SOLOS FLORESTAIS EM FRAGMENTO DE FLORESTA URBANA NA MATA DE DOIS IRMÃOS, RECIFE, PERNAMBUCO, BRASIL

Maria Salomé de Lima, Fernando José Freire, Luiz Carlos Marangon, Brivaldo Gomes de Almeida, Eberson Pessoa Ribeiro, Renato Lemos dos Santos

Resumo


O remanescente florestal que compõe o Parque Estadual Dois Irmãos (PEDI) é considerado como um dos maiores fragmentos florestais urbanos do Brasil. Há relatos no Parque da ocorrência de frequentes quedas de árvores sadias em condições naturais na reserva, o que pode comprometer seu equilíbrio natural e sua função como fragmento florestal urbano. É provável que este fenômeno possa estar associado com características químicas e físicas dos solos que compõem o PEDI. A presente pesquisa teve como objetivo avaliar química e fisicamente os solos do PEDI, identificando, mapeando e analisando o solo nas áreas de ocorrência de queda das árvores no locus da pesquisa. Foram mapeados 12 pontos de coleta de amostras em área representativa do PEDI. Amostras deformadas foram coletadas nas profundidades 0-0,10 m; 0,10-0,30 m; e 0,30-0,60 m e amostras não deformadas foram coletadas nas profundidades 0-0,05 m e 0,10-0,15 m. Nas amostras deformadas determinaram-se todos os atributos químicos e parte dos atributos físicos. Em amostras não deformadas determinaram-se apenas atributos físicos. Os solos do PEDI apresentaram baixa fertilidade natural. Mostraram reação ácida e com elevadas concentrações de Al3+ até 0,60 m de profundidade, que podem formar barreiras químicas que prejudicam o crescimento das raízes das plantas e podem estar causando a frequente queda de árvores no Parque. Os solos foram, em sua maioria, classificados como de textura argilosa a muito argilosa, muito permeáveis ao movimento vertical e lateral de água. Apresentaram uma elevada variabilidade na condutividade hidráulica e redução abrupta de umidade volumétrica com aplicação de pequenas tensões em camadas superficiais, além de maior retenção de água pelo Latossolo em subsuperfície. Com a finalidade de ampliar as informações e criar um banco de dados para estudos futuros, sugere–se o monitoramento das espécies mais vulneráveis à queda, além de analisar outros elementos químicos e físicos do solo do PEDI, como a abertura de perfis para compreender a dinâmica das raízes pivotantes.


Palavras-chave


queda de árvores; atributos químicos e físicos do solo; acidez de solos florestais

Texto completo:

PDF

Referências


ALVAREZ V. V. H et al. Interpretação dos resultados das análises de solos. In: RIBEIRO, A. C.; GUIMARÃES, P. T. G.; ALVAREZ V. V. H. (Ed.). Recomendações para o uso de corretivos e fertilizantes em Minas Gerais. 5ª Aproximação. Viçosa, MG: Comissão de Fertilidade do Solo do Estado de Minas Gerais, 1999. p. 25-32.

BOTREL, R. T. et al. Influência do solo e topografia sobre as variações da composição florística e estrutura da comunidade arbóreo-arbustiva de uma floresta estacional semidecidual em Ingaí-MG. Revista Brasileira de Botânica, São Paulo, v. 25, p. 195-213, 2002.

CALDAS, A. M. Solos, antropização e morfometria da microbacia do prata, Recife-PE. 2007. 130 f. Dissertação (Mestrado em Engenharia Agrícola) - Universidade Federal Rural de Pernambuco, Recife, 2007.

CARVALHO, D. A. et al. Distribuição de espécies arbóreo-arbustivas ao longo de um gradiente de solos e topografia em um trecho de floresta ripária do Rio São Francisco em Três Marias, MG, Brasil. Revista Brasileira de Botânica, São Paulo, v. 28, p. 329-345, 2005.

