Estabelecimento e multiplicação in vitro de Luehea divaricata Mart. & Zucc.

Andressa Vasconcelos Flôres, Lia Rejane Silveira Reiniger, Aline Ritter Curti, Ana Catarina M. Carvalho Mori da Cunha, Diego Pascoal Golle, Josiana Scherer Bassan

Resumo


O açoita-cavalo, Luehea divaricata Mart. & Zucc., pertencente à família Malvaceae, é uma espécie florestal que sofreu grande ação antrópica nas últimas décadas. Esse fato contribuiu muito para a redução das populações naturais e, consequentemente, de sua variabilidade genética, o que justifica a realização de estudos relacionados à propagação da espécie. Como forma de propagação vegetativa, a micropropagação torna-se uma opção para a regeneração de plantas que apresentam dificuldade de reprodução natural, além de ser uma estratégia para a conservação das espécies. O trabalho teve como objetivos determinar o tipo de explante e o meio de cultivo mais eficientes para o estabelecimento in vitro, além de verificar a influência de diferentes concentrações da citocinina BAP na multiplicação de segmentos nodais de açoita-cavalo. As sementes utilizadas foram coletadas e armazenadas pela Fundação Estadual de Pesquisa Agropecuária – FEPAGRO-Florestas em Santa Maria, RS e as plântulas obtidas in vitro foram utilizadas como fonte de explantes. Na seleção de explantes e meio de cultivo, foram testados segmentos apicais caulinares e segmentos nodais cultivados nos meios nutritivos MS e WPM. Diferentes concentrações de BAP (0, 5, 10 e 15 mg L-1) foram avaliadas na multiplicação in vitro de açoita-cavalo. No estabelecimento in vitro de açoita-cavalo podem-se empregar tanto segmentos apicais caulinares como segmentos nodais e ambos os meios de cultivo. Visando a maximizar o cultivo de açoita-cavalo, deve-se utilizar o meio de cultivo WPM, pelo custo reduzido. Na multiplicação in vitro de açoita-cavalo não deve ser adicionada a citocinina BAP, pois na ausência desse regulador se observa melhor resposta dos explantes para a maioria das características avaliadas, além de reduzir os custos no cultivo in vitro da espécie.

Palavras-chave


açoita-cavalo; cultura de tecidos; meios de cultivo; regulador de crescimento

Texto completo:

PDF

Referências


BORGATTO, F.; HAYASHI, T. K. Biotecnologia de plantas. In: CASTRO, P.R.C.; SENA, J.O.A. de; KLUGE, R.A. (org.). Introdução à fisiologia do desenvolvimento vegetal. Maringá: Eduem, 2002. p. 227-254.

BRUM, G. R. Micropropagação de figueira (Ficus carica L.) ‘Roxo de Valinhos’. 2001. 41 p. Dissertação (Mestrado em Fitoquímica)–Universidade Federal de Lavras, Lavras, 2001.

CALDAS, L. S.; HARIDASAN, P.; FERREIRA, M. E. Meios nutritivos. In: TORRES, A. C.; CALDAS, L. S.; BUSO, J. A. Cultura de tecidos e transformação genética de plantas. Brasília: Embrapa-SPI/Embrapa-CNPH, 1998. v. 1. p. 87-132.

CARVALHO, P. E. R. Espécies florestais brasileiras: recomendações silviculturais, potencialidades e usos da madeira. Colombo: EMBRAPA – CNPF, 1994. 640 p.

CHAVES, A. C.; SCHUCH, M. W.; ERIG, A. C. Estabelecimento e multiplicação in vitro de Physalis peruviana L. Ciência Agrotécnica, Lavras, v. 29, n. 6, p. 1281-1287, nov./dez., 2005.

DAMIÃO FILHO, C. F. Cultura de tecidos de plantas: micropropagação. Jaboticabal: FUNEP, 1995. 25 p.

DECCETTI, S. F. C. Propagação in vitro de Annona glabra L. 2000. 101 p. Dissertação (Mestrado em Fitotecnia)–Universidade Federal de Lavras, Lavras, 2000.

DONINI, L. P. et al. Estabelecimento in vitro de oliveira cv. “Arbequina” para início da micropropagação. Ciência Rural, Santa Maria, v. 38, n. 6, p. 1769-1772, nov./dez.2008.

ERIG, A. C.; SCHUCH, M. W. Tipo de explante e controle da contaminação e oxidação no estabelecimento in vitro de plantas de macieira (Malus domestica Borkh.) cvs. Galaxy, Maxygala e Mastergala. Revista Brasileira de Agrociência, Pelotas, v. 9, n. 3, p. 221-227, 2003.

ERIG, A. C.; SCHUCH, M. W.; SILVA, L. C. da. Multiplicação in vitro de macieira (Malus domestica Borkh.) cv. Galaxy: meio de cultura e agentes solidificantes alternativos. Revista Brasileira de Agrociência, Pelotas, v. 10, n. 3, p. 297-302, 2004.

