A ambivalência dos efeitos da avaliação externa das escolas nas práticas escolares

Joana Raquel Faria de Sousa, José Augusto Pacheco

Resumo


O presente artigo procura descrever a Avaliação Externa das Escolas em Portugal através de um breve enquadramento nas políticas educativas Europeias, numa lógica de reciprocidade entre os níveis nacional e transnacional, com o objetivo de refletir em torno das seguintes questões: A Avaliação Externa das Escolas promove a qualidade educativa? Que efeitos produz a Avaliação Externa das Escolas nas práticas docentes? Se, por um lado, existem vários estudos que destacam o facto de a Avaliação Externa das Escolas promover uma abordagem transformadora e formativa nas práticas escolares, através de consequências mais ou menos diretas, por outro, há estudos que clarificam que esses efeitos se refletem com pouca profundidade na realidade pedagógica. É neste contexto ambíguo que se pretende aprofundar a reflexão sobre a Avaliação Externa das Escolas e respetivos efeitos nas práticas escolares, nomeadamente, nas dimensões curricular e pedagógica, recorrendo às conclusões de vários estudos nacionais e internacionais para aprofundar a discussão.


Palavras-chave


Avaliação Externa das Escolas; Accountability; Responsabilidade; Efeitos.

Texto completo:

PDF

Referências


AFONSO, A. J. Nem tudo o que conta em educação é mensurável ou comparável. Crítica à accountability baseada em testes estandardizados e rankings escolares. Revista Lusófona de Educação, n.13, p. 13-29, 2009. Disponível em: http://revistas.ulusofona.pt/index.php/rleducacao/article/view/545. Acesso em: 7 mar. 2018.

ANTUNES, F. Economising education: From the silent revolution to rethinking education. A new moment of Europeanisation of education?. European Educational Research Journal, n.15 (4), p. 410-427, 2016. Disponível em: http://journals.sagepub.com/doi/abs/10.1177/1474904116641696. Acesso em: 27 abr. 2018.

BALL, S. J. Education, Governance and the Tyranny of Numbers. Journal of Education Policy, n. 30 (3), p. 299–301, 2015. Disponível em: https://www.tandfonline.com/doi/abs/10.1080/02680939.2015.101327. Acesso em: 18 mai. 2018.

BALL, S. J. Global Education Inc. New Policy Networks and the Neoliberal Imaginary. London: Routledge, 2012.

BARREIRA, C.; BIDARRA, M. G.; VAZ-REBELO, M. (Org.). Estudos sobre Avaliação Externa de Escolas. Porto: Porto Editora, 2016.

BELLONI, I.; BELLONI, J. A. Questões e propostas para uma avaliação formativa institucional. In: FREITAS, L. C. (Org.). Avaliação de escolas e universidades. Campinas: Editora Komedi, 2003, p. 9-57.

BERNSTEIN, B. Class, Codes and Control. Theoretical studies towards a Sociology of Language (Vol. I). London: Routledge, 1971/2003.

BOWE, R.; BALL, S.; GOLD, A. Reforming Education and Changing Schools: case studies in policy sociology. London: Routledge, 1992.

DATNOW, A.; PARK, V. Large-Scale Reform in the Era of Accountability: The System Role in Supporting Data-Driven Decision Making. In: HARGREAVES, A.; LIEBERMAN, M.; FULLAN, M.; HOPKINS D. (Eds.). Second International Handbook of Educational Change. London: Springer, 2016, p. 209-220.

EHREN, M. C. M.; GUSTAFSSON, J. E.; ALTRICHTER, H.; SKEDSMO, G.; KEMETHOFER, D.; HUBER, S. G. Comparing effects and side effects of differente school inspection systems across Europe. Comparative Education, n.51 (3), p. 275-400, 2015. Disponível em: https://www.tandfonline.com/doi/abs/10.1080/03050068.2015.1045769?journalCode=cced20. Acesso em: 11 mai. 2018.

EUROPEAN COMISSION/EACEA/EURYDICE. Garantia da Qualidade na Educação: Políticas e Abordagens à Avaliação das Escolas na Europa. Relatório Eurydice. Luxemburgo: Serviço de Publicações da União Europeia, 2015. Disponível em: http://eacea.ec.europa.eu/education/eurydice. Acesso em: 4 jan. 2017.

FIGUEIREDO, C. Avaliação de Escolas: Políticas, conceitos, processos e impactos. [Tese de Doutoramento]. Porto: Universidade do Porto, 2017. Disponível em: http://hdl.handle.net/10216/105882. Acesso em: 28 jan. 2018.

GOODSON, I. F. A Construção Social do Currículo. Lisboa: EDUCA, Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação, 1997.