CITADINI-ZANETTE, V. Florística, fitossociologia e aspectos da dinâmica de um remanescente de mata atlântica na microbacia do rio Novo, Orleans, SC. 1995. 249 f. Tese (Doutorado em Ecologia e Recursos Naturais) - Universidade Federal de São Carlos, São Carlos, 1995.

COLLARES et al. Qualidade física do solo na produtividade da cultura do feijoeiro num Argissolo. Pesquisa Agropecuária Brasileira, Brasília, v. 41, n. 11, p. 1663-1664, 2006.

CORRÊA, M. M. et al. Formas de ferro, silício e, ou, alumínio na gênese de fragipãns e horizontes coesos dos Tabuleiros Costeiros. Revista Brasileira de Ciência do Solo, Viçosa, MG, v. 39, p. 940-949, 2015.

COUTINHO, R. Q.; LIMA FILHO, M. F.; SOUZA NETO, J. B. Características climáticas, geológicas, geomorfológicas e geotécnicas da Reserva Ecológica de Dois Irmãos. In: MACHADO, I. C.; LOPES, A. V.; PÔRTO, K. C. (Org.). Reserva Ecológica de Dois Irmãos: estudos em um remanescente de Mata Atlântica em área urbana. Recife: Editora Universitária da UFPE, 1998. 326 p.

CUNHA, J. C. et al. Quantification of permanent and variable charges in reference soils of the state of Pernambuco, Brazil. Revista Brasileira de Ciência do Solo, Viçosa, MG, v. 38, p. 1162-1169, 2014.

DALANESI, P. E.; OLIVEIRA FILHO, A. T.; FONTES, M. A. L. Flora e estrutura do componente arbóreo da floresta do Parque Ecológico Quedas do Rio Bonito, Lavras, MG, e correlações entre a distribuição das espécies e variáveis ambientais. Acta Botanica Brasilica, Belo Horizonte, v. 18, p. 737-757, 2004.

DANTAS, J. S. et al. Gênese de solos coesos do leste maranhense: relação solo-paisagem. Revista Brasileira de Ciência do Solo, Viçosa, MG, v. 38, p. 1039-1050, 2014.

EMBRAPA. Manual de análises químicas de solos, plantas e fertilizantes. 2. ed. rev. ampl. Brasília: Embrapa Informação Tecnológica, 2009. 627 p.

EMBRAPA. Manual de métodos de análise de solo. 2. ed. Rio de Janeiro: Embrapa Solos, 1997. 212 p.

ESPIG, S. A. et al. Composição e eficiência da utilização biológica de nutrientes em fragmento de Mata Atlântica. Ciência Florestal, Santa Maria, v. 18, n. 3, p. 307-314, 2008.

ESPIG, S. A. et al. Sazonalidade, composição e aporte de nutrientes da serrapilheira em fragmento de Mata Atlântica. Revista Árvore, Viçosa, MG, v. 33, p. 949-956, 2009.

FERREIRA, I. C. M. et al. Solos e vegetação nativa remanescente no Município de Campinas. Pesquisa Agropecuária Brasileira, Brasília, v. 42, n. 9, p. 1319-1327, 2007.

GAMA, J. R. N. F.; KIEHL, J. C. Influência do alumínio de um Podzólico Vermelho-Amarelo do Acre sobre o crescimento das plantas. Revista Brasileira de Ciência do Solo, Viçosa, MG, v. 23, p. 475-482, 1999.

HARTWIG, I. et al. Mecanismos associados à tolerância ao alumínio em plantas. Semina: Ciências Agrárias, Londrina, v. 28. n. 2, p. 219-228, 2007.

INSTITUTO BRASILEIRO FLORESTAL. Bioma Mata Atlântica. [2015]. Disponível em: . Acesso em: 23 jun. 2015.

JACOMINE, P. K. T. et al. Levantamento exploratório – reconhecimento de solos do Estado de Pernambuco. Recife: Embrapa Centro de Pesquisas Pedológicas, 1973. 713 p. (Boletim Técnico, 26).