ERIG, A. C.; SCHUCH, M. W. Estabelecimento in vitro de mirtilo a partir de sementos nodais. Scientia Agraria, Curitiba, v. 6, n. 1-2, p. 91-96, 2005.

FLORES, R.; NICOLOSO, F. T. Efeito do ANA e BAP na calogênese de organogênese de Pfaffia tuberosa (Spreng.) Hicken Revista Brasileira de Plantas Medicinais, Botucatu, v. 9, n. 4, p. 92-96, 2007.

FLORES, R. et al. Regeneração in vitro de espinheira-santa (Maytenus ilicifolia Mart.). Revista Brasileira de Agrociência, Pelotas, v. 4, n. 3, p. 201-205, 1998.

GRATTAPAGLIA, D., MACHADO, M. A. Micropropagação. In: TORRES, A. C., CALDAS, L. S., BUSO, J. A. (eds.) Cultura de tecidos e transformação genética de plantas. Brasília: EMBRAPA/CNPH, 1998. p. 183-260.

HU, C. Y., FERREIRA, A. G. Cultura de embriões. In: TORRES, A. C., CALDAS, L. S., BUSO, J. A. (eds.) Cultura de tecidos e transformação genética de plantas. Brasília: EMBRAPA/CNPH, 1998. p. 533-568.

LLOYD, G., McCOWN, B. Commercially feasible micropropagation of montaim laurel, Kalmia latifolia, by use of shoot tip culture. Combined Proceedings International Plant Propagators Society, v. 30, p. 421-427, 1981.

MANTOVANI, N. C. et al. Micropropagação de caixeta, Didymopanax morototoni (Aubl.) Dcne. et. Planch. Ciência Florestal, Santa Maria, v. 9, n. 1, p. 47-61, 1999.

MANTOVANI, N. C.; FRANCO, E. T. H.; VESTENA, S. Regeneração in vitro de louro-pardo (Cordia trichotoma (Vellozo) Arrabida ex Steudel). Ciência Florestal, Santa Maria, v. 11, n. 2, p. 93-101, 2001.

MELO, N. F. de et al. Estabelecimento do cultivo in vitro da aceroleira (Malpighia emarginata DC.). Ciência e Agrotecnologia, Lavras, v. 23, n. 1, p. 102-107, 1999.

MOURA, E. F.; MENEZES, I. C.; LEMOS, O. F. de Concentrações de citocinina e carvão ativado na micropropagação de pimenta do reino. Ciência Rural, Santa Maria, v. 38, n. 1, p. 72-76, 2008.

MURASHIGE, T., SKOOG, F. A revised medium for rapid growth and bio-assays with tobacco tissue cultures. Physiologia Plantarum, Copenhagen, v.1, p. 437-496, 1962.

PUGA, N. T.; NASS, L. L.; AZEVEDO, J. L. Glossário de biotecnologia vegetal. São Paulo: Manole, 1991. 87 p.

REIS, C. V. dos et al. Efeitos do tipo de explante e diferentes balanços de auxina e citocinina na regeneração in vitro de Catharanthus roseus (L.) G. Don. Agronomia, Seropédica, v. 38, n. 1, p. 93-97, 2004.

RIBEIRO, L. S. et al. Fontes de nitrogênio na micropropagação de Coffea arábica. Scientia Agraria, Curitiba, v. 3, n. 1-2, p. 107-112, 2002.

SABÁ, R. T. et al. Micropropagação de jaborandi. Horticultura Brasileira, Campinas, v. 20, n. 1, p. 106-109, 2002.

SILVEIRA, C. A. P. et al. Multiplicação in vitro de porta-enxertos do gênero Prunus sob diferentes concentrações de BAP em dois meios de cultura. Revista Brasileira de Fruticultura, Jaboticabal, v. 23, n. 3, p. 488-492, 2001.

SOUZA, A. S.; JUNGHANS, T. G. Introdução à micropropagação de plantas. Cruz das Almas: Embrapa Mandioca e Fruticultura Tropical, 2006. 152 p.

STATSOFT. Statistica for Windows (Computer Program Manual). Tulsa: Statsoft, 2006.

TERMIGNONI, R. R. Cultura de Tecidos Vegetais. Porto Alegre: UFRGS, 2005. 182 p.

TORRES, A. C. et al. Meio e condições de incubação para cultura de tecidos de plantas. Brasília: Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento/EMBRAPA Hortaliças, 2001. p. 20. (Circular técnica Embrapa Hortaliças, n.24).

VILLA, F. et al. Multiplicação in vitro da amoreira-preta ‘ébano’em diferentes concentrações de meio MS e BAP. Ciência Agrotécnica, Lavras, v. 29, n. 3, p. 582-589, 2005.




DOI: http://dx.doi.org/10.5902/198050982760

Licença Creative Commons