Classificação de fragmentos florestais urbanos com base em métricas da paisagem

Alessandra Leite da Silva, Regina Márcia Longo, Adriano Bressane, Marcius Fabius Henriques de Carvalho

Resumo


A urbanização no município de Campinas-SP e região ocorreu de forma rápida e intensa, provocando acentuadas alterações na paisagem e resultando em uma expressiva degradação das áreas florestais e da cobertura vegetal natural. Este fenômeno deu origem a um processo de fragmentação florestal bastante intenso. Neste contexto, mapear estes fragmentos e avaliá-los segundo indicadores ambientais é de suma importância, pois permite avaliar a condição destes nas bacias hidrográficas, bem como identificar áreas prioritárias para ações de recuperação e manejo a serem implantadas. Assim, o presente estudo traz uma classificação dos fragmentos florestais identificados na Bacia do Ribeirão Anhumas, Campinas-SP, utilizando como indicadores as seguintes métricas de paisagem: tamanho, área nuclear e índice de circularidade. Para tanto, foi realizada uma Análise de Agrupamento com uso do software estatístico XSTAT, como forma de identificar as semelhanças entre os fragmentos, considerando os indicadores supracitados, e agrupá-los em classes. Uma correlação entre eles também foi desenvolvida a fim de identificar possíveis relações de interdependência. Constatou-se que a bacia estudada é altamente urbanizada, sobretudo na região do alto curso, local onde existem menos fragmentos, com tamanhos menores e em situação majoritária de isolamento. Embora, de forma geral, os fragmentos apresentem tamanho bom, há um considerável agravante: o índice de área nuclear é bastante baixo, cerca de 25%, o que implica que grande parte da área de cobertura ocupada pelos fragmentos encontra-se sujeita aos efeitos de borda. Além disso, pela análise de agrupamento, os fragmentos puderam ser agrupados em três classes, sendo o fator tamanho um dos mais determinantes. Identificou-se ainda a sub-bacia do baixo curso como a região menos urbanizada e com maiores fragmentos e maior potencial para a implantação de ações de manejo e recuperação dos fragmentos florestais como, por exemplo, corredores ecológicos.


Palavras-chave


Urbanização; Fragmentação florestal; Qualidade ambiental

Texto completo:

PDF

Referências


ANDERSSON, E. et al. Reconnecting cities to the biosphere: stewardship of green infrastructure and urban ecosystem services. AMBIO, Stockholm, v. 43, n. 4, p. 445-453, 2014.

BARGOS, D. C.; MATIAS, L. F. Áreas verdes urbanas: um estudo de revisão e proposta conceitual. Revista da Sociedade Brasileira de Arborização Urbana, Piracicaba, v. 6, n. 3, p. 172–188, 2011.

CALEGARI, L. et al. Análise da dinâmica de fragmentos florestais no município de Carandaí, MG, para fins de restauração florestal. Revista Árvore, Viçosa, MG, v. 34, n. 5, p. 871-880, out. 2010.

CAMARGO, M. et al. A sustentabilidade urbana analisada através do estudo de implantação de corredores verdes em dois logradouros da cidade de Cruz Alta/RS. Revista Gedecon, Cruz Alta, v. 1, n. 1, p. 127–135, 2013.

CAMPINAS. Prefeitura Municipal de Campinas. Plano Diretor Estratégico. Campinas: Secretaria de Planejamento e Desenvolvimento Urbano, 2017.

CHAVES, H. M. L.; SANTOS, L.B. Ocupação do solo, fragmentação da paisagem e qualidade da água em uma pequena bacia hidrográfica. Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental, Campina Grande, v. 13, p. 922-930, dez. 2009.

COPQUE, A. C. S. M. et al. Expansão urbana e redução de áreas verdes na localidade do Cabula VI Região do miolo da cidade do Salvador, Bahia. In: SIMPÓSIO BRASILEIRO DE SENSORIAMENTO REMOTO, 15., 2011, Curitiba. Anais [...]. São José dos Campos: SBSR, 2011. p. 0706-0713.

DAMAME, D. B. et al. Variation of the anthropic vulnerability in Ribeirão das Pedras watershed in Campinas/SP - Brazil. Geophysical Research Abstracts, Vienna, v. 17, p. 577, 2015.

DAMAME, D. B.; LONGO, R. M.; OLIVEIRA, E. D. Impactos ambientais pelo uso e ocupação do solo em sub bacias hidrográficas de Campinas, São Paulo, Brasil. Acta Brasiliensis, Campina Grande, v. 3, n. 1, p. 1-7, 2019.

ETTO, T. L. et al. Ecologia da paisagem de remanescentes florestais na bacia hidrográfica do Ribeirão das Pedras - Campinas -SP. Revista Árvore, Viçosa, MG, v. 37, n. 6, p. 1063-1071, dez. 2013.

FEIJOO, A. M. L. C. Medidas de dispersão. In: A PESQUISA e a estatística na psicologia e na educação. Rio de Janeiro: Centro Edelstein de Pesquisas Sociais, 2010. p. 23-27.

