Jogos matemáticos: análise de propostas inclusivas para potencializar o cálculo mental

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5902/1984686X63445

Palavras-chave:

Desenho Universal para a Aprendizagem, Cálculo Mental, Jogos.

Resumo

Este artigo discute sobre a formação do pensamento matemático em um estudante com deficiência visual, procurando reconhecer condições de aprendizado de conteúdos matemáticos específicos por meio de jogos. Tem por objetivo apresentar os resultados parciais da pesquisa que analisou o desenvolvimento do cálculo mental de um estudante cego, na utilização de operações básicas aritméticas, recorrendo a jogos adaptados e desenvolvidos na perspectiva do Desenho Universal para a Aprendizagem. A fundamentação teórica deste artigo apresenta os princípios do Desenho Universal para a Aprendizagem, uma breve discussão sobre os jogos como instrumento de ensino dentro de sala de aula, além de trazer a compreensão adotada sobre o cálculo mental e a sua importância. Esta pesquisa, de caráter qualitativo, pretende expor a adaptação/criação de dois jogos, analisando-os como possíveis potencializadores de aprendizagem em relação ao cálculo mental para todos os estudantes, inclusive para o discente cego participante, o que vai ao encontro da principal premissa do Desenho Universal para a Aprendizagem, a possibilidade de aprendizagem e desenvolvimento de todos com equiparação de oportunidades. A partir da pesquisa realizada, notaram-se indícios do desenvolvimento do cálculo mental do estudante foco, potencializado a partir dos jogos, assim como a necessidade de continuidade de estudos e pesquisas, dada a dificuldade de generalização de tais resultados.

Biografia do Autor

Amanda Pasinato Cruz, Universidade Tecnológica Federal do Paraná, Curitiba, PR

Graduada pela Universidade Tecnológica Federal do Paraná, Curitiba, PR, Brasil.

Maria Lucia Panossian, Universidade Tecnológica Federal do Paraná, Curitiba, PR

Professora doutora da Universidade Tecnológica Federal do Paraná, Curitiba, PR, Brasil.

Referências

ALMEIDA, Sandro Henrique Vieira de; ANTUNES, Mitsuko Makino. A Teoria Vigotskiana Sobre Memória: Possíveis implicações para a educação. GT 20: Psicologia da Educação. 28ª Reunião Anual da AMPEd. n. 20. out. 2005. Disponível em: http://28reuniao.anped.org.br/gt20.htm. Acesso em: 23 ago. 2019.

ANANIAS, Bárbara Ribeiro; PESSOA, Cristiane Azevêdo dos Santos. O Uso do Material Manipulativo e do Cálculo Mental na Resolução de Problemas de Multiplicação por Alunos do 3° ano do Ensino Fundamental. Cadernos do IME - Série Matemática (online). v. 9. 2015. Disponível em: https://www.e-publicacoes.uerj.br/index.php/cadmat/article/view/15289/16064. Acesso em: 20 jun. 2019.

CARVALHO, Renata; PONTE, João Pedro da. Práticas de ensino com cálculo mental. In: CANAVARRO, L. et al. Práticas de ensino da Matemática: Atas do Encontro de Investigação em Educação Matemática (p. 361-370). Lisboa: SPIEM. 2012. Disponível em: https://repositorio.ul.pt/handle/10451/7067. Acesso em: 26 ago. 2019.

CORSO, Luciana Vellinho; DORNELES, Beatriz Vargas. Qual o Papel que a Memória de Trabalho Exerce na Aprendizagem da Matemática? Bolema. Rio Claro (SP). v. 26. n. 42B. p. 627-647. abr. 2012. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0103-636X2012000200011&script=sci_abstract&tlng=pt. Acesso em: 17 ago. 2019.

GRANDO, Regina Célia. O conhecimento matemático e o uso de jogos na sala de aula. Orientadora: Lucila Diehl Tolaine Fini. 239p. Tese, Doutorado em Educação, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2000. Disponível em: https://pedagogiaaopedaletra.com/wp-content/uploads/2012/10/O-CONHECIMENTO-MATEM%C3%81TICO-E-O-USO-DE.pdf. Acesso em: 15 jan. 2020.

KRANZ, Cláudia Rosana. Os Jogos com Regras na Educação Matemática Inclusiva. Orientador: Iran Abreu Mendes. 146p. Dissertação, Pós-Graduação em Educação, Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN). Natal. jul. 2011. Disponível em: http://repositorio.ufrn.br:8080/jspui/handle/123456789/18327. Acesso em: 02 mar. 2020

MOURA, Manoel Oriosvaldo de. O Jogo e a Construção do Conhecimento Matemático. Publicação séries e ideias. n. 10. São Paulo 1992. Disponível em: http://www.crmariocovas.sp.gov.br/pdf/ideias_10_p045-053_c.pdf. Acesso em: 20 mar. 2019.

MOURA, Manoel Oriosvaldo de. et al. Atividade Orientadora de Ensino: Unidade entre ensino e aprendizagem. Revista Diálogo Educacional. Curitiba. v. 10. n. 29. p. 205-229. jan./abr. 2010. Disponível em: https://periodicos.pucpr.br/index.php/dialogoeducacional/article/view/3094/3022. Acesso em: 20 abr. 2019.

MUNIZ, Cristiano Alberto. Brincar e jogar: Enlaces teóricos e metodológicos no campo da educação matemática. 2. ed. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2014. (Tendências em Educação Matemática, 20).

SILVA, Bolívar Fernandes da. MORAES, Maria Christina Schettert. PERANZONI, Vaneza Cauduro. Jogos Matemáticos: Uma proposta facilitadora do processo de ensino-aprendizagem de deficientes visuais. Revista de Extensão da Universidade de Cruz Alta: Cataventos. v. 1. n. 1. p. 1-15. 2009. Disponível em: http://revistaeletronica.unicruz.edu.br/index.php/Cataventos/article/view/438. Acesso em: 25 mai. 2019.

VYGOTSKY, Lev Semenovich. A Formação Social da Mente: O desenvolvimento dos processos psicológicos superiores. São Paulo: Martins Fontes, 4ª ed. Brasileira, 1991. Disponível em: https://edisciplinas.usp.br/pluginfile.php/3317710/mod_resource/content/2/A%20formacao%20social%20da%20mente.pdf. Acesso em: 27 fev. 2020.

VYGOTSKY, Lev Semenovich, 1869-1934. A construção do pensamento e da linguagem. Tradução Paulo Bezerra. São Paulo: Martins Fontes, 2000. Disponível em: https://edisciplinas.usp.br/pluginfile.php/2477794/mod_resource/content/1/A%20construcao%20do%20pensamento%20e%20da%20linguagem.pdf. Acesso em: 27 fev. 2020.

Downloads

Publicado

2021-05-27

Como Citar

Cruz, A. P., & Panossian, M. L. (2021). Jogos matemáticos: análise de propostas inclusivas para potencializar o cálculo mental. Revista Educação Especial, 34, e23/1–22. https://doi.org/10.5902/1984686X63445