INFLUÊNCIA DAS FLORESTAS URBANAS NA VARIAÇÃO TERMO-HIGROMÉTRICA DA ÁREA INTRAURBANA DE CURITIBA – PR

Luciana Leal, Daniela Biondi, Antonio Carlos Batista

Resumo


http://dx.doi.org/10.5902/1980509816579

De modo a entender a influência das florestas urbanas na variação termo-higrométrica da área intraurbana da cidade de Curitiba, este trabalho teve como objetivo analisar a variação temporal e espacial da temperatura e da umidade relativa do ar em cada estação do ano e relacioná-la com a presença das florestas urbanas. Para a coleta dos dados meteorológicos foram estabelecidos 44 pontos de monitoramento em quatro transectos na malha urbana da cidade. Nestes pontos foram instalados miniabrigos meteorológicos com sensores modelo Hobo®, fixados nas hastes de sinaleiros e placas de sinalização. O monitoramento da temperatura e umidade relativa do ar foi realizado em períodos correspondentes às quatro estações do ano, com 22 dias de coleta e registro contínuo de dados em intervalos de 15 minutos. Nos quatro transectos analisados na área intraurbana de Curitiba foram encontradas diferenças termo-higrométricas significativas entre os pontos de monitoramento em todos os períodos analisados. Mesmo nas estações do ano de mais baixas temperaturas, o outono e o inverno, foram encontradas diferenças térmicas, relacionadas ao calor antropogênico. Pela análise do perfil longitudinal das temperaturas, observou-se curva semelhante ao perfil clássico das ilhas de calor urbano, com as maiores temperaturas nos locais com maior intensidade de ocupação e atividades antrópicas, como na área central e região centro-sul. As menores temperaturas foram encontradas em bairros residenciais e periféricos, como nas porções norte e noroeste do município e limite sul, além de se evidenciar o efeito do resfriamento das florestas urbanas presentes na área intraurbana, como os Parques Municipais Barigui e São Lourenço. As regiões com maior quantidade de áreas permeáveis, concentração de remanescentes florestais ou espaços verdes públicos apresentaram menores temperaturas e aumento da umidade relativa do ar.


Palavras-chave


arborização urbana; microclima urbano; temperatura do ar

Texto completo:

PDF

Referências


ANDRADE, H. O clima urbano – Natureza, escalas de análise e aplicabilidade. Finisterra, Lisboa, v. 40, n. 80, p. 67-91, 2005.

AMORIM, M. C. C. T. Intensidade e forma da ilha de calor urbana em Presidente Prudente/SP: episódios de inverno. Geosul, Florianópolis, v. 20, n. 39, p. 65-82, 2005.

DIMOUDI, A.; NIKOLOPOULOU, M. Vegetation in the urban environment: microclimatic analysis and benefits. Energy and Buildings, Lausanne, n. 35, p. 69-76, 2003.

DUMKE, E. M. S. Clima urbano / conforto térmico e condições de vida na cidade – uma perspectiva a partir do aglomerado urbano da região metropolitana de Curitiba (AU-RMC). 417 f. Tese (Doutorado em Meio Ambiente e Desenvolvimento) – Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 2007.

ELIASSON, I. The use of climate knowledge in urban planning. Landscape and Urban Planning, Amsterdam, v. 48, p. 31-44, 2000.

FORTUNIAK, K.; KLYSIK, K.; WIBIG, J. Urban–rural contrasts of meteorological parameters in Lodz. Theor. Appl. Climatol., Viena, v. 84, p. 91–101, 2006.

GARTLAND, L. Ilhas de calor: como mitigar zonas de calor em áreas urbanas. São Paulo: Oficina de Textos, 2010. 223 p.

GRIMMOND, S. Urbanization and global environmental change: local effects of urban warming. The Royal Geographical Society, London, p. 83-88, 2007.

GOMES, M. A. S.; AMORIM, M. C. C. T. Arborização e conforto térmico no espaço urbano: estudo de caso nas praças públicas de Presidente Prudente (SP). Caminhos da Geografia, Uberlândia, v. 7, n. 10, p. 94-106, 2003.

