Aventuras estudantis no CEFD: sonhos, trajetórias e desencantos no diretório acadêmico

Autores

  • Ana Cristina Zimmermann Escola de Educação Física e Esporte Universidade de São Paulo http://orcid.org/0000-0002-8566-9613
  • Ana Lúcia de Lima Santos Prefeitura Municipal de Jaraguá do Sul

DOI:

https://doi.org/10.5902/2316546453305

Palavras-chave:

Movimento Estudantil, Democracia, Formação Política, Universidade Pública, CEFD

Resumo

A memória é uma das maiores riquezas que podemos compartilhar. No momento em que o CEFD comemora 50 anos consideramos importante registrar nosso reconhecimento a esta instituição. O objetivo principal deste artigo é contribuir com o registro histórico do CEFD, descrevendo a perspectiva estudantil a partir das experiências de atuação no Diretório Acadêmico (DACEFD) nos anos de 1992 a 1994. Os relatos apresentam as ações realizadas seguidos de reflexões correlatas, e estão pautados na memória pessoal das autoras bem como em documentos de acervo pessoal. A defesa da universidade pública tem sido uma luta constante, renovada a cada geração, o que permite que ainda existam oportunidades de acesso ao ensino público e de qualidade. A formação política durante a graduação acompanha e fortalece a formação acadêmica que ultrapassa o âmbito das disciplinas curriculares, e se concretiza também pela oportunidade da diferença, do diálogo, da experiência do espaço público e democrático.

Biografia do Autor

Ana Cristina Zimmermann, Escola de Educação Física e Esporte Universidade de São Paulo

Departamento de Pedagogia do Movimento do Corpo Humano

Centro de Estudos Socioculturais do Movimento Humano/CESC

EEFE/USP

Referências

ALMEIDA, M.F.R de. Política educacional brasileira na década de 1990: um desserviço à cidadania. Cadernos de História da Educação, n. 4, jan./dez, p.117-131, 2005.

BLOCH, M. Apologia da História ou o ofício de Historiador. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2001.

FERREIRA, M.G. Movimento estudantil de Educação Física: em busca de raízes históricas. Uma breve reflexão. In.: Movimento Estudantil: história e perspectivas. Caderno de Debates. Executiva Nacional de Estudantes de Educação Física/ExNEEF. Coordenadoria de Ensino Pesquisa e Extensão. V.3, jul., 1995. Disponível em: https://lume.ufrgs.br/bitstream/handle/10183/106385/Volume3.pdf?sequence=1&isAllowed=y Acesso em 10 ago. 2020.

FREIRE, P. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra, 1996.

GIROUX, H.A. Os professores como intelectuais: rumo a uma pedagogia crítica da aprendizagem. Porto Alegre: Artes Médicas, 1997.

GOELLNER, S.V. A importância do conhecimento histórico na formação de professores de Educação Física e a desconstrução da história no singular. Kinesis, Santa Maria, v. 30, n. 1, p.37-55, 2012.

GÜNTHER, M. C. C.; DAMKE, M. H.; LIMA, C. R. P. A trajetória da revista Kinesis: uma leitura a partir de seus editoriais. Kinesis, Santa Maria, v. 30, n. 1, p.8-23, 2012.

LE GOFF, J. História e memória. Campinas: UNICAMP, 1990.

SEDUFSM. Histórico de Greve. Seção Sindical dos Docentes da UFSM. Disponível em: http://www.sedufsm.org.br/?secao=greve Acesso em 10 ago. 2020.

SILVA, T. T. da (Org.); HALL, S.; WOODWARD, K. Identidade e diferença. A perspectivados estudos culturais. Petrópolis: Vozes, 2000.

SOUZA, M.S.; COUTO, M.L.; MARIN, E.C. A relação entre as ciências sociais e as ciências naturais na formação em Educação Física do CEFD/UFSM. Pensar a Prática, Goiânia, v. 17, n. 1, jan./mar., p.175-190, 2014,

TELES, E; SAFATLE, V. (Orgs.). O que resta da ditadura: a exceção brasileira. São Paulo: Boitempo, 2010.

UFSM. História da Educação Física – CEFD. Santa Maria, 2020. Disponível em: https://www.ufsm.br/cursos/graduacao/santa-maria/educacao-fisica/historico/ Acesso em 10 ago. 2020.

Downloads

Publicado

12/22/2020

Como Citar

Zimmermann, A. C., & Santos, A. L. de L. (2020). Aventuras estudantis no CEFD: sonhos, trajetórias e desencantos no diretório acadêmico. Kinesis. https://doi.org/10.5902/2316546453305

Edição

Seção

Dossiê CEFD 50 anos