Riqueza, diversidade e composição arbórea nas praças de Palmas, Tocantins

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5902/1980509861429

Palavras-chave:

Arborização, Áreas verdes, Urbana, Biodiversidade

Resumo

Nos centros urbanos, o planejamento da arborização urbana é fundamental para garantir a qualidade de vida dos cidadãos, sendo que as praças são locais estratégicos para promover a interação entre as pessoas, conforto térmico e a conservação da biodiversidade urbana. Diferente de muitas cidades brasileiras, Palmas, capital do Tocantins, desde sua concepção buscou incorporar em seu planejamento urbanístico a delimitação de áreas verdes e praças com o objetivo de assegurar o conforto térmico, lazer e qualidade de vida à população. O presente estudo objetivou avaliar a arborização das praças das quadras urbanizadas do Plano Diretor de Palmas - TO, caracterizando e quantificando a arborização das praças implantadas em diferentes períodos e praças ainda sem infraestrutura, comparando a sua riqueza, diversidade e composição arbórea. Registrou-se a presença de 2.350 árvores de 35 famílias botânicas e 111 espécies nas praças de 12 quadras de Palmas - TO. As espécies nativas do Cerrado foram as mais frequentes em todos os tipos de praça. As análises de diversidade Alfa e Beta determinaram as praças não desmatadas como as mais diversas e dotadas de comunidades mais similares, padrões positivos que diferem dos descritos para a arborização da maioria das praças brasileiras, um modelo diferenciado que deve ser preservado e propagado pelo poder público local.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Renato Torres Pinheiro, Universidade Federal do Tocantins, Palmas, TO

Biólogo, Dr., Professor do Programa de Pós-graduação em Biodiversidade, Ecologia e Conservação, Universidade Federal do Tocantins, Campus de Porto Nacional, rua 03, quadra 17, lote 11, Jardim dos Ipês I, Porto Nacional, CEP 77500-000, Palmas (TO), Brasil.

Dianes Gomes Marcelino, Ecótono Engenharia, Parauapebas, PA

Engenheiro Ambiental, Me., Ecótono Engenharia, Rua D, 49, Casa 04, Cidade Nova, CEP 68515-000, Parauapebas (PA), Brasil.

Dieyson Rodrigues de Moura, Ecótono Engenharia, Palmas, TO

Engenheiro Ambiental, Me., Ecótono Engenharia, 104 Norte, NE 03, Lote 38, Sala 03, Plano Direto Norte, CEP 77006-018, Palmas (TO), Brasil.

Camila Rocha Bittencourt, Universidade Federal do Tocantins, Palmas, TO

Acadêmica de Engenharia Ambiental, Universidade Federal do Tocantins, Campus de Palmas, 109 Norte, Av. NS-15, ALCNO 14, Plano Diretor Norte, CEP 77001-090, Palmas (TO), Brasil.

Referências

ANGIOSPERM PHYLOGENY GROUP IV. An update of the Angiosperm Phylogeny Group classifi-cation for the orders and families of flowering plants: APG IV. Botanical Journal of the Linnean Society, London, v. 181, p. 105-121, may 2016.

ADORNO, L. F. M.; FIGHERA, D. R. A Trajetória da política ambiental de Palmas enquanto capital ecológica. In: ALMEIDA, M. D. de (org.). Tantos Cerrados. Goiânia: Vieira, 2005. v. 1. p. 205-223.

DIAS, J. et al. Invasive alien plants in Brazil: a nonrestrictive revision of academic works. Natureza e Conservação, [s. l.], v. 11, n. 1, p. 31-35, jul. 2013.

FIGHERA, D. R. A efetividade do projeto de cidade ecológica de Palmas (TO) pelos seus espaços verdes. 2005. Dissertação (Mestrado em Ciências do Ambiente) – Universidade Federal do Tocantins, Palmas, 2005.

GÓMEZ-BAGGETHUN, E.; BARTON, D. N. Classifying and valuing ecosystem services for urban planning. Ecological Economics, Amsterdam, v. 86, p. 235-245, 2013.

GRIMM, N. B. et al. Global change and the ecology of cities. Science, [s. l.], v. 319, p. 756-760, feb. 2008.

HAMMER, O.; HARPER, D. A. T.; RYAN, P. D. PAST: Paleontological statistics software package for education and data analysis. Paleontologia Eletrônica, [s. l.], v. 4, n. 1, p. 1-9, maio 2001.

IBGE. Censo demográfico 2010. Rio de Janeiro, [2010]. Disponível em: https://cidades.ibge.gov.br/brasil/panorama. Acesso em: 17 jun. 2020.

JARDIM BOTÂNICO DO RIO DE JANEIRO. Flora do Brasil 2020 em construção. Rio de Janeiro, 2020. Disponível em: http://floradobrasil.jbrj.gov.br/. Acesso em: 12 maio 2020.

KRAMER, J. A.; KRUPEK, R. A. Caracterização florística e ecológica da urbanização de praças públicas do município de Guarapuava-PR. Revista Árvore, Viçosa, MG, v. 36, n. 4, p. 647-658, maio 2012.