FENGLER, F. H. et al. Environmental quality of forest fragments in Jundiaí-Mirim river basin between 1972 and 2013. Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental, Campina Grande, v. 19, n. 4, p. 402-408, abr. 2015.

FERNANDES, M. M.; FERNANDES; M. R. M. Análise espacial da fragmentação florestal da Bacia do Rio Ubá – RJ. Ciência Florestal, Santa Maria, v. 27, n. 4, p. 1429-1439, out./dez. 2017.

GARCIA, J. M. et al. Uso de fotografias hemisféricas para avaliação da qualidade ambiental na Mata de Santa Genebra, Campinas-SP, Brasil. Ciência Florestal, Santa Maria, v. 28, n. 1, p.175-190, jan./mar. 2018.

GREGGIO, T. C.; PISSARRA, T. C. T.; RODRIGUES, F. M. Avaliação dos fragmentos florestais do município de Jaboticabal-SP. Revista Árvore, Viçosa, MG, v. 33, n. 1, p. 117-124, fev. 2009.

HERZOG, C. P.; ROSA, L. Z. Infraestrutura verde: sustentabilidade e resiliência para a paisagem urbana. Revista LABVERDE, São Paulo, n. 1, p. 92-115, set. 2010.

HOLANDA, A. C. et al. Estrutura de espécies arbóreas sob efeitos de borda em um fragmento de floresta estacional semidecidual em Pernambuco, Viçosa, MG, Revista Árvore, Viçosa, MG, v. 34, n. 1, 2010.

JESUS, E. N. et al. Estrutura dos fragmentos florestais da Bacia Hidrográfica do Rio Poxim-SE, como subsídio à restauração ecológica. Revista Árvore, Viçosa, MG, v. 39, n. 3, p. 467-474, 2015.

LONDE, P. R.; CEZAR, M. P. A influência das áreas verdes na qualidade de vida urbana. Hygeia, Uberlândia, v. 10, n. 18, p. 264–272, 2014.

MASSOLI, J. V.; STATELLA, T.; SANTOS, V. S. Estimativa da fragmentação florestal na microbacia Sepotubinha, Nova Marilândia - MT, entre os anos de 1990 a 2014. Caminhos de Geografia, [s. l.], v. 17, n. 60, p. 480-60, 2016.

NAHAS, M. I. P. Indicadores Intra-urbanos como instrumento de gestão da qualidade de vida urbana em grandes cidades: uma discussão teórico-metodológica. In: VITTE, A. C.; KEINERT, T. M. M. (org.). Qualidade de vida, planejamento e gestão urbana: discussões teórico-metodológicas. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2009. 312 p.

OLIVEIRA, L. S. C. et al. Edge effect in Atlantic Forest Remnants in the watershed of the river Tapacurá, Perbambuco. Cerne, Lavras, v. 21, n. 2, p. 169-174, 2015.

PIROVANI, D. B. et al. Análise espacial de fragmentos florestais na Bacia do Rio Itapemirim, ES. Revista Árvore, Viçosa, MG, v. 38, n. 2, p. 271-281, abr. 2014.

SAMPAIO, R. C. N. Efeito de borda em um fragmento de floresta estacional semidecidual no interior do Estado de São Paulo. 2011. Dissertação (Mestrado em Ciência Florestal) - Universidade Estadual Paulista, Faculdade de Ciências Agronômicas, São Paulo, 2011.

SILVA, A. L. et al. Fragmentação e análise espacial dos remanescentes florestais na Bacia Hidrográfica do Ribeirão Anhumas, Campinas-SP. In: REUNIÃO ANUAL DA SBPC, 69., 2017, Belo Horizonte. Anais [...]. Belo Horizonte: SBPC, 2017.

SILVA, K. G. et al. Análise da dinâmica espaço-temporal dos fragmentos florestais da sub-bacia hidrográfica do Rio Alegre, ES. Cerne, Lavras, v. 21, n. 2, p. 311-318, jun. 2015.

SILVA, M. S. F.; MELO, R. Padrões espaciais de fragmentação florestal na FLONA do Ibura - Sergipe. Revista Mercator, Fortaleza, v. 13, n. 3, p. 121-137, 2014.

SILVÉRIO NETO, R. S. et al. Caracterização da cobertura florestal de Unidades de Conservação da Mata Atlântica. Floresta e Ambiente, Seropédica, v. 22, n. 1, p. 32-41, 2015.

SOUZA, L. S.; LAGANÁ, M. V.; CHAVES, M. A. R. Estudo das enchentes nas proximidades do Tilli Center, às margens do Ribeirão das Pedras, Campinas, SP. Revista Ciências do Ambiente On-Line, Campinas, v. 8, n. 2, p. 21-27, out. 2012.

STREIMIKIENE, D. Environmental indicators for the assessment of quality of life. Intellectual Economics, [s. l.], v. 9, p. 67-79, 2015.




DOI: http://dx.doi.org/10.5902/1980509830201

Licença Creative Commons