, p.3035-3042, out. 2010. DÓI:https://doi.org/10.1590/S1413-81232010000800008 .

MACHADO, I. C. et al. Prevalência de sintomas depressivos entre adolescentes da rede pública de ensino. Adolescência & Saúde, Rio de Janeiro, v. 15, n. 4, p.27-35, dez. 2018

MARTINS, L. L. Prevalência de ansiedade e depressão em trabalhadores do sexo masculino e a prática regular de exercício físico. 2017. 24 f. TCC (Graduação) - Curso de Bacharel em Educação Física, Universidade do Sul de Santa Catarina, Palhoça, 2017.

OLIVEIRA, D. G. et al. Os benefícios da atividade física para indivíduos portadores de depressão. Uniítalo em Pesquisa, URL: www.Ítalo.com.br/portal/cepesq/revista eletrônica.html. São Paulo SP, v.6, n.2, p. 90-110, abr. 2016.

ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE. Depression and Other common mental disorders: global health estimates. OMS, 2017. Disponivel em: http://apps.who.int/iris/bitstream/handle/10665/22554610/WHO-MSD-MER-2017.2-eng.pdf. Acesso em: 01 de out. de 2018.

RONDINA, et al. Queixas psicológicas e pratica de atividade física: um estudo com universitários em um núcleo de assistência psicológica. Revista Eletrônica da FAINOR, v.10, n.3, p. 305-323, set./dez. 2017.

SANTOS, A. M. Depressão na adolescência e o papel da escola em conjunto com a família. 2017. 55 f. Monografia (Especialização) - Curso de Pedagogia, Faculdade de Pindamonhangaba, Pindamonhangaba-SP, 2017.

SILVA, R. C. D. et al. NÍVEL DE ATIVIDADE FÍSICA EM ADOLESCENTES ESCOLARES DO MUNICÍPIO DE RIO VERDE - GOIÁS. Revista Inspirar, Rio Verde- Go, v. 16, n. 2, p.20-25, jan/fev/mar. 2018.

SOUSA, J. G. et al. ATIVIDADE FÍSICA E HÁBITOS ALIMENTARES DE ADOLESCENTES ESCOLARES: PESQUISA NACIONAL DE SAÚDE DO ESCOLAR (PENSE), 2015. Revista Brasileira de Nutrição Esportiva, São Paulo, v. 13, n. 77, p.87-93, jan-fev 2019

VOSER, R. C. et al. MENSURAÇÃO DO NÍVEL DE ATIVIDADE FÍSICA DE ESCOLARES DA REDE PÚBLICADE ENSINO DA CIDADE DE PELOTAS-RS. Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício, Pelotas-RS, v. 11, n. 70, p.820-825, jan/dez. 2017.

ZAPAROLL, E. S.; SILVA, Ú. A H.; MAGALHÃES, S. R. Avaliação do nível de atividade física de alunos do último ano do ensino fundamental e de alunos do ensino médio. Efdeportes, Buenos Aires. v. 150, 2010.

Downloads

Publicado

12/27/2021

Como Citar

de Sousa, D. A., & da Cruz, F. N. I. (2021). Relação entre sintomas depressivos e nível de atividade física de adolescentes do ensino médio técnico do IFCE campus Canindé. Kinesis, 39(1). https://doi.org/10.5902/2316546465434

Edição

Seção

Artigos originais