JORDAN, C. F. Nutrient cycling processes and tropical forest management. In: GÓMEZ-POMPA, A.; WHITMORE, T. C.; HADLEY, M. (Ed.). Rain forest regeneration and management. New York: UNESCO, 1991. p. 1159-1180.

LEAL, L.; BIONDI, D.; BATISTA, A. C. Influência das florestas urbanas na variação termo-higrométrica da área intraurbana de Curitiba – PR. Revista Ciência Florestal, Santa Maria, v. 24, n. 4, p. 807-820, 2014.

LIMA, M. G. C.; CORRÊA, A. C. B. Apropriação de uma unidade de Conservação de Mata Atlântica no espaço urbano de Recife – PE: o caso da Reserva de Dois Irmãos. Revista de Geografia, Campo Grande, v. 22, p. 67-77, 2005.

MAFRA, A. L. et al. Carbono orgânico e atributos químicos do solo em áreas florestais. Revista Árvore, Viçosa, MG, v. 32, p. 217-224, 2008.

MARIN, A. M. P. Impactos de um sistema agroflorestal com café na qualidade do solo. 2002. 156 f. Tese (Doutorado em Solos e Nutrição de Plantas) - Universidade Federal de Viçosa, Viçosa, MG, 2002.

MITTERMEIER, R. A. et al. Hotspots revisited: earth's biologically richest and most endangered terrestrial ecoregions. 2nd ed. Boston: University of Chicago Press, 2005. 392 p.

MOREIRA, E. B. M.; GALVÍNCIO, J. D. Espacialização das temperaturas à superfície na cidade do Recife, utilizando imagens TM – LANNDSAT 7. Revista de Geografia, Campo Grande, v. 24, p. 101-115, 2007.

NOVAIS, R. F.; SMYTH, T. J. Fósforo em solo e planta em condições tropicais. Viçosa, MG: Universidade Federal de Viçosa, Departamento de Solos, 1999. 399 p.

RIBEIRO, M. C. et al. The brazilian forest: how much is left, and how is remaining forest distributed ? implications for conservation. Biological conservation, Essex, v. 142, n. 6, p. 1141-1153, 2009.

ROSSI, M. et al. Relação solo/vegetação em área natural no Parque Estadual de Porto Ferreira, São Paulo. Revista do Instituto Florestal, São Paulo, v. 17, p. 45-61, 2005.

RUGGIERO, P. G. C. et al. Relação entre solo, vegetação e topografia em área de cerrado (Parque Estadual de Vassununga, SP): como se expressa em mapeamentos? Acta Botanica Brasilica, Belo Horizonte, v. 20, p. 383-394, 2006.

RUIZ, H. A. Incremento da exatidão da análise granulométrica do solo por meio da coleta da suspensão (Silte + Argila). Revista Brasileira de Ciência do Solo, Viçosa, MG, v. 29, n. 2, p. 297-300, 2005.

SANTOS, H. G. et al. (Org.). Sistema brasileiro de classificação de solos. 3. ed. rev. ampl. Brasília: Embrapa, 2013. 353 p.

SANTOS, J. C. B. Caracterização de neossolos regolíticos da região semi-árida do estado de Pernambuco. 2011. 102 f. Dissertação (Mestrado em Ciência do Solo) - Universidade Federal Rural de Pernambuco, Recife, 2011.

SILVA, R. B. M. et al. Relação solo/vegetação em ambiente de Cerrado sobre influência do grupo Urucuia. Revista Ciência Florestal, Santa Maria, v. 25, p. 363-373, 2015.

TOMÉ JÚNIOR, J. B. Manual para interpretação de análise de solo. Guaíba: Agropecuária Técnica, 1997. 123 p.

VAN GENUCHTEN, M. T. A. A closed-form equation for predicting the hydraulic conductivity of unsaturated soils. Soil Science Society of America Journal, Madison, v. 44, p. 892-898, 1980.




DOI: http://dx.doi.org/10.5902/1980509832037

Licença Creative Commons