PERÍODOS DE SECAGEM NA QUALIDADE FISIOLÓGICA DE SEMENTES DE Licania rigida Benth

Eliane Duarte Brandão, Manoel Alexandre Diniz Neto, Luciana Rodrigues de Araújo, Ivandro de França da Silva, Wagner Magno Catão Barbosa, Maria Gabriela Souza Maioli

Resumo


A oiticica (Licania rigida Benth) é uma espécie arbórea perene, oleaginosa, que tem grande importância na região semiárida do nordeste do Brasil por preservar as margens dos rios e riachos temporários. Devido à escassez de informações referentes à dessecação de suas sementes, o trabalho teve como objetivo avaliar a qualidade fisiológica de sementes de oiticica submetidas a diferentes períodos de secagem. O delineamento experimental foi inteiramente ao acaso e os dados, submetidos à análise de variância e de regressão polinomial. Os tratamentos foram avaliados pela determinação do teor de água, emergência de plântulas, testes de vigor (primeira contagem, índice de velocidade de emergência, massa fresca e seca da parte aérea e raízes), e análise de crescimento (número de folhas, altura de plântulas e diâmetro caulinar). As sementes de oiticica comportam-se como ortodoxas, com elevada emergência à medida que seu teor de água é reduzido; o nível crítico de água, abaixo do qual há perda de viabilidade, está em torno de 6%.


Palavras-chave


oiticica; emergência; dessecação; vigor.

Texto completo:

PDF

Referências


ALVES, E. U. et al. Comportamento fisiológico de sementes de pitombeira [Talisia esculenta (A. ST. Hil) Radlk] submetidas à desidratação. Revista Brasileira de Fruticultura, Jaboticabal, v. 30, n. 2, p. 509-516, jun. 2008.

BARBEDO, C. J.; BILIA, D. A. C.; FIGUEIREDO-RIBEIRO, R. C. L. Tolerância à dessecação e armazenamento de sementes de Caesalpiniae chinata Lam. (pau-brasil), espécie da Mata Atlântica. Revista Brasileira de Botânica, São Paulo, v. 25, n. 4, p. 431-439, dez. 2002.

BARBEDO, C. J.; MARCOS-FILHO, J. Tolerância à dessecação em sementes. Acta Botanica Brasilica, São Paulo, v. 12, n. 2, p. 145-164, 1998.

BARROZO, L. M. et al. Qualidade fisiológica de sementes de ingá em função da secagem. Bioscience Journal, Uberlândia, v. 30, n. 3, p. 645-654, maio/jun. 2014.

BELTRÃO, N. E. M.; OLIVEIRA, M. I. P. Oleaginosas potenciais do Nordeste para a produção de biodiesel. 1. ed. Campina Grande: Embrapa Algodão, 2007. 54 p. (Série Documentos, 177).

BRASIL. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Regras para análise de sementes. Brasília: MAPA, 2009. 395 p.

CARVALHO, L. R.; SILVA, E. A. A.; DAVIDE, A. C. Classificação de sementes florestais quanto ao comportamento no armazenamento. Revista Brasileira de Sementes, Londrina, v. 28, n. 2, p. 15-25, 2006.

CARVALHO, N. M.; NAKAGAWA, J. Sementes: ciência, tecnologia e produção. 5. ed. Jaboticabal: FUNEP, 2012. 590 p.

DICKIE, J. B.; PRITCHARD, H. W. Systematic and evolutionary aspects of desiccation tolerance in seeds. In: BLACK, M.; PRITCHARD, H. W. Desiccation and survival in plants: drying without dying. Wallingford: CABI, 2002. p. 239-254.

DUQUE, G. O. Nordeste e as lavouras xerófilas. 4. ed. Fortaleza: Banco do Nordeste do Brasil, 2004. 330 p.

FONSECA, S. C. L.; FREIRE, H. B. Sementes re¬calcitrantes: problemas na pós-colheita. Bragantia, Campinas, v. 62, n. 2, p. 297-303, 2003.

HONG, T. D.; ELLIS, R. H. A protocol to determine seed storage behavior. Rome: International Plant Genetic Resources Institute, 1996. 62 p. (Technical Bulletin, 1).

HONG, T. D.; LININGTON, S.; ELLIS, R. H. Seed storage behaviour: a compendium. Rome: International Plant Genetic Resources Institute, 1996. 115 p. (Handbooks for Genebanks, 4).

JOSÉ, A. C.; SILVA, E. A.; DAVIDE, A. C. Classificação fisiológica de sementes de cinco espécies arbóreas de mata ciliar quanto à tolerância à dessecação e ao armazenamento. Revista Brasileira de Sementes, Londrina, v. 29, n. 2, p. 171-178, ago. 2007.

LAIME, E. M. O. et al. Emergência e crescimento inicial de plântulas de Inga ingoides (Rich.) Willd. em função da secagem das sementes. Engenharia Ambiental: Pesquisa e Tecnologia, Espirito Santo do Pinhal, v. 8, n. 3, p. 237-250, jul./set. 2011.

MAGUIRE, J. D. Speed of germination-aid in and evaluation for seedling emergence and vigour. Crop Science, Madson, v. 2, n. 2, p. 176-177, 1962.

MAIA, G. N. Caatinga: árvores e arbustos e suas utilidades. 1. ed. São Paulo: D & Z, 2004. 413 p.

MARCOS FILHO, J. Fisiologia de sementes de plantas cultivadas. Piracicaba: FEALQ, 2005, 495 p.

MEDEIROS, A. C. S.; EIRA, M. T. S. Comportamento fisiológico, secagem e armazenamento de sementes florestais nativas. 1. ed. Colombo: Embrapa Floresta, 2006. 13 p. (Circular Técnica, 127).

PRADO, N. B. Dessecação e temperaturas na qualidade das sementes de Achras sapota L. 2012. 57 f. Dissertação (Mestrado em Produção Vegetal) – Universidade Estadual de Santa Cruz, Ilhéus, 2012.

QUARESMA, J. M. Maturação e desenvolvimento de diásporos de Licania rígida Benth. 2014. 80 f. Monografia (Graduação) – Universidade Federal de Campina Grande, Patos, 2014.

SANTOS-MOURA, S. S. et al. Influência de diferentes períodos de secagem na qualidade fisiológica de sementes de Tapirira guianensis Aublet. Revista Brasileira de Fruticultura, Jaboticabal, v. 34, n. 2, p. 382-390, jun. 2012.




DOI: http://dx.doi.org/10.5902/1980509835339

Licença Creative Commons