Rendimento volumétrico e energético de clones de híbridos de Eucalyptus sp. no polo gesseiro do Araripe, PE

Fernando Henrique de Lima Gadelha, José Antônio Aleixo da Silva, Rinaldo Luiz Caraciolo Ferreira, Ivan Vieira de Melo, Danillo Lobo Jorge, José Alves Tavares, Sergio Peres Ramos da Silva

Resumo


http://dx.doi.org/10.5902/198050985740

O presente trabalho teve como objetivo avaliar o rendimento volumétrico e energético produzido por três diferentes clones de híbridos de Eucalyptus sp.: C39 Híbrido de Eucalyptus urophylla (cruzamento natural); C41 Híbrido de Eucalyptus urophylla (cruzamento natural) e C11 Híbrido de Eucalyptus brassiana (cruzamento natural). Para a quantificação do volume de madeira foi utilizado o processo de cubagem rigorosa pelo método de Smalian. A densidade básica da madeira e o poder calorífico foram determinados, respectivamente pelas normas ABNT (1984 e 2003). O consumo de lenha foi obtido por meio do acompanhamento da calcinação da gipsita. O delineamento utilizado no experimento foi o inteiramente aleatório. As produtividades volumétricas de tais clones foram, respectivamente, 158,46, 132,20 e 164,89 m³/ha aos 7,5 anos de idade, apresentando rendimentos durante a calcinação da gipsita de 0,16, 0,10 e 0,13 metros cúbicos de lenha por tonelada de gesso produzida, quando a lenha foi utilizada em forma de toras. Para a lenha em cavacos os rendimentos foram de 0,11, 0,08 e 0,09 metros cúbicos por tonelada de gesso, resultados bem acima dos melhores rendimentos da lenha de vegetação nativa, que são de 0,16 metros cúbicos por tonelada.

Palavras-chave


Polo Gesseiro do Araripe; eucaliptocultura; demanda energética

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.5902/198050985740

Licença Creative Commons