GOODSON, I. F. Narrativas em Educação: a Vida e a Voz dos Professores. Porto: Porto Editora, 2015.

GREK, S. Governing by numbers: The PISA effect in Europe. Journal of Education Policy, n. 24 (1), p. 23–37, 2009. Disponível em: https://www.tandfonline.com/doi/abs/10.1080/02680930802412669. Acesso em: 14 fev. 2016.

GREK, S.; LAWN, M.; OZGA, J.; SEGERHOLM, C. Governing by inspection? European inspectorates and the creation of a European education policy space. Comparative Education, n. 49 (4), p. 486-502, 2013. Disponível em: https://www.tandfonline.com/doi/abs/10.1080/03050068.2013.787697. Acesso em: 20 fev. 2016.

HULT, A.; EDSTRÖM, C. Teacher ambivalence towards school evaluation: promoting and ruining teacher professionalism. Education Inquiry, n. 7 (3), p. 305-325, 2016. Disponível em: https://www.tandfonline.com/doi/full/10.3402/edui.v7.30200. Acesso em: 31 mai. 2018.

IGE. Avaliação Externa das Escolas: avaliar para a melhoria e a confiança - 2006-2011. Lisboa: Ministério da Educação, 2011. Disponível em: http://www.ige.min-edu.pt/upload/Relatorios/AEE_2006_2011_RELATORIO.pdf. Acesso em: 31 mai. 2018.

IGE. Quadro de Referência para a Avaliação de Escolas e Agrupamentos de Escolar. Avaliação Externa das Escolas 2010-2011, 2010. Disponível em: http://www.ige.min-edu.pt/upload/AEE_2011/AEE_10_11_Agenda_Visitas_ES3.pdf. Acesso em: 31 mai. 2018.

IGEC. Escala de avaliação. Avaliação Externa das Escolas 2016-2017. Lisboa: Inspeção-Geral da Educação e Ciência, 2016a. Disponível em: http://www.ige.min-edu.pt/upload/AEE_2016-2017/AEE_16_17_(3)_Escala_de_Avaliacao.pdf. Acesso em: 31 mai. 2018.

IGEC. Quadro de Referência para a Avaliação Externa das Escolas. Avaliação Externa das Escolas 2016-2017. Lisboa: Inspeção-Geral da Educação e Ciência, 2016b. Disponível em: http://www.ige.min-edu.pt/upload/AEE_2016-2017/AEE_16_17_(1)_Quadro_de_Referencia.pdf. Acesso em: 31 mai. 2018.

LATOUR, B. Science in action: How to Follow Scientists and Engineers through Society. Cambridge: Harvard University Press, 1987.

LAWN, M.; LINGARD, B. Constructing a European Policy Space in Educational Governance: the role of transnational policy actors. European Educational Research Journal, n.1 (2), p. 290-307, 2002.

Lingard, B.; Sellar, S.; Baroutsis, A. Researching the habitus of global policy actors in education. Cambridge Journal of Education, n. 45 (1), p. 25-42, 2015. Disponível em: https://www.tandfonline.com/doi/abs/10.1080/0305764X.2014.988686?journalCode=ccje20. Acesso em: 19 mai. 2018.

MACBEATH, J. Scotland: Schools speaking for themselves. In: Nevo D. (Ed.). School-based evaluation: An international perspective. Oxford: Emerald Group Publishing Limited, 2002. p. 243-259.

MACKINNON, N. The urgent need for new approaches in school evaluation to enable Scotland’s curriculum for excellence. Educational Assessment Evaluation and Accountability, n.23, 89–106, 2011.

MARQUES, M.; SOUSA, J.; COSTA, N.; PACHECO, J. A. Efeitos da Avaliação Externa das Aprendizagens no Desenvolvimento Profissional de Professores de Matemática do Ensino Básico em Portugal. Revista Meta: Avaliação, n.7 (19), 58-84, 2015. Disponível em: http://revistas.cesgranrio.org.br/index.php/metaavaliacao/article/view/781. Acesso em: 12 fev. 2018.

NEVO, D. Dialogue evaluation: Combining internal and external evaluation. In: NEVO, D. (Ed.). School-based evaluation: An international perspective. Oxford: Emerald Group Publishing Limited, 2002. p. 3-16.

NÓVOA, A. The Blindness of Europe: New Fabrications in the European Educational Space. Sisyphus, n.1 (1), p. 104-123, 2013. Disponível em: http://revistas.rcaap.pt/sisyphus/article/view/2832. Acesso em: 23 fev. 2018.

