CRESCIMENTO INICIAL DO PINHÃO-MANSO SUBMETIDO A DIFERENTES REGIMES HÍDRICOS EM LATOSSOLO VERMELHO DISTRÓFICO

Neriane de Souza Padilha, Cesar José da Silva, Silvio Bueno Pereira, João Alfredo Neto da Silva, Débora Menani Heid, Simone Priscila Bottega, Silvana de Paula Quintão Scalon

Resumo


O objetivo deste trabalho foi avaliar o crescimento inicial e algumas variáveis fisiológicas de pinhão-manso (Jatropha curcas L.) submetido a diferentes regimes hídricos em Latossolo Vermelho distrófico. O experimento foi conduzido em casa de vegetação da Embrapa Agropecuária Oeste, em Dourados-MS. Os tratamentos corresponderam aos regimes hídricos de 20, 40, 60, 80 e 100% da capacidade de retenção de água no solo. O delineamento experimental adotado foi o inteiramente casualizado com cinco regimes hídricos e cinco repetições. As avaliações de altura de plantas, diâmetro de caule e número de folhas foram realizadas em seis épocas, enquanto as variáveis condutância estomática e taxa fotossintética foram determinadas em duas épocas. No término do experimento avaliaram-se área foliar, massa seca de folhas, pecíolos, caules e raízes de todas as plantas de pinhão-manso. Os regimes hídricos de 60 e 80% da capacidade de retenção de água no solo proporcionam as melhores respostas para as variáveis fisiológicas e de crescimento na fase inicial do pinhão-manso. Teores de água disponível em um Latossolo Vermelho distrófico, abaixo de 60% e superiores a 80% da capacidade de retenção de água no solo, induzem sinais de estresse hídrico em plantas jovens de pinhão-manso.


Palavras-chave


Jatropha curcas; capacidade de retenção de água no solo; taxa fotossintética.

Texto completo:

PDF

Referências


ANUÁRIO BRASILEIRO DE AGROENERGIA. Pinhão-manso. Santa Cruz do Sul: Gazeta, 2007. 520 p.

ABDALLA, A. B. et al. Utilização de subprodutos da indústria de biodiesel na alimentação de ruminantes. Revista Brasileira de Zootecnia, v. 37, p. 260-268, 2008.

ARRUDA, G. M. T.; CALBO, M. E. R. Efeitos da inundação no crescimento, trocas gasosas e porosidade radicular da carnaúba (Copernicia prunifera (Mill.) H.E. Moore). Acta Botanica Brasilica, v. 18, p. 219-224, 2004.

BELTRÃO, N. E. M. et al. Fisiologia da mamoneira, cultivar BRS 149 nordestina, na fase inicial de crescimento, submetida a estresse hídrico. Revista Brasileira de Oleaginosas e Fibrosas, v. 7, p. 659-664, 2003.

CAIRO, P. A. R. Curso básico de relações hídricas de plantas. Vitória da Conquista: UESB, 1995. 32 p.

CHAGAS, P. D. Esperança Nacional. Revista do Biodisel, v. 1, p. 24-34, 2008.

CHAVES, M. M.; MAROCO, J. P.; PEREIRA, J. S. Understanding plant responses to drought – from genes to the whole plant. Functional Plant Biology, v. 30, p. 239-264, 2003.

DENG, X. et al. A comparison of photosynthetic apparatus of the detached leaves of the resurrection plant Boea hygrometrica with its non-tolerant relative Chirita hererotrichia in response to dehydration and rehydration. Plant Science, v. 165, p. 851-861, 2003.

DÍAZ-LÓPEZ, L. et al. Jatropha curcas seedlings show a water conservation strategy under drought conditions based on decreasing leaf growth and stomatal conductance. Agricutural Water Management, v. 105, p. 48-56, 2012.

DIVAKARA, B. N. et al. Biology and genetic improvement of Jatropha curcas L.: A review. Applied Energy, v. 87, p. 732-742, 2010.

EMBRAPA. Manual de métodos de análise de solo. Rio de janeiro: EMBRAPA-Centro Nacional de Pesquisa de Solos, 1997. 212 p.

ERISMANN, N. M.; MACHADO, E. C.; GODOY, I. J. Capacidade fotossintética de genótipos de amendoim em ambiente natural e controlado. Pesquisa Agropecuária Brasileira, v. 41, p. 1099-1108, 2006.

FERNÁNDEZ, M. D. Changes in photosynthesis and fluorescence in response to flooding in emerged and submerged leaves of Pouteria orinocoensis. Photosynthetica, v. 44, p. 32-38, 2006.

FREITAS, C. A. S. et al. Produção de matéria seca e trocas gasosas em cultivares de mamoneira sob níveis de irrigação. Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental, v. 15, p. 1168-1174, 2011.

