Estresse hídrico no metabolismo e crescimento inicial de mudas de Mutambo (Guazuma ulmifolia Lam.)

Silvana de Paula Quintão Scalon, Rosilda Mara Mussury, Verusca Luzia de Mello Euzébio, Flavia Mitsuko Kodama, Camila Kissmann

Resumo


Este trabalho teve como objetivo avaliar o crescimento inicial das mudas de Guazuma ulmifolia (mutambo) sob diferentes regimes hídricos. As mudas receberam os seguintes tratamentos de água: 100%, 50%, 25% e 12,5% da capacidade de campo e foram avaliadas aos 35 e 83 dias de cultivo nos diferentes tratamentos. A sobrevivência das mudas a 12,5%cc foi menor que nos demais tratamentos, podendo ser avaliadas apenas aos 35 dias. A altura, diâmetro, área foliar, massas seca de parte aérea e raiz foram maiores sob maior disponibilidade de água, entretanto o comprimento médio das raízes não variou entre os tratamentos. A condutância estomática, fotossíntese e transpiração foram menores sob 12,5%cc, porém a eficiência no uso da água não variou entre as diferentes cc. A taxa assimilatória líquida, taxa de crescimento relativo, razão de área foliar e a abertura dos ostíolos diminuíram com as menores cc. Para a produção de mudas de Guzuma ulmifolia o regime hídrico na fase inicial deve ser de 100% da capacidade de campo, porém as mudas crescem satisfatoriamente sob 50%cc. Abaixo de 25%cc as mudas entram em estresse hídrico antes dos 35 dias de cultivo.


Palavras-chave


ecofisiologia; déficit hídrico; árvore nativa

Texto completo:

PDF

Referências


BANZATTO, D. A.; KRONKA, S. N. do. Experimentação agrícola. Jaboticabal: FUNEP, 2003. 247 p.

BATISTA, C. U. N. et al. Tolerância à inundação de Cecropia pachystachya Trec. (Cecropiaceae): aspectos ecofisiológicos e morfoanatômicos Acta Botânica Brasilica. São Paulo, v. 22, n. 1, p. 91-98, jan./mar.2008

BRANDÃO, M. et al. Árvore nativas e exóticas do estado de Minas Gerais. 2002. p. 99- 478.

BENINCASA, M. M. P. Análise de crescimento de plantas (Noções básicas). Jaboticabal: FCVA-UNESP, 2003. 41 p.

CABRAL, E. L et al. Crescimento de plantas jovens de Tabebuia áurea (Manso) Benth. & Hook. F. ex S. Moore submetidas a estresse hídrico. Acta Botânica Brasilica. São Paulo, v. 18, n. 2, p. 1-16, abr./jun.2004.

CARVALHO, P. E. R Espécies arbóreas brasileiras. Brasília: Embrapa Informação Tecnológica; Colombo: Embrapa Florestas, 2006. 627 p.

EVANS, J.R.; EDWARDS, E. Nutrient uptake and use in plant growth. In: Net Ecosystem exchange CRC Workshop, 2001, Canberra. Proceedings. Canberra:Cooperative Research Centre for Greenhouse Accoting, 2001. p.75-81.

FIGUEIROA, M. F. et al. Crescimento de plantas jovens de Myracrodruon urundeuva Allemão (Anacardiaceae) sob diferentes regimes hídricos. Acta Botânica Brasilica, São Paulo v. 18, n. 3, p. 1-14., jul./set. 2004.

GOMES, M. M. A. et al. Interactions between leaf water potential, stomatal conductance and abscisic acid content of orange trees submitted to drought stress. Brazilian Journal of Plant Physiology, Londrina, v. 16, n. 3, p. 155-161, Sept./Dec.2004.

HSIAO, T. C.; XU, L. K. Sensitivity of growth of roots versus leaves to water stress: biophysical analysis and relation to water transport. Journal of Experimental Botany, Oxford, v. 51, n. 350, p. 1595-1616, Sept. 2000.

LARCHER, W. Ecofisiologia vegetal. São Paulo: Rima Artes e Textos, 2000. 531 p.

LORENZI, H. Árvores brasileiras: manual de identificação e cultivo de plantas arbóreas nativas do Brasil. Nova Odessa: Ed Plantarum, 2002. v.1, p. 343.

MEDRANO H, et al. Regulation of photosynthesis of C3 plants in response to progressive drought: stomatal conductance as a reference parameter. Annals of Botany, Oxford, v. 89, n. 4, p. 895-905, Apr. 2002.

NIETSCHE, S. et al. Tamanho da semente e substratos na germinação e crescimento inicial de mudas de cagaiteira. Ciência e Agrotecnologia, Lavras, v. 28, n. 6, p. 1321-1325, nov./dez.2004.

NOGUEIRA, R. J. M. C.; SILVA, E. C. Comportamento estomático em plantas jovens de Schinopsis brasiliensis Engl. cultivadas sob estresse hídrico. Iheringia: Série Botânica, v. 57, n. 1, p. 31-38, jan./jul. 2002.

PARRY, M. A. J. et al. Rubisco activity: effects of drought stress. Annals of Botany, v, 89, n. 3, p. 833-839, Mar. 2002.

PORTES, M. T. et al. Water deficit affects photosynthetic induction in Bauhinia forficata Link (Fabaceae) and Esenbeckia leiocarpa Engl. (Rutaceae) growing in understorey and gap conditions Brazilian Journal of Plant Physiology, Londrina, v. 18, n. 4, p. 491-512, Oct./Dec.2006.

QUEIROZ, C. G. S. et al. Atividade fotossintética e peroxidação de lipídios de membrana em plantas de aroeira-do-sertão sob estresse hídrico e após reidratação. Brazilian Journal of Plant Physiology, Londrina, v. 14, n. 1, p. 59-63, Jan./Apr. 2002.

SANTIAGO, A. M. P. et al. Crescimento de plantas jovens de Mimosa caesalpiniifolia BENTH cultivada sob estresse hídrico. Revista Ecossistema v. 26, n. 1, p. 23-30, jan./jun. 2002.

SILVA, S. R. S. et al. Efeito do estresse hídrico sobre características de crescimento e a produção de óleo essencial de Melaleuca alternifolia Cheel. Acta Scientiarum, Maringá, v. 24, n. 5, p. 1363-1368, nov./dez. 2002.

SILVA, E. C. et al. Stomatal changes induced by intermittent drought in four umbu tree genotypes. Brazilian Journal of Plant Physiology, Londrina, v. 21, n. 1, p. 33-42, Jan./Mar. 2009.

SOUZA, V. C. et al. Produção de mudas de ipê-amarelo (Tabebuia serratifolia (Vahl.) Nich.) em diferentes substratos e tamanhos de recipientes. Agropecuária Técnica, Areia, v. 26, n. 2, p. 98-108, jul./dez. 2005.

SOUZA, G. M.; RIBEIRO, R. V. Respostas fisiológicas às variações ambientais de espécies tropicais arbóreas de diferentes classes sucessionais: alterações na fluorescência da clorofila, trocas gasosas e dissipação térmica. In: PRADO, C. H. B. A; CASALI, C. A. Fisiologia Vegetal: práticas em relações hídricas, fotossíntese e nutrição mineral. Barueri: Manole, 2006. www.manole.com.br/fisiologiavegetal Publicado em maio de 2008

TAIZ, L.; ZEIGER, F. Fisiologia Vegetal. 3. ed. Porto Alegre: Artmed, 2004. p. 719.




DOI: https://doi.org/10.5902/198050984510

Licença Creative Commons