KUHLMANN, M.; RIBEIRO, J. F. Evolution of seed dispersal in the Cerrado biome: ecological and phylogenetic considerations. Acta Botanica Brasilica, Belo Horizonte, v. 30, n. 2, p. 271-282, maio 2016.

LORENZI, H. Árvores brasileiras: manual de identificação e cultivo de plantas arbóreas nativas do Brasil. 2. ed. Nova Odessa: [s. n.], 2002. v. 1. 384 p.

LORENZI, H. Árvores brasileiras: manual de identificação e cultivo de plantas arbóreas nativas do Brasil. 4. ed. Nova Odessa: [s. n.], 2014. v. 2. 384 p.

LORENZI, H. et al. Plantas exóticas no Brasil: madeireiras, ornamentais e aromáticas. Nova Odessa: [s. n.], 2003. 368 p.

MAGURRAN, A. E. Medindo a diversidade biológica. Curitiba: Editora da UFPR, 2011. 261 p.

MCPHERSON, E. G.; VAN DOORN, N.; GOEDE, J. Structure, function and value of street trees in California, USA. Urban Forestry & Urban Greening, Amsterdam, v. 17, p. 104-115, apr. 2016.

PALMAS (TO). Prefeitura. Diagnóstico da Arborização Urbana de Palmas-TO. Palmas, 2015. 372 p.

PALMAS (TO). Prefeitura. Plano da Arborização Urbana de Palmas-TO. Palmas, 2016. 112 p.

PANTA, M. V. Estudo da vegetação arbórea da Praça dos Girassóis, Palmas-TO. 2017. Dissertação (Mestrado em Ciências Florestais e Ambientais) - Universidade Federal do Tocantins, Gurupi, 2017.

PINHEIRO, R. T.; MARCELINO, D. G.; MOURA, D. R. Espécies arbóreas de uso múltiplo e sua importância na conservação da biodiversidade nas áreas verdes urbanas de Palmas, Tocantins. Desenvolvimento e Meio Ambiente, Curitiba, v. 49, p. 264-282, dez. 2018.

PINHEIRO, R. T.; MARCELINO, D. G.; MOURA, D. R. Composição e diversidade arbórea nas quadras urbanizadas de Palmas, Tocantins. Ciência Florestal, Santa Maria, v. 30, n. 2, p. 565-582, abr./jun. 2020.

QUEIROGA, E. F. Da relevância pública dos espaços livres: um estudo sobre metrópoles e capitais brasileiras. Revista do Instituto de Estudos Brasileiros, São Paulo, v. 58, p. 105-132, jun. 2014.

REZENDE, T. M.; SANTOS, D. G. Avaliação quali-quantitativa da arborização das praças do bairro Jaraguá, Uberlândia – MG. Revista da Sociedade Brasileira de Arborização Urbana, Piracicaba, v. 5, n. 2, p. 139-157, jun. 2010.

SANTOS, A. F.; JOSÉ, A. C.; SANTOS, P. A. Fitossociologia e diversidade de espécies arbóreas das praças centrais do município de Gurupi-TO. Revista da Sociedade Brasileira de Arborização Urbana, Piracicaba, v. 8, n. 4, p. 36-46, 2013.

SILVA, L. S. et al. Inventário das plantas arbustivo-arbóreas utilizadas na arborização urbana de praças públicas. Journal of Environmental Analysis and Progress, [s. l.], v. 3, n. 2, p. 241-249, abr. 2018.

SOUZA, A. L. et al. Diagnóstico quantitativo e qualitativo da arborização das praças de Aracaju, SE. Revista Árvore, Viçosa, MG, v. 35, n. 6 p. 1253-1263, dez. 2011.

TEIXEIRA, L. F. C. A formação de Palmas. Revista UFG, Goiânia, v. 6, p. 91-99, 2009.

THE PLANT LIST. Version 1.1. [S. l.], 2013. Disponível em: http://www.theplantlist.org/. Acesso em: 17 nov. 2020.

VIEZZER, J. et al. A vegetação no paisagismo das praças de Curitiba - PR. Ciência Florestal, Santa Maria, v. 28, n. 1, p. 369-383, mar. 2018.

ZILLER, S. R.; ZENNI, R. D.; GRAF NETO, J. Invasões biológicas: introdução, impactos e espécies invasoras no Brasil. In: PEDROSA-MACEDO, J. H.; BREDOW, E. A. Princípios e rudimentos do controle biológico de plantas. Curitiba: UFPR, 2004. p. 17-41.

Downloads

Publicado

24-06-2022

Como Citar

Pinheiro, R. T., Marcelino, D. G., Moura, D. R. de, & Bittencourt, C. R. (2022). Riqueza, diversidade e composição arbórea nas praças de Palmas, Tocantins. Ciência Florestal, 32(2), 856–879. https://doi.org/10.5902/1980509861429

Edição

Seção

Artigos

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)