INMAN-BAMBER, N. G. et al. Increasing sucrose accumulation in sugarcane by manipulating leaf extension and photosynthesis with irrigation. Australian Journal of Agricultural Research, v. 59, p. 13-26, 2008.

INMAN-BAMBER, N. G.; SMITH, D. M. Water relations in sugarcane and response to water deficits. Field Crops Research, v. 92, p. 185-202, 2005.

JONES, C. A. C4 Grasses and cereals: growth, development and stress response. New York: John Wiley & Sons, 1985. 419 p.

LARCHER, W. Ecofisiologia vegetal. São Carlos: Rima, 2004. 531 p.

LAWLOR, D. W.; UPRETY, D. C. Effects of water stress on photosynthesis of crops and the biochemical mechanism. In: ABROL, Y. P.; MOHANTY, P.; GOVINDJEE (Eds.). Photosynthesis: photoreactions to plant productivity. New York: Springer, 1993. p. 419-449.

LUDLOW, M. M.; MUCHOW, R. C. A critical evaluation of traits for improving crop yields in water-limited environments. Advances in Agronomy, v. 43, p. 107-153, 1990.

NERY, A. R. et al. Crescimento do pinhão-manso irrigado com águas salinas em ambiente protegido. Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental, v. 13, p. 551-558, 2009.

NOGUEIRA, R. J. M. C.; ALBUQUERQUE, M. B.; SILVA, E. C. Aspectos ecofisiológicos da tolerância à seca em plantas da caatinga. In: NOGUEIRA, R. J. M. C. et al. Estresses ambientais: danos e benefícios em plantas. Recife: Universidade Federal de Pernambuco, 2005. p. 22-31.

NOGUEIRA, R. J. M. C.; SANTOS, R. C. Alterações fisiológicas no amendoim submetido ao estresse hídrico. Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental, v. 4, p. 41-45, 2000.

OLIVA, M. A. et al. Seca de ponteiros em Eucalyptus camaldulensis Dehn em relação a estresse hídrico e nutrição mineral. Revista Árvore, v. 13, p. 19-33, 1989.

ROZA, F. A. Alterações morfofisiológicas e eficiência de uso da água em plantas de Jatropha curcas L. submetidas à deficiência hídrica. 2010. 67 f. Dissertação (Mestrado) – Universidade Estadual de Santa Cruz, Ilhéus, 2010.

SAEG. Sistema para Análises Estatísticas, Versão 9.1. Viçosa: Fundação Arthur Bernardes, 2007.

SANTOS, C. M. Fenologia e capacidade fotossintética do pinhão-manso (Jatropha curcas L.) em diferentes épocas do ano no estado de Alagoas. 2008. 67 f. Dissertação (Mestrado) – Universidade Federal de Alagoas, Rio Largo, 2008.

SANTOS, R. F.; CARLESSO, R. Déficit hídrico e os processos morfológicos e fisiológicos das plantas. Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental, v. 2, p. 287-294, 1998.

SATURNINO, H. M. et al. Cultura do pinhão-manso (Jatropha curcas L.). Informe Agropecuário, v. 26, p. 44-78, 2005.

SMIT, M. A.; SINGELS, A. The response of sugarcane canopy development to water stress. Field Crops Research, v. 98, p. 91-97, 2006.

SOUSA, S. M. Comportamento sazonal de sete genótipos de coqueiro (Cocos nucifera L.) nas condições ecológicas de Mojú no Estado do Pará. 2006. 68 f. Dissertação (Mestrado) – Universidade Federal Rural da Amazônia, Belém, 2006.

TAIZ, L.; ZEIGER, E. Fisiologia vegetal. Porto Alegre: Artmed, 2004. 613 p. (Artmed. Fisiologia vegetal, 3).

TAIZ, L.; ZEIGER, E. Fisiologia vegetal. Porto Alegre: Artmed, 2009. 848 p. (Artmed. Fisiologia vegetal, 4).

TOGNON, G. B. Potencial ornamental, propagação, rendimento de óleos essenciais e resposta à deficiência hídrica de ipoméias. 2010. 133 f. Dissertação (Mestrado) – Universidade de Passo Fundo, Passo Fundo, 2010.

WOLFE, D. W. et al. Interactive water and nitrogen effects on senescence of maize: I. Leaf area duration, nitrogen distribution, and yield. Agronomy Journal, v. 80, p. 859-864, 1988.

YORDANOV, I.; VELIKOVA, V.; TSONEV, T. Plant responses to drought and stress tolerance. Bulgarian Journal of Plant Physiology, special issue, p. 187-206, 2003.




DOI: http://dx.doi.org/10.5902/1980509822752

Licença Creative Commons