NUNES, J.; MATIAS, M.; COSTA, S.; JESUÍNO, J.; CARVALHO, S.; DIEGO, C. Public Accountability: The Portuguese ‘Landscape’. Coimbra: Centro de Estudos Sociais, 2003.

O´NEILL, O. Intelligent accountability in education. Oxford Review of Education, n. 39 (1), p. 4-6, 2013. Disponível em: https://www.tandfonline.com/doi/abs/10.1080/03054985.2013.764761?journalCode=core20. Acesso em: 23 nov. 2017.

OLIVEIRA, D. Qualidade da educação em Portugal: o papel da avaliação externa de escolas. [Tese de Doutoramento]. Aveiro: Universidade de Aveiro, 2017.

PACHECO, J. A. (Org.). Avaliação externa de escolas: Quadro teórico/conceptual. Porto: Porto Editora, 2014.

PACHECO, J. A. Resultados globais do projeto. In: BARREIRA, C.; BIDARRA, M. G.; VAZ-REBELO, M. (Org.). Estudos sobre Avaliação Externa de Escolas. Porto: Porto Editora, 2016. p. 264-271.

PACHECO, J. A.; SEABRA, F.; MORGADO, J. C.; HATTUM-JANSSEN, N. Avaliação externa. Para a referencialização de um quadro teórico sobre o impacto e efeitos nas escolas do ensino não superior. In: PACHECO, J. A. (Org.). Avaliação externa de escolas: Quadro teórico/conceptual (pp. 15-48). Porto: Porto Editora, 2014.

PAULOS, L.; VALADAS, S.; GONÇALVES, F. Impacto e efeitos da avaliação externa de escolas: a perspetiva das lideranças a partir de um estudo de caso. In: BARREIRA, C.; BIDARRA, M. G.; VAZ-REBELO, M. (Org.). Estudos sobre Avaliação Externa de Escolas. Porto: Porto Editora, 2016. p. 190-210.

PENNINCKX, M. Effects and side effects of school inspections: A general framework. Studies in Educational Evaluation, n. 52, p. 1–11, 2017. Disponível em: https://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S0191491X16300311. Acesso em: 12 mai. 2018.

PENNINCKX, M.; VANHOOF, J.; DE MAEYER, S.; VAN PETEGEM, P. Explaining effects and side effects of school inspections: a path analysis. School Effectiveness and School Improvement, n.27 (3), p. 333-347, 2015. Disponível em: http://www.tandfonline.com/doi/abs/10.1080/09243453.2015.1085421?journalCode=nses20. Acesso em: 11 mai. 2018.

PINAR, W. F. Educational experience as lived: Knowledge, history, alterity. New York: Routledge, 2015a.

PINAR, W. F. Foreword. In: HENDERSON, J. G., et al. Reconceptualizing CURRICULUM development. Inspiring and informing action. New York: Routledge, 2015b. p. XI-XVI.

PINAR, W. F. What is Curriculum Theory?. London: Lawrence Erlbaum Associates, Publishers, 2004.

PINAR, W. F. Working from within, together. In: DOLL, M. A. (Ed.). The reconceptualization of curriculum studies. A festschrift in honor of William F. Pinar. New York: Routledge, 2017. p. 194-205.

PRIESTLEY, M.; BIESTA, G.; ROBINSON, C. Teachers as agents of change: Teacher agency and emerging models of curriculum. In: PRIESTLEY, M.; BIESTA, G. (Eds.). Reinventing the curriculum: New trends in curriculum policy and practice. London: Bloomsbury Academic, 2013. p. 187–206.

SAMPAIO, M. Avaliação externa de escolas e programa TEIP: que lugar(es) para a justiça social? [Tese de Doutoramento]. Porto: Universidade do Porto, 2018. Disponível em: http://hdl.handle.net/10216/111853. Acesso em: 16 mai. 2018.

SAMPAIO, M.; FIGUEIREDO, C.; LEITE, C.; FERNANDES, P. Efeitos da avaliação externa de escolas nos processos de autoavaliação: Convergências e tendências de ação. In: BARREIRA, C.; BIDARRA, M.; VAZ-REBELO, M. (Org.). Estudos sobre Avaliação Externa de Escolas. Porto: Porto Editora, 2016. p. 38-53.

SCHEERENS, J. School self-evaluation: Origins, definition, approaches, methods and implementation. In: Nevo, D. (Ed.). School-based evaluation: An international perspective. Oxford: Emerald Group Publishing Limited, 2002. p. 35-73.

SILVESTRE, M.; SARAGOÇA, J.; FIALHO, I. Do referencial da avaliação externa à criação de um modelo de autoavaliação. In: BARREIRA, C.; BIDARRA, M.; VAZ-REBELO, M. (Org.). Estudos sobre Avaliação Externa de Escolas. Porto: Porto Editora, 2016. p. 12-35.