GONÇALVES, W.; PAIVA, H. N. Silvicultura Urbana: implantação e manejo. Viçosa: Aprenda Fácil, 2006. 201 p.

KOLOKOTRONI, M.; GIANNITSARIS, I.; WATKIN, R. The effect of the London urban heat island on building summer cooling demand and night ventilation strategies. Solar Energy, Kidlington, v. 80, p. 383–392, 2006.

INSTITUTO DE PESQUISA E PLANEJAMENTO URBANO DE CURITIBA. Curitiba em dados. Disponível em: Acesso em: 19 janeiro 2012.

LEAL, L. A influência da vegetação no clima urbano da cidade de Curitiba – PR. 172 p. Tese (Doutorado em Engenharia Florestal) – Universidade Federal do Paraná. Curitiba, 2012.

MENDONÇA, F. A.; DANNI-OLIVEIRA, I. M. Climatologia: noções básicas e climas do Brasil. v. 1. São Paulo: Oficina de Texto, 2007. 206 p.

MENDONÇA, F. A.; DUBREUIL, V. Termografia de superfície e temperatura do ar na RMC (região metropolitana de Curitiba / PR). R. Ra’ega, Curitiba, n. 9, p. 25-35, 2005.

MILLER, R.W. Urban Forestry: Planning and managing urban greenspaces. 2ª ed. New Jersey: Prentice-Hall, 1997. 502 p.

OKE, T. R. Review of urban climatolology: 1973 - 1976. WMO Technical Note, Geneve, n.169, 1974.

OKE, T. R. The distinction between canpoy layer and boundary-layer urban heat islands. Atmosphere, v. 14, n. 4, p. 268-277, 1976.

OKE, T. R. Siting and exposure of meteorological instruments at urban sites. In: BORREGO, C.; NORMAN, A. Air pollution modeling and its application XVII. New York: Springer, 2007. p. 615-631.

OLIVEIRA, M. Perfil ambiental de uma metrópole brasileira: Curitiba, seus parques e bosques. Revista Paraná Desenvolv., Curitiba, n. 88, maio/agosto, p. 37-54, 1996.

PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA. Áreas Verdes. 2011. Disponível em Acesso em: 10 junho 2011.

PILOTTO, A. S. Área metropolitana de Curitiba: um estudo a partir do espaço intraurbana. 196 f. Dissertação (Mestrado em Planejamento Urbano) - Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2010.

SPROKEN-SMITH, R. A; OKE, T. R. Scale modelling of nocturnal cooling in urban parks. Boundary-Layer Meteorology, Dordrecht, v. 93, p. 287–312, 1999.

UPMANIS, H., ELIASSON, I., LINDQVIST, S. The influence of green areas on nocturnal temperatures in a high latitude city (Goeteborg, Sweden). Int. J. Climatol., Malden, v. 18, p. 681-700, 1998.

VIEIRA, C. H. S. D.; BIONDI, D. Análise da dinâmica da cobertura vegetal de Curitiba, PR (de 1986 a 2004), utilizando imagens Landsat TM. Árvore, Viçosa, v. 32, n. 3, p. 479-487, 2008.

WORLD METEOROLOGICAL ORGANIZATION. Guide to meteorological instruments and methods of observation. 7.nd. Geneva: WMO, 2008. Disponível em: Acesso em: 31 julho 2009.

WONG, N. H.; YU, C. Study of green areas and urban heat island in a tropical city. Habitat International, Oxford, v. 29, p. 547-558, 2005.

XU, J.; WEI, Q.; HUANG, X.; ZHU, X.; GUANGMING, L. Evaluation of human thermal comfort near urban waterbody during summer. Building and Environment, Oxford, v. 45, p. 1072–1080, 2010.

YU, C.; HIEN, W. N. Thermal benefits of city parks. Energy and Buildings, Lausanne, v. 38, p. 105-120, 2006.




DOI: http://dx.doi.org/10.5902/1980509816579