SOUSA, J. Avaliação Externa das Escolas: uma leitura do contexto europeu à autoavaliação significativa. In MORGADO, J. C.; SOUSA, J.; MOREIRA, A. F.; VIEIRA, A. (Orgs.). Currículo, Formação e Internacionalização: desafios contemporâneos. Centro de Investigação em Educação (CIEd), Instituto de Educação, Universidade do Minho, 2018. p. 143-158.

SOUSA, J.; COSTA, N.; MARQUES, M.; PACHECO, J. A. Avaliação externa de escolas. Um metaestudo. Revista Educação, Sociedade & Culturas. Dossier Temático “A avaliação das escolas: políticas, perspetivas e práticas”, 47, p. 53-72, 2016. Disponível em: http://hdl.handle.net/1822/42760. Acesso em: 12 jan. 2018.

SOUSA, J.; COSTA, N.; RODRIGUES, E.; QUEIRÓS, H.; LAMELA, C.; SEABRA, F.; MORGADO, J. C. Avaliação externa e seus efeitos: a perspetiva dos atores escolares. In: BARREIRA, C.; BIDARRA, M.; VAZ-REBELO, M. (Org.). Estudos sobre Avaliação Externa de Escolas. Porto: Porto Editora, 2016. p. 232-261.

SOUSA, J.; PACHECO, J. A. Perceções dos docentes sobre a Avaliação Externa das Escolas em Portugal. Revista Roteiro, n.43 (1), p. 237-258, 2018. Disponível em: http://editora.unoesc.edu.br/index.php/roteiro/article/view/15852. Acesso em: 23 mai. 2018.

SPENCER, H. Herbert Spencer essays on education and kindred subjects. London: Everyman's Library, 1861/1966.

SPERLING, V. Altered states: the globalization of accountability. Cambridge: Cambridge University Press, 2009.

STEINER-KHAMSI, G. Transferring education, displacing reforms. In: Schriewer, J. (Ed.). Discourse formation in Comparative Education (4.ª Ed.). Frankfurt: Peter Lang, 2012. p. 155–187.

Sugrue, C. Curriculum development and school leadership: unattainable responsibility or realistic ambition. In: Wyse, D.; Hayward, L.; Pandya, J. (Ed.). The Sage Handbook of Curriculum, Pedagogy and Assessment. London: Sage Publications, 2016. p. 997-1104.

TAUBMAN, P. Teaching by numbers. New York: Routledge, 2009.

VAN BRUGGEN, J. C. Inspectorates of Education in Europe; some comparative remarks about their tasks and work. Brussels: SICI, 2010. Disponível em: https://www.bera.ac.uk/wp-content/uploads/2014/02/BERA-Ethical-Guidelines-2011.pdf?noredirect=1. Acesso em: 30 jan. 2018.

WAHLSTRÖM, N.; SUNDBERG, D. Discursive institutionalism: towards a framework for analysing the relation between policy and curriculum. Journal of Education Policy, n.33 (1), p. 163-183, 2018. Disponível em: https://www.tandfonline.com/doi/abs/10.1080/02680939.2017.1344879. Acesso em: 19 mai. 2018.




DOI: http://dx.doi.org/10.5902/1984686X33039

CONTATO:

E-mail: revistaeducacaoespecial.ufsm@gmail.com

Universidade Federal de Santa Maria (UFSM)
Centro de Educação - Lapedoc
Av. Roraima, 1000 - Cidade Universitária
97105-900 - Santa Maria - RS, Brasil.
Telefone: +55 55 3220 8795

Link: https://periodicos.ufsm.br/educacaoespecial

 

ISSN eletrônico: 1984-686X

DOI10.5902/1984686X

Qualis/Capes: Educação A2

 

 

Periodicidade – Trimestral

Primeiro trimestre, jan./mar., limite para publicar a edição 31 março.

Segundo trimestre, abr./jun., limite para publicar a edição 30 junho.

Terceiro trimestre, jul./set., limite para publicar a edição 30 setembro.

Quarto trimestre, out./dez., limite para publicar a edição 31 dezembro.

Os dizeres acima dizem respeito somente à data de publicação da edição e não ao envio de artigos.

O recebimento de artigos caracteriza-se por fluxo contínuo sem que seja possível prever a data de sua publicação.

 

 Creative Commons License

This work is licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial 4.0 International (CC BY-NC 4.0)

Contador de visitas
click counter
Contador de visitas

Acessos a partir de 30/11/2016

____________________________________________________